Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

𝓔𝓿𝓪 𝓥𝓮𝓲𝓰𝓪𝓼

Arqueóloga da Alma

𝓔𝓿𝓪 𝓥𝓮𝓲𝓰𝓪𝓼

Arqueóloga da Alma

Agosto 2022 - Um mês governado pelo Número 5

Agosto 2022.png

 

Agosto 2022

Regente Numerológico 5

A Renovação

 

Aspectos positivos do 5 em evidência durante este mês:

 - Mudança

- Adaptabilidade

- Versatilidade

- Criatividade

- Movimento

 

Aspectos Negativos do 5 em evidência durante este mês:

- Incerteza

- Instabilidade

- Nervosismo

- Impulsividade

- Evasão

 

forest-6607631_960_720.jpg

 

Todos temos duas vidas.

A que nos dão e a que podemos fabricar.

Mary Carpenter

 

 

O Número 5

Elemento – Fogo

Fogo é vida, é criação, é criatividade, é ânimo e impulso para viver, é ir em busca da realização dos nossos sonhos. 

É o elemento que aquece e ilumina, o mesmo que queima e destrói tudo o que toca.

Num momento ilumina a vida, afastando a escuridão, para que possamos caminhar mais à vontade, sem tropeçar. Tanto nos liga à nossa natureza mais íntima, provocando constantes alterações nas nossas consciências, como nos permite cozinhar o alimento que nos nutre. Esse calor que nutre a alma e o corpo.

Porém, logo num outro momento, o Fogo queima e destrói para sempre, em minutos ou segundos, tudo aquilo que parecia ser estável, durável, indestrutível até. O Fogo coloca em movimento a Lei da Impermanência. ‘Nunca as mesmas flores, mas sempre a Primavera’. Nada permanece igual como nos mostra este belo ditado chinês.

Aquilo que observamos ao nosso redor e em nós mesmos, muda de forma, num ápice – é uma transformação ou uma transmutação. Pode ser uma experiência aterradora, benéfica, mais ou menos difícil de lidar, mais ou menos desagradável, pode surgir de repente ou pode anunciar a chegada muito tempo antes.

Seja de que forma for, mais cedo ou mais tarde, teremos de aprender a aceitar cada mudança na nossa vida, e a conviver com ela de forma natural, já que faz parte de um conceito universal. Nada permanece igual à forma original em que foi criada. Ideias, formas, sentimentos, entidades, seres, tudo, sem excepção, está sujeito a uma permanente transformação. 

É em virtude desta situação que não é possível resolver um problema no mesmo estado, na mesma energia ou consciência em que foi criado. É que de facto, entre a origem ou causa do problema e o momento em que lhe queremos dar solução, já muitas mudanças ocorreram e ninguém consegue parar esse processo!

Por isso podemos e devemos buscar soluções novas, pensar em alternativas diferentes, inovadoras, nunca experimentadas, sendo que todos estes adjectivos correspondem a características do Número 5.

 

Simbolismo

O 5 simboliza a União, o Equilíbrio, a Harmonia, a Perfeição, o Universo, o Centro e o Homem; a sua representação pode ser observada num Pentáculo, numa Estrela de 5 pontas, nas 5 vogais, nos 5 sentidos, nos 5 dedos de cada mão, nos 5 dedos de cada pé, na Rosácea de 5 pétalas, na Cruz (4 braços ou linhas rectas em oposição a um centro) e assim por diante. Para uns é considerado um símbolo de instabilidade e mau augúrio e para outros de boa sorte e felicidade. Para os esotéricos, é o quinto elemento ou a quinta-essência, o éter.

 

Como regente do mês de Agosto em 2022

O Número 5 impele à renovação, tudo renasce e floresce, tudo se renova de forma cíclica, e a Natureza demonstra isso mesmo, se a observarmos com atenção. Portanto ao longo deste mês devemos buscar equilibrar nas nossas vidas, todos os aspectos que não estejam alinhados com o nosso verdadeiro propósito, com a nossa meta maior.

Evidentemente, sabemos que não é tão simples assim, e por isso, é importante lembrar antes de mais, que cada um de nós tem ao seu dispor todos os recursos internos de que necessita para lutar por aquilo que quer e que precisa. Obviamente, teremos que definir o que queremos, teremos que saber articular as perguntas certas, teremos que ser muito honestos connosco e também realistas ou cairemos na ilusão e na fantasia de querer viver coisas que ainda não estão ao nosso alcance.

Claro que dá trabalho, exige disciplina e requer concentração e foco, método e planeamento (algo que poderíamos ter aproveitado bem, sob a vibração 4 que governou o mês anterior). Ainda assim, essa é uma tarefa que poderemos retomar em qualquer momento que queiramos, tendo em conta que precisaremos firmar esse compromisso connosco e permanecer fiéis a essa decisão, caso contrário, as intenções, por melhores que sejam, esfumar-se-ão, pois serão queimadas pelo Fogo destruidor do 5 e no final, restarão apenas cinzas.

Ora de acordo com os tópicos que descrevem os aspectos principais atribuídos ao Número 5, este é um período de grande agitação e mudança, de instabilidade e de movimento, etc. Estes aspectos inerentes à própria vida, estão presentes no nosso quotidiano, embora nós tenhamos uma certa tendência a ignorá-los ou a não querer reconhecê-los, pois preferirmos sempre fugir das oscilações para viver uma vida mais confortável e não nos sujeitarmos ao preço de viver esta vida na Terra. 

Sob esta vibração de 5 surge uma forte e abundante energia, uma fonte inesgotável de recursos e com eles podemos criar uma vida nova, mais adaptada ao novo eu que, irremediavelmente, se vai renovando.

Porém, se não soubermos usufruir desta energia usando-a com uma verdadeira intenção, que beneficie os outros e não apenas a nós mesmos, e obstruirmos o seu fluxo com os nossos próprios medos e fantasmas interiores, iremos descarregar esse excesso - essa abundância de energia maravilhosa para criar, inovar e reinventar – em todo o tipo de vícios ou maus hábitos: abusando da comida, do álcool, do cigarro e de todo o tipo de dependências, pois o 5 gosta de experimentar e estimular os sentidos e de se levar ao limite.

Como sabemos, além das adições nos prejudicarem o corpo físico, elas atrasam a nossa evolução, pois adoptamos uma postura dormente, vivemos um pouco (ou muito) anestesiados (dependendo do tipo de adição), alheados do mundo e da nossa própria realidade, e, dessa forma a dor e o sofrimento podem aparentar ser menores. Claro que tudo isso não passa de mais uma ilusão, e quando esse véu cair não teremos outra possibilidade se não a de encarar a realidade, reerguer o nosso edifício e continuar a caminhar. Mas há que ponderar que muitas vezes é tarde demais, pois o edifício pode ruir completamente e restarão apenas escombros.

No que diz respeito à saúde, sob esta vibração convém tomar cuidado com os seguintes aspectos ou zonas do corpo:

Coluna vertebral, Cabeça, Visão, Ossos, Aparelho Reprodutor, Alimentação (saltar refeições, comer depressa ou comer em excesso), Sistema Nervoso, Problemas circulatórios.

Sugestões: Aumentar ingestão de água; praticar desportos aquáticos; natação; meditação; experimentar algum tipo de massagem que leve ao relaxamento profundo.

Aprender a conhecer, escutar e confiar no corpo, é de suma importância, pois ele guia-nos de volta ao equilíbrio natural, restaurando a energia e regenerando as células, promovendo assim, a saúde e a vitalidade que nos permitirão executar as nossas tarefas.

Temos diante de nós, a possibilidade de seguir este fluxo de mudança ou mesmo tornarmo-nos em agentes de mudança, - ‘Sê a mudança que queres ver no mundo’ diria Gandhi -, mas esse apelo é como um adorno, como uma coroa real, é belíssima, mas também pesada, ou seja, exige que estejamos preparados para a usar, é por isso que a maioria das pessoas fantasia acerca daquilo que quer, mas não faz nada em termos práticos para o conseguir.

Após estas considerações, realizamos que este é um tempo de lutar pelos nossos sonhos mais loucos, por aqueles que nos fazem bater o coração, por aqueles que nos animam e nos fazem vibrar de alegria e de vontade de mudar o nosso mundo interior, de experimentar a nossa vida de forma totalmente diferente, ou, no mínimo, mais ajustada a nós e às nossas necessidades actuais.

É preciso actualizarmo-nos, deixar ir o velho criando espaço para que o novo se instale e possa prosperar e invadir cada canto da nossa vida, tornando-a numa aventura ímpar. Podemos pensar que temos tempo para isso e ir adiando os nossos projectos, mas as circunstâncias da vida mostram claramente o contrário; podemos inclusive acreditar na transmigração da alma, mas precisamos de compreender que esta jornada é finita, é uma janela de oportunidade que uma vez fechada, não volta a acontecer!

Muitos de nós anseiam por uma liberdade ainda não conquistada. Falta-nos o tempo, dizem uns; não há espaço para mais nada, dizem outros!... Estamos escravizados pelo tanto de informação, pela variedade de coisas para experimentar. Vivemos do lado de fora da nossa essência, com a atenção sempre virada para fora, para o mundo lá fora, para todo o tipo de fenómenos que nos prendem a atenção.

Mas será que paramos um pouco para reflectir na trapalhada que resulta de tanta adição que nos consome o tempo e a energia?

A própria espiritualidade está desvirtuada, a busca de um sentido para a vida, tornou-se vã, banal, vazia, negociável, capaz de encher e inchar ainda mais o ego de pessoas que lutam desesperadamente para provar que são mais espirituais do que os outros, ou que pretendem mostrar que atingiram um determinado patamar espiritual encontrando-se assim acima da maioria dos “pobres mortais”.

Talvez seja o momento de encarar a espiritualidade do lado de dentro, de compreender que não é algo de que nos apropriaremos, ninguém vai ter nota nem diploma para publicar numa qualquer rede social, a espiritualidade é algo que viveremos em total comunhão com a Natureza e com a nossa própria natureza interna, algo que nos permitirá experimentar a nossa própria humanidade, que nos conduzirá à plenitude, ainda dentro da nossa fisicalidade, do nosso campo material. 

