Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Numerologia Arcana

by Eva Wolf Heart

Numerologia Arcana

by Eva Wolf Heart

Lenda Celta sobre a Felicidade

Eva Veigas, 19.01.21

Pavel Tomashevskiy.jpg

Pavel Tomashevskiy



Conta a lenda que vários duendes se reuniram para fazer uma travessura com a humanidade. Um deles falou: “Devemos roubar-lhes algo, porém o que vamos roubar?”

Depois de muito pensar, um duende gritou: “Já sei! Vamos roubar-lhes a felicidade, porém, o problema vai ser onde a esconder para que ninguém possa descobri-la.” E assim seguiu-se a animada reunião de duendes (a Natureza) tramando contra o ser humano…

…o primeiro propôs: “Vamos escondê-la no alto da montanha mais alta do mundo”, e imediatamente retrucou o outro: “Não, recorda que eles conhecem a força e algum dia alguém poderá subir e encontrá-la, e quando um a encontrar, já todos saberão onde ela está”.

Em seguida propôs o outro: “Então, vamos ocultá-la no fundo do mar”, e outro contestou: “Não, recorda que eles possuem curiosidade, algum dia alguém construirá algum aparelho para poder descer e assim a encontrará.”

Outro mais gritou: “Vamos escondê-la num planeta bem longe da Terra.” E responderam: “Não, recorda que eles têm inteligência, e um dia alguém vai construir uma nave para poder viajar a outros planetas e assim vai descobrir, e todos possuirão a felicidade.”

O último deles era um duende que havia permanecido em silêncio, escutando atenciosamente cada uma das proposições dos demais. Analisou cada uma delas e falou: “Creio saber onde colocá-la para que realmente nunca a encontrem.”

Todos se viraram assombrados e perguntaram ao duende: “Onde?”

O duende respondeu: “Vamos escondê-la dentro deles mesmos. Estarão tão ocupados procurando lá fora, que nunca a encontrarão.”

Sombras e Escuridão

Eva Veigas, 15.03.20

86487022_136802061144280_2897652368315252736_n.png

 

 

Atravessa a escuridão
Vê através dela e para além dela
Encontra a luz que aí se forma
Traz para dentro de ti as impressões dessa viagem.
Nada recuses, nada devolvas, nada rejeites.
Tudo é teu, tudo se cria e se transforma por ti e para ti.
A ti tudo retorna, a ti, que és a causa, a origem primeira de todas as coisas.

 


Eva Veigas

 



Imagem: Martino Pietropoli

Aprende a largar a tua pele!

Eva Veigas, 13.02.20

85106550_136021664555653_8342843968114917376_n.jpg

 

 
"Nenhum estudante jamais realizará qualquer progresso no desenvolvimento espiritual se saltar de um sistema a outro, utilizando ora algumas afirmações do Novo Pensamento, ora alguns exercícios de respiração a posturas meditativas da ioga, para prosseguir depois com algumas tentativas nos métodos místicos de oração. Cada um desses sistemas tem o seu valor, mas esse valor só é real se o sistema é praticado integralmente."
 
Dion Fortune
 


Coloca o teu conhecimento, a tua experiência e os teus recursos ao serviço dos outros, mas apenas e só, quando sintas que estão suficientemente amadurecidos. Os frutos das árvores, quando são colhidos antes do tempo, têm um sabor amargo e geralmente não se podem comer. Falta-lhes o calor/a luz do Sol, que os amadurece e nos nutre/ilumina por dentro quando os ingerimos conscientemente.

Paralelamente, se distribuis conhecimentos ainda pouco enraizados em ti, pouco sentidos empiricamente, portanto ainda não amadurecidos e integrados, mais cedo ou mais tarde serás questionado pelos outros, que também podem cobrar-te por teres disponibilizado e oferecido um "serviço" amargo, pouco rigoroso, pouco trabalhado, pouco estruturado.

Para quê viver horas amargas se é perfeitamente possível trabalhar a paciência, a resiliência, aprender a esperar, permanecer diante de determinado assunto até o compreendermos por dentro e por fora?

Porque não sabemos esperar?

Porque queremos sempre provar algo a alguém.
Provar que também sabemos, que também somos capazes de fazer algo, porque queremos estar no controlo de todas as situações, sobretudo nos dias de hoje, onde é demasiado fácil "ficar para trás", não é verdade?

Quem é que nos ensinou a (querer) queimar etapas? Que competição disparatada é esta que queremos vencer? Acaso sabemos que género de prémio nos aguarda? E para que queremos o prémio? Para colocar na prateleira a ganhar pó? Para dizermos que um dia fomos vencedores disto ou daquilo?

O corpo perece. A alma não precisa de prémios. O teu corpo de luz muito menos, e todos os níveis que daí em diante experimentas não fazem a menor ideia do que seja competição. O que a tua essência presencia (ou vê, se preferires) é a luz brilhante e radiante da tua consciência pura, sintonizada com todas as outras consciências, ou com grupos de consciências, que trabalham para um mesmo fim e servem apenas a Luz Maior, o Amor Maior.

Portanto, aproveita o dia de hoje que é rico em oportunidades, rico em possibilidades; aproveita porque estás a respirar e se estás a respirar estás vivo (não sei se estarás vivendo ou se estarás na plateia a ver os outros viver) de maneira que aproveita bem este dia e leva contigo o que tens dentro, distribuindo apenas os frutos amadurecidos. Quanto aos restantes deixa-os amadurecer ao seu ritmo, de acordo com os ciclos da Natureza.