Enfim, é tempo de olhar para tudo o que nos vicia, tudo o que nos formata e escraviza, e continua a retirar do verdadeiro caminho de retorno ao sagrado em nós.

 

Mensagem final: Abrir espaço para que a Mudança se manifeste.

 

Mantra do Mês: Eu Sou a Mudança que gera a Renovação da Vida.

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

Junho 2022 - Um mês governado pelo Número 3

junho2022.png

 

 

Junho 2022 - Um mês governado pelo Número 3

 

O Número 3

O Número 3 como regente do nosso mapa pessoal, de qualquer data, acontecimento, facto, etc. é, por princípio um dos números mais leves que podemos encontrar, no meio da profusão de regentes numerológicos que existem, e este mês não é excepção.

O 3 é um número dinâmico, porta-estandarte da verdadeira Alegria, da leveza, dos nascimentos e das criações, como por exemplo, o nascimento de um filho, de um projecto em que se investiu muito tempo e energia, de uma obra de arte e assim por diante.

O que fazemos quando nasce um filho ou criamos uma obra de arte? Celebramos, claro está, e geralmente com bastante entusiasmo e alegria.

Sob esta vibração, os movimentos são mais amplos, mais leves, e a vida social costuma estar em destaque, bem como as pequenas viagens ou deslocações para puro divertimento. Portanto, é um mês apropriado para tirar alguns dias de férias, mas que já se sabe serão bastante movimentadas e com muita actividade. Não serão certamente férias para “relaxar”.

Por outro lado, também é um período adequado para toda e qualquer iniciativa ou empreendimento que vise obter aumento de visibilidade e/ou popularidade. Por exemplo, um autor pode aproveitar esta energia para lançar o seu livro; um artista poderá querer expor a sua obra sob esta benéfica frequência ou um encenador poderá querer estrear a sua peça de teatro durantes estes dias.

As profissões em alta serão todas as que se relacionam com a Estética, Beleza, Artes, Jardinagem, Paisagismo, Teatro e Cultura de uma maneira geral. Mas também áreas ligadas à Culinária, Nutrição, Desporto e tudo o que diga respeito ao contacto com a Natureza, como por exemplo uma caminhada, uma meditação, um retiro num meio natural.

O elemento ar que está associado a este número ajudará sem dúvida a promover e a espalhar as novidades e as notícias que se pretendem divulgar. Por este mesmo motivo, e porque todos os aspectos positivos têm a sua contraparte negativa, também é preciso estar atento ao que se diz e afirma, sobretudo no que toca a espalhar boatos ou a expressar críticas e julgamentos infundados, pois o mesmo “ar” que propaga o que é verdadeiro, bom e útil, também o faz com o que é mentira, invenção, maldade e crueldade, e mais, fá-lo com a mesma intensidade.

Mais uma vez o que dita os nossos comportamentos e hábitos está directamente relacionado com o nosso grau de consciência, com a qualidade da nossa vibração interna, com os nossos princípios morais e éticos mais elevados, enfim com a nossa integridade.

Outro aspecto a ter em atenção é que o 3, tal como o 8, tem um poder especial que é o de amplificar, ampliar e aumentar tudo o que se vive, tudo o que se sente e tudo o que se diz. Ou seja, o mínimo acontecimento, se não formos suficientemente cuidadosos, pode tomar proporções desastrosas e causar bastantes atritos ou mal-entendidos entre as pessoas.

Mas, regra geral sob esta vibração, podemos afirmar que há espaço para uma pausa, para aliviar um pouco a tensão dos últimos meses, aproveitando para descontrair e divertir-se.

O que é importante é não retirar o foco do que é essencial, dos nossos deveres e obrigações e também de não desperdiçar o tempo em actividades fúteis e sem qualquer conteúdo.

A essência deste mês 3 é o resultado da redução de 12 (1+2=3), sendo que, ao analisarmos as frequências que estão na base deste regente, verificamos que estamos diante de frequências primordiais.

O 1 e o 2 enquanto princípios universais nas polaridades masculina e feminina, respectivamente, tornam-se assim a plataforma a partir da qual agimos, pensamos e tomamos decisões, baseadas em escolhas mais ou menos amadurecidas, dependendo de indivíduo para indivíduo.

Em 1 existe um poder de iniciar, um fogo que nos impulsiona a agir, a seguir uma dada direcção, mas que nem sempre atinge um objectivo, pois este fogo é radical, instintivo, agindo muitas vezes por impulso.

Em 2 encontramos a força da criação, o vaso de concepção onde a semente encontra espaço e condições ideais, para se desenvolver e crescer. É o poder pulsante da própria vida em acção que observamos em todos os reinos da Natureza.

Então, o 2 significa esta estrutura, este berço, estas águas férteis onde o 1 pode em segurança, desenvolver todo o seu potencial. Ora, é precisamente este 3, que guarda em si mesmo estas forças e ao mesmo tempo as revela (já que ele é o fruto da união dos dois princípios universais) que rege o mês de Junho.

São estas forças que devemos buscar em nós mesmos para podermos usufruir da vida de forma prazerosa e leve, mesmo quando a direcção do vento é contrária, mantendo-nos abertos e receptivos a receber os nossos impulsos criativos, sendo ao mesmo tempo capazes de distinguir entre aqueles que têm potencial e aqueles que estarão condenados ao fracasso.

Claro que não é um exercício fácil e implica uma imensa capacidade de nos mantermos íntegros e fiéis a nós mesmos. Por exemplo, será necessária muita paciência, tempo, dedicação, capacidade de escutar a nossa intuição (todas características do número 2) entre outras habilidades inatas ou que, entretanto, tenhamos desenvolvido. Também precisaremos de confiar em nós mesmos, acreditando que seremos capazes de chegar à melhor solução, após termos buscado várias alternativas, com determinação e originalidade (características do 1).

Só quando terminarmos esse procedimento, é que estaremos aptos a criar, a gerar, a trazer à vida, a nossa obra de arte, que também pode ser um filho, um relacionamento, um novo emprego, um projecto audaz, e assim por diante.

 

O que acontece quando o Número 3 atravessa o Portal 6 (ano 2022)?

Aqui a Água (6) e o Ar (3) se encontram, promovem um redemoinho doce e húmido, preparando a terra para que ela possa ser fertilizada e receber as sementes, que mais tarde germinarão, crescerão e darão frutos. Trata-se assim de um momento muito auspicioso para a maioria das pessoas. Há que aproveitar e dar o nosso melhor, sem, contudo, entrar em desespero, querendo fazer tudo ao mesmo tempo e simultaneamente obter resultados imediatos desse trabalho.

Cuidado com o excesso de Ar (o excesso de ideias pode inibir a criação), pois poderemos perder-nos nessa miríade de projectos que a nossa mente consegue imaginar e idealizar. Ter atenção que a ausência de ar também nos bloqueia a criatividade, o que se poderia traduzir em falta de ideias ou clareza mental. Por outro lado, o excesso de Água pode tornar-nos demasiado “moles” e com falta de ânimo e de energia para dar início a qualquer género de empreendimento, bem como a ausência do Elemento que nos pode conduzir para uma aridez e uma indiferença por tudo e por todos e pela vida em geral, ainda que momentaneamente.

Aqui teremos que buscar equilíbrio interior e ir ao encontro dos Elementais dentro de nós, honrá-los e torná-los nossos aliados directos para que a nossa vida flua com graça e leveza, alegria e esplendor. Os Elementais da Água são as Ondinas e os do Ar são as Sílfides, pelo que estar junto da Natureza (rios, lagos, praias, bosques, jardins, florestas) como já referi, pode ser muito precioso, para mergulhar dentro da nossa profundidade e conhecer um pouco mais daquilo que se oculta por baixo das nossas máscaras, da nossa “persona”.

O importante é reter que quando toda esta alegria efusiva e entusiasta do 3 se encontra com a energia amorosa e doce de 6, dá-se um encontro mágico, que proporciona bem-estar, harmonia e equilíbrio, num nível não visível ou palpável para a maioria dos humanos que não têm ainda essa sensibilidade desenvolvida. Mas na realidade essa condição é ideal para manifestar e realizar com muita amorosidade, imaginação e seriedade, qualquer criação artística ou de outro âmbito.

É verdade que os artistas, os comunicadores, a imprensa, as editoras e tudo o que se relacione com distribuição de informação estará mais destacado durante este mês, todavia qualquer pessoa, entidade, empresa, organização, etc. que pretenda dar a conhecer a sua missão também poderá fazê-lo e o quanto antes, pois sob este trânsito numerológico tudo é empurrado e encaminhado com mais facilidade.

É importante cuidar do embelezamento e da parte estética daquilo que se pretende vender, oferecer ou doar, mas se não se cuidar do conteúdo, se esse invólucro for apenas brilhante e chamativo, mas for oco por dentro, de nada valerão os nossos esforços.

As pessoas reconhecem o valor das coisas, e embora possam gostar da embalagem, jamais ficarão “compradoras” de promessas vãs ou enganadoras. Além disso, quando se sentem enganadas as pessoas passam a palavra de imediato, e lá está o 3, no seu Elemento (Ar) a espalhar a publicidade (neste caso negativa) e a crítica, expressando a sua indignação.

Portanto, deveremos unir a beleza ao conteúdo e zelar sempre por cada detalhe, de modo a que os nossos objectivos (que certamente serão vários e relacionados com as diferentes áreas das nossas vidas) se cumpram da melhor maneira possível.

Sempre regressamos à escolha, às tomadas de decisão, à capacidade de harmonizar aquilo que está desequilibrado, ao longo deste ano, já que 6 é o regente de 2022. Só que neste caso concreto, enquanto o regente do mês se encontra com o regente do ano, as escolhas e as decisões poderão beneficiar-nos muito, se soubermos canalizar bem a nossa energia para fins mais elevados e não escorregarmos para a vitimização, a frustração ou a futilidade.

Desta forma, este pode ser um tempo muito bem aproveitado se nos dedicarmos com afinco, mas sem apego ou obsessão, a estudar e/ou a desenvolver qualquer uma (ou várias) das nossas capacidades ou habilidades (manuais, mentais, físicas ou outras).

 

Aspectos positivos:

 - Alegria

- Vivacidade

- Fertilidade

- Leveza

- Prosperidade

- Amplitude

- Artes

- Estética

- Entusiasmo

- Dinamismo

- Proliferação

 

Aspectos Negativos:

- Exagero

- Futilidade

- Desperdício (tempo e energia)

- Estagnação

- Frustração

- Inferioridade (complexo de)

- Dispersão, sobretudo mental

- Desistência

- Euforia

 

Mensagem final: Este é um momento auspicioso, ideal para lançar sementes e criar raízes profundas e duradouras nos nossos relacionamentos, empreendimentos e projectos pessoais ou profissionais. Todo este processo deve ser feito de forma leve, alegre e com verdadeira entrega e confiança. A dúvida deve ser combatida, ainda que para isso tenhamos que ver e rever, avaliar e analisar mais do que uma vez, a razão e a intenção que está por trás dos nossos desejos mais preciosos, dos nossos sonhos mais sagrados, das nossas mais loucas utopias.

 

Mantra do Mês: Eu Sou a Alegria actuando, espalhando sementes de Vida e pétalas de Amor.

 

 

Eva Vilela Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Maio 2022 - Um mês governado pelo Número 11

Maio 2022.png

 

Maio 2022 - Um mês governado pelo Número 11

 

O Número 11

O 11 é um número que entra em ressonância com diferentes níveis vibracionais, desde os mais densos aos mais subtis. É conhecido por ser o Número dos Profetas, dos visionários e dos seres mais avançados e evoluídos.

Quando os corações, sob esta vibração, ressoam com as frequências densas, surgem os conflitos de todos os tipos, inclusive conflito armado; violência; prepotência e supremacia política, militar, etc.; manipulação das massas; abusos de toda a espécie e assim por diante.

Se, por outro lado, o ser - um pouco mais consciente de si mesmo -, que sabe que está ligado à Natureza e que faz parte desta grande aventura cósmica, entra em ressonância com vibrações mais elevadas e de alta frequência, então surge a vontade férrea de buscar soluções para ajudar esta humanidade a evoluir, a progredir, a construir uma nova realidade, baseada em valores e princípios muitíssimo elevados, onde acima de tudo se zela pelo Bem do Todo, onde o eu dá lugar ao nós, onde cada ser é respeitado e protegido, onde as espécies podem coexistir dentro da mesma realidade física.

Para além disto, quem se encontra sintonizado com esta frequência, acede a mundos e a dimensões internas, onde a sua potente Visão interior, mais aumentada e expandida do que anteriormente, tem agora ao seu alcance pacotes de informações e de dados que não estão disponíveis para a maioria dos seres (por não se terem preparado com a devida antecedência).

Por causa daquelas características tão específicas do 11, quando alguns seres humanos trazem à luz certas soluções (por vezes tão óbvias e até “fáceis” de colocar em prática), geram nos outros desconfiança e mal-estar, sendo na maioria das vezes criticados, humilhados, e as suas ideias motivo de chacota e maledicência; quando as suas respostas para problemas complexos são espontâneas e simples como as de uma criança, isso pode gerar inveja e até agressividade por parte daqueles que não aceitam a simplicidade e a alegria destes seres-semente.

Evidentemente, e como se pode observar pela explicação anterior, não é o Número em si que produz os fenómenos, mas sim a escolha de cada coração, que irá ditar os comportamentos e as acções de cada ser humano.

Por todas estas razões, é natural que em termos gerais, a maioria das pessoas se sinta mais nervosa e tensa do que o habitual, pois estas frequências subtis ressoam em diferentes vibrações das camadas mais densas de cada um de nós. Portanto, directa ou indirectamente, somos levados a pensar e reflectir em assuntos que normalmente não ocupam as nossas mentes nem o nosso pensamento.

Narrativas de outros tempos e de outros lugares chegam até nós através de Hugin (pensamento) e Munin (memória), os dois corvos de Odin, o deus da Sabedoria, o deus de todos os deuses.

Uma certa sensibilidade perante determinados temas sensíveis pode começar a surgir, onde antes existia apenas indiferença ou mesmo ignorância.

É como se de repente uma onda nos invadisse a consciência e varresse o nosso ser por inteiro, tornando-nos mais aptos a sentir o nosso mundo interior e o mundo à nossa volta de uma forma diferente, sob uma nova perspectiva; questionando o inquestionável; reflectindo sobre os nossos ideais e sobre os nossos valores mais profundos; pensando sobre assuntos que não ousaríamos sequer sonhar, quanto mais estudá-los para os conhecer, preparando-nos para falar e discutir sobre eles.

É, deste modo, o período ideal para colocar as ideias em ordem, aproveitando este momento em que a intuição, a imaginação, a criatividade e as ideias originais estarão a aflorar à superfície de forma abundante e vibrante, proporcionando muitas e poderosas revelações interiores, o que poderá possibilitar grandes realizações de carácter material, mental ou espiritual.

Trata-se de um período excelente para estudar esoterismo, praticar quaisquer disciplinas relacionadas com o universo da espiritualidade e expandir e aumentar a consciência.

Este é um mês muito especial - o único ao longo de 2022 -, que nos conecta com o nosso mundo interior de forma aberta e directa, trazendo-nos inspiração, conhecimento, intuição e uma explosão de fé em nós mesmos e na vida; é também sinónimo de variadas oportunidades onde poderemos atingir sucesso, fama e prestígio nacional ou internacional.

 

Cravo, Flores, Flores Cortadas, Flores Cor De Rosa

 

O que acontece quando o Número 11 atravessa o Portal 6 (ano 2022)

 

O ano 6 que representa este ano 2022, traz para cima da mesa o tema do Louco que cumprindo a sua tarefa, viajando dentro e fora, vai marcando os ciclos de vida, morte e renascimento - o eterno recomeço -, com uma capacidade incrível de se reinventar sempre que a vida o exigir. Ao longo dos próximos meses, seremos colocados frente a frente com momentos ímpares, onde precisaremos de nos valer de todo o conhecimento adquirido empiricamente, de toda a sabedoria acumulada ao longo de éons, de toda a intuição e de toda a aprendizagem feita e transcendida, a fim de franquearmos mais uma etapa no nosso percurso iniciático.

Aquele andrajoso, que representa cada um de nós, vai munido da bagagem essencial, despido de acessórios extra, levando por companhia a fé e a confiança em si mesmo. É a sua espontaneidade, a sua alegria em caminhar entre mundos, a sua capacidade de aprender com tudo e com todos, que lhe permite romper com o profano e elevar-se nas asas do Amor, da Beleza, da Sabedoria, da Compaixão e do Perdão.

Tudo isso lhe permitirá atravessar este Portal 6, para reconhecer a Beleza em tudo o que o cerca, e acima de tudo reconhecer e validar a Beleza em si mesmo, sabendo que a Beleza está em todos os lugares dentro e fora dele mesmo.

Os Loucos que em tudo veem beleza são considerados estranhos, uma espécie de Bobos da Corte, uns tolos ingénuos que não entendem nada da Vida. Porém, são esses tolos, esses idiotas, os que mais perto estão do Sagrado, pois carregam consigo todos os sonhos do mundo, gerando alimento para a alma, nutrindo a si mesmo e nutrindo os outros, especialmente aqueles que os criticam e julgam.

Ora estamos precisamente a atravessar um período de tempo, que teve início em 2020 e que terminará em 2099, onde várias gerações terão oportunidade de aprender a reconfigurar o acto de julgar o outro e a si mesmo, através do movimento de despertamento interior que pode ocorrer em cada um de nós em qualquer momento, assim nos abramos a essa possibilidade.

Este século, cuja tónica assenta no Número 20, é para trabalhar a dinâmica eu/outro e aprender a aceitar as diferenças, através desse movimento consciente que nos leva da incompreensão e do preconceito individual, à riqueza que encontramos nos diferentes mundos personificados por cada ser, em cada Reino da Natureza. Há tanto para aprender com os outros e através dos outros. Aprender a ser Uno no meio diversidade. Que desafiante e bela aprendizagem!

Este mês, e em outros períodos onde encontremos o Número 11 como Número regente, sentiremos um pouco mais intensamente a nossa consciência a querer ampliar-se, a nossa mente a elaborar tipos de pensamento mais complexos do que os habituais. Complexidade, no sentido em que teremos mais capacidade de abranger o Todo, de ganhar um certo espaço interior que nos permita ver o outro como a nós mesmos, de desenvolver a habilidade de sentir,  de sentir Amor como nunca antes, de criar serenidade interior suficiente que nos devolva a habilidade de compreender e entender que a vida vai muito além do nosso umbigo, do nosso pequeno mundo e que a alavanca que nos catapulta para dimensões maiores, nos possibilita construir uma realidade (ou mais do que uma) bem diferente daquela que experimentamos no presente.

Talvez seja a minha característica 11 a expressar-se aqui nestas linhas, mas todo o 11, sabe que é possível, todo o 11 sabe como fazer, todo o 11 sabe que caminhos trilhar para ser aquilo que é em essência. Todo o 11 sabe que está sujeito ao julgamento, talvez porque ele seja o primeiro a condenar-se, por ser diferente.

Então quando o 11 atravessa o Portal 6, ele precisa estra bem equipado, bem ciente das suas qualidades, das suas capacidades, habilidades e de tudo o que desenvolveu até aqui, pois ele irá atravessar camadas de detritos cheias de preconceitos, de dramas, de dor, de medo e insegurança, de medo de falhar, de medo de não corresponder às expectativas, porque muito é esperado do 11, inclusive os próprios nativos costumam traçar objectivos e fasquias demasiado altas, por vezes inalcançáveis, pelo que é sempre bom manter os pés na terra.

Cabe a quem se sintoniza com esta frequência baixar a fasquia, manter-se humilde e igual a si próprio, não ambicionar mais do que precisa para cumprir a sua linda tarefa, o seu fantástico plano divino, neste plano da Realidade; não se importar em não ser notado; abrir mão do reconhecimento e da vaidade, tornando-se assim inteiro nos seus afazeres, e para além das coisas mundanas (as quais não lhe suscitam grande interesse) estar ao Serviço da Humanidade.

Encontrar assim o equilíbrio tão próprio de 11, através da harmonia e da diplomacia, honrando a sua trajectória e dos demais.