Permite que a transformação se dê, tal como nos ensina a Mãe-Serpente. Ela solta a pele, não a arranca.
Não arranques as coisas de dentro de ti. E quando soltares, é como se exalasses um suspiro... solta... agradece... sorri e continua o teu caminho, sem que todos precisem de saber o quanto sofreste (ou sofres), o quanto és bonzinho para toda a gente e depois ninguém te valoriza. Guarda para ti as tuas consquistas internas. Sorri para dentro de ti. Sorri para os deuses e deusas, sorri para a Terra e para o Céu, mas não te vanglories para fora, os outros não precisam disso e tu ainda menos.

Questiona o teu ser interno, busca as respostas dentro de ti. Estão todas lá aguardando que tenhas discernimento, força e coragem de adentrares as câmaras escuras da tua alma.

Amor e bênçãos no teu caminho

Eva Veigas
 
 

Imagem: David Clode

Local: Cairns aquarium, cairns city, australia

Legenda: This water python has just shed its old skin, revealing the beautiful new iridescent skin underneath. The Australian Aboriginal people have myths and legends about a rainbow serpent, and perhaps a sight like this inspired them.

Esta píton-d'água acaba de perder a sua antiga pele, revelando a nova e bela pele iridescente por baixo. O povo aborígene australiano tem mitos e lendas sobre uma serpente arco-íris, e talvez uma visão como esta os possa ter inspirado.

Estamos prontos para o Amor?

Eva Veigas, 26.11.19

blog_2019.jpg

Imagem: Georg Auffarth
 
 

Estaremos nós efectivamente comprometidos com a nossa capacidade de amar e ser amados?
Amar e ser amado não é afinal e apenas sentir amor em ambas as direcções?

Estaremos a colocar condições para o fazer?

Eu só amo se... ou Eu só me deixo amar se...

Convido-vos a reflectir com seriedade e lucidez sobre este tema, uma vez que grande parte das pessoas que buscam orientação, conselhos, etc através das minhas consultas, revelam, em muitos casos, esta "falta" de amor por si e pelos outros. Vibram na escassez, implorando para serem amadas, para serem aceites, para serem vistas e valorizadas pelos outros.

O Coração está ferido. O Cardíaco está demasiado fechado ou demasiado aberto, o plexo vibra demasiado rápido ou demasiado lento. As emoções estão a ser desafiadas. A dor de não sentir amor é que nos "mata do coração". Aquela velha expressão que fala em "morrer de amor", não é verdadeira. O que faz a pessoa murchar, entristecer, deixar de gostar da vida, deixar de se importar consigo e com o mundo inteiro à sua volta, é precisamente a AUSÊNCIA de Amor dentro de si.

Qual foi o momento em que desligaste o "cabo usb", o fio de luz que fazia vibrar o teu ser inteiro?

Olha bem para essas emoções estagnadas, empilhadas umas por cima das outras, olha bem para o espaço que ocupam dentro de ti. Olha bem para a frieza que vais gerando em teu redor.

E se queres realmente sanar essa dor, pega docemente numa flor (pode ser uma flor natural, uma imagem, um óleo essencial da tua flor preferida), pois ela simboliza o chakra cardíaco, e absorve o seu perfume. Fecha os olhos e sente como esse perfume se vai impregnado na tua pele, passando gentilmente para a tua circulação sanguínea, através dos teus poros. Aspira essa fragrância ou simplesmente traz a imagem para dentro do teu coração através dos olhos da mente.

Mantém essa imagem e esse perfume durante um dia. Experimenta e depois, se assim sentires, vai repetindo esse exercício todos os dias ou sempre que quiseres e confirma por ti mesmo o que vai sucedendo.

Se quiseres arranja um diário ou caderno onde poderás ir anotando todas as sensações, pensamentos, resistências, ou mesmo o descongelamento de todas essas emoções que têm estado por tanto tempo estagnadas.


Eva Veigas

 

 

 

Importante é semear...

Eva Veigas, 15.07.19

Semeia.jpg

Imagem: Markus Spiske

 

"Importante é semear...

Semeia, semeia...

O importante é semear

- um pouco, muito, tudo-

as sementes da esperança.

Semeia o teu sorriso

para que, à tua volta,

ele possa resplandecer.

Semeia as tuas emergias

para que as batalhas da vida

possam ser enfrentadas.

Semeia a tua coragem

para que a dos outros se regenere.

Semeia o teu entusiasmo, a tua fé

e o teu amor.

Semeia as coisas mais insignificantes, os pequenos nadas.

Semeia e tem confiança:

- cada semente enriquecerá

um pequeno ponto da terra."

 

Anónimo

Dez Mil Luzes

Eva Veigas, 04.06.19

blog2.jpg

Imagem: Bart LaRue

 

 

Dez mil luzes

Correndo para lá e para cá

Dez mil luzes 

Cheias de preocupação e dor.

 

 

Uma pequena luz

Trazendo alegria e riso

Uma pequena luz

Toda inocência e arrebatamento.

 

 

Uma pequena luz brilhando

Com o coração de uma criança

Transmuta dez mil luzes

Cheias de preocupação e culpa.

 

 

Korton

Páginas da Vida

Eva Veigas, 04.06.19

blog_1.jpeg

Imagem: Karolina Grabowska

 

Não fales, sente.

Não penses, vive.

Nada mais é a vida que uma sinfonia eternamente inacabada.

Nada mais és tu que o instrumento que a faz soar.

Por mais páginas que tenhas escrito com a tua história, a última folha está permanentemente por preencher.

 

Eva Veigas