 

Ramalhete, Flores, Rosas, Arranjo De Flor

 

Aspectos positivos:

 - Consciência universal.

- Amor ao próximo.

- Compreensão humana.

- Desejo altruísta de servir.

- Nobreza de sentimentos.

- Sensibilidade e intuição no auge.

- Tome nota das suas visões e seus desdobramentos, intuições e revelações interiores. Ainda que neste momento nada disso lhe faça sentido, tome nota do que traz dessas dimensões internas, pois poderão ser preciosas mais à frente.

- Fique atento aos sonhos e aos temas recorrentes que surgem. Tome notas num diário e aprenda lições valiosas através dessas vivências em vez de buscar significados em dicionários. Lembre-se que isso, com o devido respeito, é a visão de alguém e não a sua. A sua visão é valiosa e muito válida e o significado ou interpretação de um sonho, a acontecer, deverá ser efetuado por si e não por outrem.

- Aprenda a usar bem o seu tempo.

- Aproveite os silêncios e as pausas.

- Momento excelente para quem gosta de escrever ou para quem se quer aventurar a escrever pela primeira vez.

 

Flor, Rosa, Tulipas, Primavera, Natureza, Pétalas

 

Aspectos Negativos:

- Não faça nada nem diga por trás o que não teria coragem de dizer ou fazer na frente das pessoas.

- Cuidado com os vícios e com as tentações que podem deixá-lo exaurido e sem energia para fazer o que realmente importa.

- Dada a sua sensibilidade particular, tem facilidade em captar as dores e os sofrimentos alheios Se não souber destrinçar entre aquilo que o acrescenta e o que o anula e limita, irá acumular todo esse sofrimento em si, traduzindo-se numa imensa insatisfação pessoal, profissional, etc., o que, sem dúvida, lhe trará muitos dissabores e o empurrará para um caminho doloroso transformando-o numa pessoa amarga e ressabiada com a vida e com os outros

- É o momento de desenvolver a mente, de especializar-se em alguma coisa, de estudar, ensinar e também de inspirar as outras pessoas através do seu próprio exemplo.

- Tenha atenção ao excesso de isolamento. Não se auto exclua dos seus círculos, familiares, sociais ou outros.

- Não exija demasiado dos outros, nem tampouco lhes cobre aquilo que você mesmo ainda não consegue dar.

 

Rosas, Flores, Plantas, Rosas De Jardim

 

Mensagem final

O 11 é um Número através do qual se constroem poderosas alianças entre os homens e entre diferentes Reinos da Natureza. É necessária uma forte e poderosa reflexão antes de movimentar qualquer peça deste jogo de tabuleiro, pois uma pequena deslocação, por mais leve que seja terá sempre consequências, que podem levar esta humanidade para o próximo ponto evolutivo, ou, pelo contrário, para a devastação total. A escolha está em cada um de nós, por muito que nos custe acreditar nesta asserção.

 

Flores, Pétalas, Orvalho, Gotas De Orvalho, Gotas

 

Mantra do Mês: Conhecendo os dois Pratos da minha Balança: o Sol e a Lua, A Luz e a Escuridão, o Real e o Ilusório, aprendo a Ser Equilíbrio.

 

 

Eva Vilela Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

 

Abril 2022 - Um mês governado pelo Número 1

crocus-4030138_1920.jpg

Abril 2022 - Um mês governado pelo Número 1

 

Abril, governado pelo Número 1, chega como um vulcão, rompendo a terra com a sua força bruta, abrindo brechas através das quais a sua energia se dirige para os lugares, momentos e situações onde é necessário estímulo e impulso para a vida.

Pode ser dolorosa esta entrada, para além de estrondosa, pois ela vem acompanhando as forças que se estabelecem com a chegada do novo ano astrológico e o ressurgimento da Primavera no Hemisfério Norte, com os seus renascimentos observáveis em toda a Natureza que nos rodeia.

O longo Ciclo de Inverno chegou ao fim e esse tempo de introspecção, reflexão e recolhimento servir-nos-á a partir de agora, como alimento e sustento para a alma e para o corpo que agora começa a vir à luz do dia e se prepara para mais mudanças, aprendizagens e escolhas. Temos que aprender a estar preparados para qualquer coisa ou situação que surja inopinadamente, pois o 1 também é sinónimo de mudança.

Do lado do avesso houve muitas mortes, muito simbólicas é claro, pois tivemos tempo de sobra para reflectir profundamente acerca de quem somos, do que queremos, mas acima de tudo do que já não queremos, do que já não nos acrescenta.

Não se trata de descartar situações, objectos ou pessoas, ou de nos tornarmos ingratos, mordendo a mão de quem nos alimentou, mas antes de exercitarmos o desapego de certos valores, crenças, ideias e preconceitos completamente ultrapassados e obsoletos que não servem mais o nosso propósito maior.

É tempo de crescer e agradecer; de saber estar e viver no fluxo entre o deixar ir o velho e acolher o novo; de arregaçar as mangas e seguir em frente no rumo traçado entretanto; é tempo de abertura, de aceitar desafios, de conhecer mais acerca de quem somos quando nos posicionamos fora da nossa zona de conforto.

Este momento impulsiona-nos a caminhar para fora, em direcção a esse deus solar que nos aquece o ventre e nos incita a gerar vida, a fazer acontecer, a promover projectos, etc. Estamos prontos para abraçar os desafios e a encarar os dias com renovada energia, considerando que temos que saber lidar com as consequências e com os obstáculos com que permanentemente a vida nos permeia.

O 1, esse ponto no espaço, símbolo do que é inteiro e completo, representa todos os começos, inícios ou reinícios, encontra-se emoldurado pela energia do ano 2022, que é 6. Ora o 6, enquanto é representado por dois triângulos perfeitos (masculino e feminino) que se encaixam cabalmente, simboliza a perfeição de todas as partes, sugerindo um molde perfeito para manifestar entre outros aspectos: a União, a Harmonia e a Integração, entre forças diferentes, divergentes e por vezes, diametralmente opostas.

Assim, o 1 vem dar o impulso necessário para que possamos movimentar estas forças, retirando o melhor de cada uma delas, superando diferenças, trazendo soluções criativas por forma a escolher com cada vez mais e maior responsabilidade por nós mesmos, pelas nossas vidas e também pelo Todo.

Somos um mecanismo complexo e estamos inevitavelmente ligados uns aos outros, e nessa medida a escolha de cada um afecta os demais nos mais variados aspectos e esferas comportamentais. Quer se trate de acções, palavras ou pensamentos, estamos sujeitos às vibrações emitidas pelos diversos campos magnéticos de todos nós. Por essa razão, é vital cuidar da nossa vibração pessoal, mantendo-a num nível elevado de amor e compaixão, compreensão e generosidade, paciência e serenidade, etc.

Tudo converge sempre para nós, para o nosso centro e isso é muito visível neste mês de Abril, que é o quarto mês do ano civil. Sendo o 4 a raiz de todas as coisas, ele configura o símbolo para onde convergem 4 forças essenciais: 4 Arcanjos (Miguel, Rafael, Gabriel e Uriel), 4 direcções (norte, sul, este, oeste), 4 ventos, 4 elementos (fogo, água, ar e terra), e assim por diante.

Sempre precisamos de um 4, com as suas bases e alicerces, para edificar o nosso templo interior (o mundo interno do homem) e exterior (as suas casas, edifícios, templos de adoração, etc.).

Para vivermos no mundo das formas o espírito uniu-se à matéria. Se considerarmos, a união simbólica de uma linha vertical, que representaria o espírito, e de uma linha horizontal, que representaria a matéria, formaremos uma cruz, símbolo da vida do homem na Terra.

Ora, neste sentido, temos todos os ingredientes necessários ao longo deste mês para, a partir de uma base bem estruturada, onde os nossos pilares se encontram firmes e fortes, podermos recomeçar um novo caminho, uma nova forma de ser ou estar, experimentar uma nova filosofia de vida, fazer novas aprendizagens, dar uma nova e diferente direcção a alguma área de vida ou a várias, dando início a novos empreendimentos, negócios, relações, estudos, etc.

Tudo isso sempre tendo em mente soluções que beneficiem não só a nós mesmos, mas ao Todo, como por exemplo na esfera familiar, empresarial, institucional; dentro de uma comunidade, de uma organização e assim por diante.

Depois de um mês 9, que governou o mês de Março, o qual nos deu a possibilidade de mergulhar bem fundo, fazendo um balanço dos últimos meses ou mesmo anos das nossas vidas, o mês de Abril, governado pelo 1 indica o momento de lançar sementes à terra, de dar início a um projecto, uma parceria, um relacionamento, um contrato, etc.

Lembrando aqui que tudo o que se planta hoje se colhe amanhã, daí a importância de seleccionar boas sementes, para que dêem bons frutos mais tarde e nessa medida possamos ter uma boa colheita e desfrutar dela com o devido merecimento.

Neste sentido a grande mensagem deste mês poderia traduzir-se em algo como: Escolho uma direcção a partir de uma plataforma de Amor e Sabedoria, assumindo quem sou, o que faço e o que escolho pensar e plantar e isso é da minha inteira responsabilidade, tendo consciência de que as minhas escolhas afectam não só a mim, como a todos os seres desta Natureza da qual faço parte.

 

Que se faça Luz e que a Luz aflua ao coração de cada ser sobre a Terra.

 

 

Eva Wolf Heart

Numeróloga Transpessoal

Março 2022 - Um mês governado pelo Número 9

275011679_115030917779900_8703122126345890375_n.jp

Março 2022 - Um mês governado pelo Número 9
 
O Regente 9
 
Tudo na vida acontece em ciclos, em ritmos próprios e cadências específicas. O 9 marca a transição de uma qualquer etapa, seja ela correspondente a um facto que poderemos considerar insignificante, seja a um evento em larga escala.
 
O 9 marca o fim, ou a dissolução de um acontecimento, de uma experiência, de um modo de vida, de um estado de espírito, de uma filosofia de vida, de um conceito, de um facto científico, de um relacionamento, de um governo, de uma nação, de uma civilização, etc., para dar lugar a novas formas de ser e estar, novas experiências, novos acontecimentos, etc.
 
O nascimento de uma planta ou de uma estrela têm o mesmo princípio: tudo começa numa semente. Ambas têm um percurso de vida idêntico: desenvolvem-se, crescem, definham e morrem, em escalas bem diferentes, é certo, mas tudo o resto é idêntico.
 
Para nós, que aprendemos a medir o tempo e a encaixá-lo de forma a servir um propósito, talvez a maior diferença nas suas vidas, esteja na duração de uma e de outra (planta e estrela), mas para quem quebra a barreira do tempo através de estados alterados de consciência, por exemplo, nem mesmo essa questão se coloca.
 
Este mês marca o final e o recomeço de uma nova era, que coloca em movimento as forças que orquestram a vida nos bastidores, sem que a maioria dos comuns mortais se aperceba.
 
O 9 está associado a grandiosas transformações, nem sempre pacíficas, como se sabe; a grandes revoluções, guerras, etc. Por exemplo no séc. IX (9) surge o primeiro livro impresso na China; assinala-se o Tratado de Verdun em Agosto de 843; e o fim da cultura Maia. Já no séc. XVIII (18=1+8=9), dá-se a Revolução Francesa (1789) e as Guerras Napoleónicas.
 
Posteriormente, e em pleno séc. XX, mais concretamente a 13 de Maio de 1917 surge a primeira aparição de Nossa Senhora aos Pastorinhos (curiosamente a data de 13/05/1917 soma um 9 [redução de 27]; os EUA entram no final desse mesmo ano, na Primeira Guerra Mundial.
 
São apenas alguns exemplos e muitos haverá com toda a certeza, porém estes ilustram a magnitude e a força desta frequência que vem alterando a História ao longo de milénios. Todos sabemos o impacto que teve na história da religião o aparecimento de Maria, aos Pastorinhos, todos conhecemos, as consequências da Primeira Guerra Mundial ou a importância de perpetuar conhecimentos ou informações de áreas tão diversas, como a medicina, a ciência, a filosofia, a matemática, a arte, … através de livros, jornais, revistas, etc.
 
Nesta medida (e não procuro justificar nada), aponto apenas um padrão, e, cá estamos de novo em pleno século XXI (21 = 2+1=3), em 2022 (2+2+2 = 6) (3+6 = 9), num mês 9, a enfrentar mais um desafio gigante que se espera mude o rumo das mentalidades, não uniformizando povos, nações ou tribos, mas bordando um mapa de mil cores em que cada um contribua de forma responsável e amadurecida (6), fruto das experiências do passado, para um mundo novo (9) (em latim, nove é “novum” a raiz da palavra “novo”); um mundo que se espera, espelhe o melhor de cada ser humano, o melhor de cada egrégora humana, enquanto tribo, enquanto povo.
 
Esperam-se novas formas de União (9) entre povos que se respeitem (6) e honrem mutuamente, capazes de se integrar num Todo (9), sem, no entanto, abdicarem da sua identidade enquanto povo. Integridade e Sabedoria para agir, para construir um novo mundo, uma Nova Terra, um novo paradigma.
 
O 9 tem uma associação clara a tudo o que é “estranho” (o que é estranho, na realidade é novo, e por ser novo é que se estranha ou não se entende). Está na hora de pelo menos tentar conhecer aquilo que é estranho, em vez de se optar por exterminar, criticar, julgar, etc., que também são características do 9, no seu lado sombra.
 
O 9 apela à união e cooperação entre povos, às relações com o estrangeiro, procura chegar à melhor solução – aquela que sirva a todos, numa visão ampla, abrangente, que inclua tudo e todos e que não descarte nada nem ninguém por ser “diferente”, porque na realidade, nós somos tão diferentes uns dos outros, tão únicos, tão impressionantemente únicos e originais.
 
Se repararmos bem, esta espécie de uniformização que permitimos e que impera um pouco por todo o mundo, (um exemplo disso é a moda que vai ditando como nos devemos vestir, calçar, maquilhar, etc.) ilustra de certa forma o que pretendo mostrar. Quando algumas pessoas questionaram a moda e as regras de vestir, calçar, etc. e passaram a trajar o que lhes apetece, o que aconteceu?
 
A moda e quem dita os seus padrões teve de começar a ajustar-se e surgiu uma revolução nesse mundo também. Assiste-se a desfiles, altamente improváveis, se pensarmos naquilo que era a moda há 20 anos, por exemplo. Claro que este é apenas um exemplo entre mil.
 
Quando se começa a pensar pela própria cabeça, surge o conflito, talvez interno, em primeiro lugar e de seguida externo, quando nos confrontamos com o mundo exterior, com o que está instituído (e bem sabemos a que me refiro: tanta ilusão, tanta inverdade, tantas regras, tantas convenções e tratados (nunca honrados), tanta instituição que vem ruindo ao longo dos últimos anos, e o que ainda está para cair, em função das ilusões e dos véus que também se vão dissolvendo no nosso interior).
 
É a primeira gota de água a evaporar-se, neste oceano tão vasto onde temos andado mergulhados, totalmente anestesiados e à mercê daqueles cujas intenções são tudo menos transparentes.
 
Não que esses sejam os culpados ou os bodes expiatórios desta farsa, mas porque cada um de nós prefere viver na sua zona de conforto, assobiar para o aldo e não opinar, para não ser criticado ou crucificado em praça pública. Mas esse tempo acabou. É hora de tomar as rédeas da nossa vida e agir de acordo com os novos tempos.
 
Chega de resistência, é tempo de fluir… através das etéreas forças de 9, cuja maior e mais honrosa função é a de agregar, acolher, unir e extrair o melhor do Todo – chegar à essência – à semente para voltar a deitá-la à terra. (Daí surgirão novos mundos, novas formas e novos seres).
Para isso faz-se necessária uma profunda purificação, de cada ser, uma decantação da própria alma, para sentir com todas as células, reconhecendo que somos chamas ígneas, construtores e destruidores de mundos, nesta dança eterna, que é a Vida.
 
Que se faça Luz e que a Luz aflua ao coração de cada ser sobre a Terra.
 
 
 
Eva Wolf Heart
Numeróloga Transpessoal
 

Janeiro 2022 - Um mês governado pelo Número 7

janeiro 2022.jpg

Janeiro 2022 - Um mês governado pelo Número 7

 

Ficha Técnica do Número 7

 

Figura geométrica: estrela de 7 pontas; heptaedro; heptágono

 

Elemento: Ar

 

Elementais: Sílfides

 

Esfera: Mental – Racional ou Mental Superior – Espiritual

 

Símbolos: 7 cores do arco-íris; 7 dias da semana; 7 notas musicais; 7 chakras principais; 7 virtudes; 7 pecados capitais; 7 arcanjos; 7 céus; 7 irmãs (Plêiades); 7 selos do Apocalipse; 7 trombetas; 7 castelos na bandeira de Portugal, entre muitos outros.

 

Aspectos positivos: introspecção, reflexão, meditação, arte de pensar, filosofar, pensamento elevado, mente aberta, mente flexível, solitude, silêncio interior. Apesar de preferir estar só, aprecia a companhia dos outros e sabe relacionar-se com os outros e com o meio envolvente.

 

Aspectos negativos: cisma, isolamento, depressão, fanatismo, violência psicológica, pensamento confuso, mente fechada, rigidez mental, solidão, autoexclusão (da família, da comunidade, da sociedade, etc.), perdido em si mesmo.

 

number-181539_960_720.jpg

 

O Regente 7

Um mês que nos pede silêncio, reflexão e interioridade. Um convite à introspecção que nos leva a mergulhar dentro de nós, adotando uma atitude de observação isenta de julgamento.

 

Olhar para nós a partir de uma perspectiva, clara e neutra, ajuda a criar uma condição adequada para iniciar um processo de elevada compreensão e compaixão por nós mesmos.

 

Este é um tempo de crescimento da alma, de amadurecimento de muitas características ou aspectos da personalidade, que se vão adaptando às diferentes necessidades e desejos de uma alma que nos chama desde dentro e nos pede que demos um salto de fé.

 

É importante escutar esta voz interior e por isso é necessário cultivar o silêncio dentro da mente, que é habitualmente ruidosa e prodigiosa em termos de pensamentos desordenados, múltiplos e incoerentes. A raiz do medo esconde-se muitas vezes, por trás de uma mente confusa e equivocada, que baseia a sua experiência apenas no imediato.

 

Incapaz de enxergar tudo o que a rodeia, a mente entretém-se a criar um mundo cheio de problemas e possibilidades onde são produzidos os maiores filmes de terror.

 

Claro que a  grande maioria, para não dizer a totalidade, desses pensamentos que pululam no nosso imaginário, nunca chegam a manifestar-se, para nosso próprio bem e para o bem de todos, mas, o que é facto, é que esses processos mentais podem danificar um indivíduo, uma comunidade, uma sociedade, um povo, para sempre, deixando marcas profundas de dor e sofrimento, que seria evitável, se as pessoas soubessem conduzir a sua energia para aquilo que é sagrado, para o que é importante e para o que as conduziria ao progresso e à elevação da sua própria consciência.

 

Relativamente aos aspectos práticos, este 7 vem, por assim dizer, permitir que se criem as condições ideais para pesquisas aprofundadas, estudos e investigações de relevo, cujas conclusões, mais tarde, poderão trazer muitos benefícios para a humanidade.

 

É um tempo excelente para meditar, ler, escrever, estudar, ou dedicar-se a qualquer actividade que ajude a interiorizar e a mergulhar em regiões inóspitas dentro do nosso ser.

 

É também o momento adequado para preparar trabalhos que exijam absoluta concentração, que requeiram algum isolamento, silêncio e tranquilidade, por forma a obter o máximo rendimento.

 

É excelente para orar, pois todo o nosso ser se prepara para receber estas irradiações, e, de um modo geral, estaremos mais recetivos para dar e receber atenção, carinho, amor… Estaremos mais sensíveis a todo e qualquer sentimento que surja no nosso íntimo e também mais sensíveis às dores, sofrimentos e preocupações dos outros.

 

Poderá existir uma grande necessidade de nos evadirmos, e nesse caso, deveremos reflectir se é uma necessidade absoluta que se impõe, de forma a restabelecer e restaurar a nossa energia pessoal ou, se, pelo contrário, é apenas mais uma fuga para a frente, uma incapacidade de olharmos os problemas de frente e de encararmos aquilo que precisa de ser visto e escutado por nós.

 

Em qualquer dos casos devemos atentar na nossa intuição, e escutar a voz da nossa alma e entender para onde estamos a ir e em que estado interior nos encontramos para fazer as respetivas aprendizagens.

 

Neste ponto, podemos contar com algumas energias fluentes que irão apoiar e sustentar as nossas iniciativas e servir de trampolim às nossas acções, ao longo deste mês. Essas frequências estão codificadas nos Números 55, 10 e 1.

 

São estas vibrações que nos impelirão para a frente, que nos darão o mote e a motivação suficiente para fazer o que precisarmos, em qualquer área da nossa vida. Qualquer tomada de decisão e consequente acção, estará sempre vinculada àqueles Números.

 

Se essas decisões implicarem mudanças imprevistas, mudanças desejadas ou nos “obrigarem” a adaptações rápidas, exigindo de nós que demos o nosso melhor, poderemos ter a certeza que o Número dobrado 55, estará no seu máximo de actividade no nosso plano de vida, ajudando a moldar uma nova forma de viver, de estar, de pensar, etc. No fundo, será uma fase onde apreenderemos a ressignificar uma série de questões, conceitos e vivências, que julgávamos arrumadas e curadas em nós.

 

Portanto podemos apoiar-nos nessas energias onde impera a força de vontade, a capacidade de readaptação, a busca de novas soluções e da incessante necessidade de nos libertarmos de fórmulas e formatações, para nos podermos expressar com maior liberdade, criatividade e alegria.

 

Por outro lado, existem forças obscuras, que nos poderão travar ou impedir o acesso a tudo isto, se acaso vibrarmos no medo da mudança, se paralisarmos ante o medo de mostrar o nosso verdadeiro eu, de assumir quem somos e acima de tudo o medo de nos responsabilizarmos pela nossa própria vida.

 

Se trabalharmos apenas com vista ao nosso bem-estar numa atitude egoísta e narcisista. Se nos fixarmos nas regras rígidas, se nos sentirmos incapazes de lutar por um mundo melhor ou pelo nosso lugar ao sol, não estaremos a honrar a vida que habita em nós e logo nos perderemos nesse labirinto de medo e miséria, para depois nos podermos queixar da vida, com uma ilusória sensação de justa causa.

 

janeiro 2022_3.jpg

 

Síntese do Mês – É um período onde teremos que aprender a adaptar-nos a novas realidades, fazendo um bom uso da mente e onde devemos trabalhar no sentido de criar limites saudáveis, abandonando as velhas estruturas rígidas que não nos deixam espaço para respirar, viver e amar livremente.

 

É igualmente importante dedicar uma boa parte do nosso tempo a estudar e ampliar os nossos conhecimentos em qualquer área que queiramos ou precisemos. É um momento que nos irá fortalecer em termos espirituais, caso queiramos e caso reconheçamos o quão sagrada é a Vida que nos habita e a Vida como um Todo.

 

É ainda o tempo ideal para restaurar velhas feridas e restabelecer contactos, relações familiares, pessoais, afectivas ou outras que jugávamos perdidas e que sob esta vibração poderão ser restauradas. Perdoar, acolher e abraçar pode vir a tornar-se altamente curador e sanador de muitos desequilíbrios emocionais.

 

Finalmente, este mês, pode ser para muitos, sinónimo de um imenso salto quântico em termos de progresso e desenvolvimento pessoal e espiritual.

 

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Numerologia de 22 de Agosto a 21 de Setembro

heart-1192662_1920.jpg

Numerologia de 22 de Agosto a 21 de Setembro

 

As diversas frequências numerológicas 14, 19, 21 e 33 presentes no período compreendido entre 22 de Agosto e 21 de Setembro de 2021, activarão forças até aqui adormecidas em nós.

Um desejo irreprimível de ir mais longe e mais além, mais além de nós mesmos, no sentido da superação pessoal, levar-nos-á a experimentar e viver situações que nem nos nossos sonhos mais loucos poderíamos imaginar.

Essa força, escondida no número 21, começa a revelar-se interiormente como um leve desejo ao início, o qual se irá desenvolvendo gradualmente, até se tornar numa vontade irrefreável.

Assim que começa a tomar forma mental sairemos em busca dos materiais necessários para lhe dar forma. Pode tratar-se de um projecto, da busca de um trabalho que nos satisfaça inteiramente, de uma conversa que há muito queríamos ter com determinada (s) pessoa (s), de iniciar um verdadeiro e consciente processo de depuração e limpeza da nossa alma, da busca de sentido para a vida, e assim por diante.

No entanto, tenha esse desejo a dimensão que tiver, não será demais dizer que devemos tomar cuidado com buscas desenfreadas e sobretudo que devolvam aquela sensação desmedida de que já não se irá a tempo de entender, de conseguir, de perdoar, de atingir a meta, etc.

A força da criatividade presente nesta frequência activa o campo das ideias, das soluções práticas, da imaginação fértil, etc., e, em consequência disso, abre-se espaço para entrar em contacto com a abundância e a prosperidade, áreas férteis onde podemos ser quem somos, livremente.

Já a influência do número 14 recorda-nos que temperança, equilíbrio, perspectiva e bom senso, são essenciais para este momento que atravessamos, caso contrário poderíamos abeirar-nos da insanidade.

O que a vida pede é que encontremos o nosso caminho e o percorramos tranquilos e cientes do que estamos a fazer, com que intenção o fazemos e com que dose de alegria no coração o trilhamos em busca do nosso mestre interno. Assim que o encontrarmos será bom passarmos muitos momentos a sós com ele, isto é, connosco! Espera-se que o saibamos escutar e que saibamos aprender a discernir entre as mensagens que ele desprende e as confabulações mentais, criações mentais, que nos entretemos a fazer; espera-se que desenvolvamos competências que nos permitam bem usar os nossos dons espirituais, de modo a exercitar a nossa humanidade com cada vez mais afinco, trazendo ternura, compreensão e compaixão para nós mesmos e para todos os outros seres.

Enquanto não passarmos para esse nível pouco ou nada mudará nas nossas vidas. E é quando teimamos em permanecer no mesmo lugar que surgem as maiores confrontações internas, as maiores provas na vida relativamente às quais surge a tendência, posteriormente, para a lamúria, a vitimização, a autocomiseração, etc.

Nova aprendizagem surge no caminho, até que compreendamos que o caminho da vitimização também não devolve crescimento algum, nem devolve o Amor que tanto ansiamos, pelo contrário, as queixas e lamentações afastam a maioria das pessoas, porque ninguém tem paciência ou estofo para escutar o outro, sobretudo quando se observa que esse outro não está a fazer nada por si mesmo, passando e gastando o tempo a apontar o dedo para fora, culpando tudo e todos pelos seus males.

Devemos lembrar-nos a todo o momento que podemos contar com a ajuda celeste, que se encontra viva, bem presente e vibrante, irradiando a todo o momento, bem no centro do nosso cardíaco (procurem ler e inteirar-se acerca do assunto; podem pesquisar por “chakras”).

É com essas forças que nos devemos banhar, devemos querer conhecê-las, saber para que servem, de que modo as podemos servir e de que modo elas nos podem ajudar, devemos activá-las em nós, manifestando-as no nosso dia-a-dia, através de pequenos gestos, pequenos actos, pequenos nadas.

A presença do 19 vem lembrar-nos que tudo na Terra tem início, meio e fim, que tudo acontece em ciclos e não de forma linear, que tudo nasce e tudo morre e que isso inclui a nossa vida na Terra.

Vivamos de acordo com os ciclos da Natureza e afastemo-nos daquilo que é imposto e mecanizado, pois isso afecta-nos, adoece-nos, martiriza-nos, escraviza-nos. Pratiquemos o mais possível uma vida ao ar livre e mesmo que vivamos nas grandes cidades, sob stress e numa grande azáfama, há pequenos comportamentos que podemos mudar, porém teremos que ter uma imensa força de vontade, para não sermos esmagados pelas regras da sociedade.

Vale a pena lembrar que a sociedade somos nós: cada um de nós! E se cada um de nós mudar um pouco, a sociedade não mudará?

Somos todos nós, com maior ou menos consciência do nosso papel que alimentamos modas, regras tolas, comportamentos desviantes, etc. Dá que pensar e há muitos assuntos em que precisamos reflectir seriamente. Não trarei exemplos, pois são milhares, e acredito que quem ler estas linhas saberá do que falo.

Finalmente, surge o 33, um dos números dobrados menos falados e ao qual menos importância se dá. Mas o 33 está a ganhar raízes e em breve ele será um dos mais importantes números com cujas frequências teremos que lidar de frente e ele é tão maravilhoso e doce, como firme e duro com quem não estiver sintonizado com a sua energia.

Sempre que se fala do 33 uma grande percentagem de pessoas associa-o a Cristo, que se diz ter morrido na Cruz com essa idade. É, portanto, conhecida como Idade Crística. Mas a Idade Crística está longe de ser atingida pela Humanidade, que ainda não entendeu nada do que se passa à sua volta, pois nem sabe quem é. É como uma criança com 2 ou 3 anos que ainda anda a tactear e precisa dos pais ou dos adultos para sobreviver.

Há tanto para crescer, tanto para amadurecer, tanto para aprender e pôr em prática… e o que se observa é cada vez mais pessoas iludidas, sobretudo neste mundo dito da Nova Era ou Espiritual. É um desfilar de vaidades e egos inflamados, cada um tentando mostrar que sabe mais do que o outro. Sempre a velha ilusão a fazer das suas. O caminho dos Iniciados, os verdadeiros, não é feito em função da aprovação dos seguidores das redes sociais, mas enfim, tudo faz parte do crescimento da humanidade e de cada humano que faz parte dela.

Evidentemente, que no meio desta amálgama existem e existirão sere pessoa sérias e comprometidas no seu caminho espiritual, porém essas não fazem alarde disso.

Para viver o 33 na sua plenitude precisamos de aprender a ser 3 e depois aprender a ser 6 e isso dá muito, mas mesmo muito trabalho.

Requer atenção a toda a hora, requer vibrar muito alto e com muita intensidade, no que diz respeito à alegria de viver – e as pessoas andam tristes e cabisbaixas, deixam-se cair sem forças para lutar, por coisas pequeninas e básicas e que a esta altura, já deveriam estar resolvidas dentro delas.

Outra questão prende-se com o reconhecimento da divindade interior – as pessoas ainda se viram para fora, para o alto, para o céu e esquecem que tudo está dentro delas mesmas. As pessoas não se dão as mãos, não se perdoam a si mesmas, nem aos outros, criticam tudo e todos de forma negativa e zombeteira e depois vão rezar e dar conselhos gratuitos aos outros e apontar-lhes o caminho. São cegos a conduzir outros cegos.

Quando despertarmos realmente para o divino que somos, pararemos de nos insultar, de criticar, de ironizar e de enviar recados uns aos outros, Isso não é necessário. Isso alimenta um caldeirão de líquido negro e viscoso, onde se cairmos, dificilmente conseguiremos sair dele, pois é escorregadio e arrasta-nos para o fundo.

O que é necessário é mais Amor. E Amar implica Respeitar, Honrar, Ajudar, Cooperar, Facilitar, Solucionar, trazer a Verdade, Manifestar, Curar, Sanar, Cuidar, Abraçar, Olhar com ternura, etc.

Por isso para ser 33 e vivermos nessa Era de Ouro, ainda falta muito tempo, muitas aprendizagens, muitas vidas, muita mestria e muita prática, muita prática, muita mesmo!

Em 33 somos levados a escolher sempre o Amor, sempre, independentemente do ego e da mente. Aliás, esses dois aspectos em nós serão “sacrificados” na cruz, em devido momento, porque quando a linha da Terra se cruza com a linha do Céu, esse ponto exacto é a nossa cruz e é nele que sacrificaremos o nosso ego inflamado e é daí que “ressuscitaremos”; é a partir daí que poderemos regenerar, restaurar e decantar a nossa alma, que uma vez purificada, poderá seguir o seu percurso, livre e solta de toda e qualquer amarra anterior.

Se estas palavras te ajudarem a reflectir mais um pouco, se elas te retirarem desse lugar de dor e miséria, então elas são abençoadas, e, se assim for e sentires que elas podem ajudar outras pessoas, passa esta mensagem adiante. Nunca saberemos quem as lê e se quem as lê poderá ser confortado ou confrontado consigo próprio e isso é bom!

Grata por estares desse lado e por seres quem és.

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

Setembro 2021 – Regente Numerológico 5

 

set_21.jpg

 

Setembro 2021 – Regente Numerológico 5

 

 

Seguindo a tradição da Numerologia, quando atingimos a dimensão correspondente ao número 5, encontramo-nos a meio de uma etapa, ou seja, no verdadeiro ponto de equilíbrio. Dizem que no meio é que está a virtude, portanto, poderíamos deste modo, afirmar que o caminho do meio está simbolizado por este poderoso número que se encontra no meio da primeira série de números de 1 a 9.

 

Para trás ficam 4 dimensões, ou níveis de consciência (os quais se desdobram infinitamente), e que correspondem, obviamente aos números 1, 2, 3 e 4 e através dos quais fomos desafiados a viver e experimentar certos movimentos internos, os quais, nos levarão mais tarde, a compreender o tema da aprendizagem proposta para aquele momento e circunstâncias da nossa vida. Neste caso concreto, esses números correspondem aos passados meses de Maio, Junho, Julho e Agosto, respectivamente.

 

Para a frente ficam outras 4 dimensões, as quais correspondem aos números 6, 7, 8 e 9 e que governarão os próximos meses de Outubro de 2021 a Março de 2022.

 

Ou seja, encontramo-nos precisamente a meio de um ciclo curto que teve o seu início em Maio deste ano e que só irá terminar em Março do próximo.

 

Estar neste lugar de forma consciente, implica fazer muitos movimentos internos e externos em simultâneo, pois precisaremos da versatilidade e adaptabilidade do 5 - o qual não nasce preparado para a Mudança, pois ele é a própria Mudança –, o agente que trabalha no sentido de dar novas formas às coisas no campo da matéria, e não só, e de revelar novos caminhos que anteriormente pareciam não estar visíveis, alterando assim o rumo dos acontecimentos.

 

Porém, quem determina se seremos ousados ao ponto de mudar de direcção, imbuídos de um certo espírito aventureiro, seremos nós mesmos, e, claro está, tudo irá depender da força do nosso ego versus a da nossa alma.

 

Se estivermos afinados com o Espírito não hesitaremos em manejar o leme interno e levar o nosso barco para outras paragens, retirando-o assim do cais e partindo à descoberta de novas aventuras, realidades e experiências. Caso contrário, iremos experimentar mais do mesmo, mas com contornos mais abrasivos.

 

O movimento do 5 é sustentado pelo Fogo e pelos seus devas, portanto, se teimarmos em permanecer parados dentro do barco, sujeitamo-nos a ser lançados borda fora, por força das circunstâncias, sem ter usufruído da viagem.

 

Este mês será tudo menos calmo, tudo menos tranquilizador, porque o 5 gera impulsos vitais para a nossa evolução e aprendizagem, o que automaticamente nos retira da confortável zona onde teimamos em permanecer.

 

Sentir-nos-emos perturbados e insatisfeitos, nervosos, ansiosos, incapazes de lidar com situações extremas e verdadeiramente desafiantes. O 5 exerce aqui o seu papel desequilibrador nas nossas vidas, o qual será bastante acentuado, dado que 5 é também o regente de 2021.

 

Esta duplicidade provoca desequilíbrio entre as polaridades, precisamente pela ausência de um elemento unificador entre elas, ou seja, estaremos nos limites de um dos polos do 5, o que se revelará através de diversos movimentos internos, subtis, por vezes impercetíveis, ou pelo contrário, através de um chocalhar interno de emoções mal resolvidas que sugerem raiva, zanga, choro contido, impaciência, falta de humildade, insatisfação geral, aversão à mudança, dificuldade em se adaptar ao novo, incapacidade em lidar com problemas pequenos e sem importância, rigidez mental, dificuldade ou não querer aprender com a experiencia, teimosia e obstinação, falta de tato e um sentido de injustiça exacerbado, entre muitas outras questões que eventualmente nos deixarão esgotados, extenuados, sem forças.

 

A acrescentar a tudo isto teremos que considerar que o ponto fraco deste mês se revela como uma tendência para a dispersão e alheamento da realidade e dos assuntos mundanos, aos quais também precisamos de dar atenção, cuidando e resolvendo tudo atempadamente, até para não termos surpresas desagradáveis. Cuidado com questões legais, jurídicas, financeiras, contratuais, e tudo o que se relacione com prazos, pagamentos, etc.

 

Evidentemente, este cenário não está montado para nos castigar ou fustigar, mas antes para que tenhamos a oportunidade de colocar em prática várias aprendizagens anteriores, muitas delas resultantes de erros passados. Estamos, portanto, num óptimo momento para testar as nossas capacidades, os nossos recursos internos, a nossa força, determinação e coragem, versatilidade, dinamismo e força de vontade.

 

O que podemos fazer é trabalhar com o aspecto mais forte e poderoso deste mês que nos ajuda a focar nos assuntos importantes e urgentes, mas acima de tudo nos ajuda a abrir caminho no meio do emaranhado de fios em que se tornou a nossa vida.

 

Falo de um 4 (ponto forte do mês) a fazer um bom aspecto ao regente 5 de Setembro.

 

Ora, o 4 é, como sabemos, o Senhor da Ordem, e por isso devemos trabalhar os seus aspectos em nós e na nossa vida, ajustando-nos aos altos e baixos que um mês e um ano desta frequência nos propõe.

 

Podemos, portanto, pôr de lado a inércia, a procrastinação, a preguiça, a indiferença, etc. perante os desafios presentes na nossa vida e arregaçar as mangas, trazendo disciplina, organização, planeamento e intenção certeira aos assuntos pendentes ou àqueles que estão somente a aguardar uma conclusão.

 

Por outro lado, poderemos precisamente renovar alguns objectivos traçados anteriormente, uma vez que, como já referi, nos encontramos a meio de um ciclo de 9 anos. Quer isto dizer que podemos ajustar as velas para retomar o percurso iniciado, o qual se pode ter desviado da rota, por conta da nossa distracção, preguiça, indolência, etc., ou (e isto só serve os mais ousados, empoderados e conscientes das forças que carregam consigo), podemos simplesmente traçar um rumo para a nossa vida, completamente novo!

 

Dá um frio na barriga, não é? Mas isso é um bom augúrio, pois o nosso plexo solar sinaliza muito bem as tomadas de decisão importantes, caso estejamos atentos, alinhados e em harmonia com o Propósito da nossa Alma.

 

 

Redesenhar a nossa vida, intenções e desejos implica uma força de vontade adamastoriana, porém necessária para quem quer saltar para o próximo nível e resgatar muito do seu poder pessoal, mental, emocional e espiritual.

 

O 5 é realmente um número representativo de equilíbrio, porém, enquanto não conseguirmos igualar de forma proporcional as bases da nossa vida como um todo, ele revelar-se-nos-á como elemento descompensador, de forma intensa e brusca, surgindo sem avisar, deixando a nu, tudo o que precisa ser reavaliado, restaurado, resgatado, modificado, adaptado, e assim por diante.

 

Assim, resta-nos trabalhar no sentido de harmonizar as 5 forças e princípios presentes no campo do 5, honrando-as e trazendo-as para fora, para o mundo visível, para que as possamos manifestar e carregar connosco onde quer que estejamos ou onde quer que nos desloquemos.

 

Lembrando que a figura geométrica que corresponde ao 5 é a estrela de pontas ou pentagrama, cujas pontas simbolizam entre muitos outros aspectos o reino elemental e as suas 5 representações dévicas: Água, Fogo, Ar, Terra e Éter.

 

 

 

Paz e Bênçãos!

 

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

Maio 2021 - Regente Numerológico 1

 

posted29.jpg

 

Maio 2021 – Regente Numerológico 1

  

Maio chegou desafiante, trazendo a energia do Número 1, a qual coloca em evidência a nossa capacidade de começar de novo ou de iniciar um ciclo novo, dentro do ano 2021.

 

Ora, como se sabe, 2021 é governado pelo Número 5 e esta frequência está a reverberar, oficialmente, desde Janeiro e a sua força e influência permanecerá até ao final do ano. Porém, há sempre um momento, a cada ano, em que esta frequência (referente ao ano universal) se encontra mais intensificada, mais aguçada, mais forte e por isso mesmo devemos olhá-la com maior atenção.

 

Esse momento, esse ápice da frequência 5, acontece exactamente durante o mês de Maio, precisamente por este ser governado pelo Número 1, que é a força que irrompe através da matéria, que a rasga para a semear com o seu grão, que a fertiliza e a torna prenhe, para depois permitir que todo o processo de germinação aconteça, até ao romper das águas, que voltam a trazer a multiplicidade de formas de vida em todo o seu esplendor.

 

Para nós, tudo isto, representa a força do 5 em acção através do poder da criação e da destruição. É por isso um momento muito forte e pujante, cheio de mudanças, oportunidades e possibilidades, que antes não víamos ou sequer percebíamos, mas que agora se fazem notar, saindo das sombras, para se revelarem completamente à nossa frente.

 

A forma como esta energia nos afecta, depende do nosso grau de consciência; da luz que já conseguimos vislumbrar dentro de nós, e que nos possibilita ver e analisar com maior clareza, o caminho que vamos trilhando; das escolhas que vamos fazendo e também das não-escolhas; dos movimentos acerca dos quais vamos estando cientes, trazendo mais presença a cada segundo da existência; dos momentos de síntese e integração que vamos testemunhando em nós mesmos, e assim por diante.

 

Mas, a força da dualidade presente nesta polaridade 5, que se pode resumir em: Vontade de Mudar / Resistência à Mudança, é muito potente, e faz movimentar forças internas, que se assemelham a vulcões interiores, prontos a entrar em erupção a qualquer momento. Por essa razão, precisamos de cuidar muito de nós, a todos os níveis, pois as consequências que advêm da permanecia na resistência à mudança são muito sérias, tanto para a nossa evolução e crescimento pessoal, como para o nosso corpo físico.

É preciso dar atenção ao sistema nervoso e à sobrecarga do corpo ou esfera mental.

 

O contacto com a Natureza, sobretudo em lugares junto à Água (rios, riachos, ribeiros, cascatas, praias, etc.), é precioso e não deve ser ignorado.  

 

Este é um momento de renovação, onde podemos rever as várias áreas da nossa vida que necessitam de cuidado, atenção e nutrimento. Também é preciso tomar cuidado para não cairmos no exagero ou na obsessão por uma delas, em detrimento das outras. Por exemplo: não devemos trabalhar sem parar, dormir exageradamente, etc. O equilíbrio é tudo!

 

Tudo o que estiver em excesso na nossa vida deverá ser banido ou transformado por cada um de nós, para que enxerguemos melhor o essencial.

 

Esta renovação surge em forma de oportunidade e não cai do céu, como que por milagre. Teremos que ser nós a reconhecê-la e a aproveitá-la, fazendo bom uso do que nos está a ser confiado.

 

Um ano 5, é um ano de altos e baixos na energia, com contrastes muitíssimo acentuados. Por exemplo, ao nível do humor, da vontade e das iniciativas, é muito notório. Ora nos encontraremos no pico da montanha, cheios de boa vontade, bom humor e autoconfiança, como logo a seguir nos sentiremos no mais fundo vale, escurecidos e desencantados, mal-humorados e irritados, pois deixámos de ver a luz do Sol. Porém, o Sol, apenas se escondeu atrás das montanhas que rodeiam o vale.

 

Há que manter a energia num ponto médio, zelando para que ela não escorra mais para um lado do que para o outro, o que nos tornaria inconstantes, inseguros, desconfiados, agressivos ou medrosos.

Ao longo deste mês surgirá, sobretudo por revelação interna, uma vontade de começar e iniciar qualquer coisa nova, pelo que é importante, avaliar e medir bem as consequências de quaisquer decisões, não vá ser que esses actos tenham por base uma substância vazia, mas que, por via de tanto querermos manifestar algo, nos pareça ela rica e cheia de possibilidades.

 

Cuidado com a brusquidão desta energia 1, mesclada com a 5, pois a sua sinergia provoca fogos intensos e fortes, mas de curta duração, sobretudo, para quem se encontra ávido de se querer mostrar ou de querer reconhecimento antes do tempo.

 

Claro está, que se anteriormente houve lugar a uma boa reflexão e se estiverem criadas as condições para avançar em alguma direção, este é sem dúvida o momento para o fazer sem hesitações.

 

A acompanhar toda esta carga de forças e movimentos internos, vem um forte sentido de responsabilidade e amadurecimento, no que toca aos nossos actos. Acções irrefletidas serão motivo de muitos dissabores, desilusões, impaciência, frustração e raiva. Uma mistura explosiva ou implosiva, que certamente criará muito desconforto.

 

A partir do dia 15 de Maio, poderemos sentir uma imensa vontade de mergulhar dentro de nós, de estar a sós connosco, e uma posição ou atitude mais introspetiva tomará conta dos nossos dias até um pouco mais do meio de Junho.

 

Reflexão, introspecção e meditação serão palavras do dia, nesse período, e tudo estará certo, conquanto não nos deixemos escorregar para uma zona de autoisolamento, distanciando-nos do mundo ou não querendo fazer parte dele, numa atitude negativa, pessimista ou de profunda desconfiança.

 

Ao longo deste mês iremos ainda sentir ou escutar, um forte chamamento interior, o qual nos devolverá um certo sentido de dever, de entrega – uma sensação de estar ao Serviço de algo maior do que nós. Momentos de verdadeira inspiração e revelação interiores poderão, juntamente com um aumento da nossa intuição, tornar-se em fontes inesgotáveis de alegria, onde poderemos saciar a sede do nosso espírito, que anda sequioso e desejoso de compreender, conhecer, e acima de tudo, de recordar-se de quem é.

 

Este é sem dúvida o ponto mais forte do mês, que além disto, nos acrescenta uma necessidade de nos organizarmos melhor ou de forma mais eficiente; de nos disciplinarmos em relação a certas tarefas ou rotinas, e de nos lembrar que essas mesmas tarefas, jamais devem ser vistas como um peso ou uma obrigação, mas sim como uma forma de devoção e de contribuição para o nosso próprio bem e para o bem de todos, devendo ser executado com boa vontade, cuidado, zelo e muita constância.

 

Como todos os pares de opostos, este aspecto positivo tem como como polo oposto e complementar um aspecto que irá determinar o sucesso ou insucesso, o êxito ou o fracasso das nossas intenções. Trata-se da dificuldade que iremos sentir quando pretendermos manifestar e realizar as nossas tarefas, sejam elas quais forem. Precisaremos, de muita determinação, firmeza e vontade férrea para levar o nosso barco a bom porto. Na maioria das vezes, iremos sentir vontade de desistir, a falta de forças será sentida e teremos muita dificuldade em nos reerguermos. Podemos por isso precisar da ajuda de outras pessoas: de familiares, de amigos, de colegas, de vizinhos, de profissionais de outras áreas, de terapeutas especializados em alguma área que nos possa ajudar a sair desse lugar pantanoso e trevoso, etc.

 

Claro que a ideia é que sejamos nós mesmos a sair da nossa caverna interior, buscando a luz da nossa consciência e compreendendo que no dia em que estivermos cientes de que o nosso poder reside em nós mesmos, pararemos de nos lamentar, de nos atraiçoar e de nos sabotar, neste percurso mágico que é a Vida, vivida aqui e agora.

 

 Paz e Bênçãos!

  

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

Abril 2021 – Regente Numerológico 9

zen-509371_640.jpg

 

 

Abril 2021 – Regente Numerológico 9

 

 

A frequência de Número 9 estará irradiando ao longo de todo o mês de abril, trazendo consigo a possibilidade de encerrar um ciclo que se iniciou em junho do ano passado, atravessando assim, o segundo semestre de 2020 e o primeiro trimestre de 2021.

 

Esse momento, que foi deveras desafiante e desestruturante, dá lugar agora a um novo período não menos complexo do que o anterior, porém com outras nuances, uma vez que a influência do 5 como regente anual de 2021, possui características bastante diferentes do 4, que governou 2020.

 

Na verdade, o simbolismo do 9 está associado ao encerramento ou fecho de algo, de um ciclo, de um determinado período de tempo, mais ou menos longo. Ora, sendo abril governado por este precioso número precisaremos de concentrar a nossa atenção naquilo que na nossa vida está prestes a terminar, quer dependa da nossa vontade ou decisão, quer esteja inteiramente dependente de terceiros.

 

Fechar um ciclo, encerrar uma etapa, não significa que essa circunstância desapareça completamente do nosso horizonte. Pode simplesmente ser substituído ou transformado noutra coisa. Um exemplo simples e de fácil compreensão pode ser aquele que retrata o final da gravidez. Neste caso, a gravidez, esse ciclo de 9 meses, chega ao fim, mas o resultado da mesma não desaparece, bem pelo contrário. Os pais continuarão a ocupar-se do seu bebé, do seu filho, mas agora com ele do lado de cá, portanto, uma nova fase ou ciclo começa, a qual, de acordo, com numerosos testemunhos de pais, é para toda a vida, a qual vai sendo “dividida” em várias fases de crescimento e desenvolvimento da criança até se tornar adulta.

 

Mas há outros exemplos em que de facto o 9 pode significar efetivamente o final de algo, como o fim de uma relação, o fim de uma sociedade, o fim de uma formação, e assim por diante.

 

O 9 é uma caixinha de surpresas, e o fim de algo (ainda que da nossa perspetiva nos pareça irremediavelmente perdido para sempre) acaba por se transformar em algo novo. O 9 dá lugar ao 10 e este, enquanto símbolo de retorno à unidade, representa o recomeço, o reinício, o impulso que se renova a cada ciclo para dar continuidade aos ciclos da vida.

 

 

Pelas razões apontadas, cremos que um período governado ou associado ao 9, seja responsável por um estado de ânimo um pouco mais conturbado do que o habitual. As pessoas tendem a ficar mais agitadas e mais nervosas, por vezes sem compreenderem a razão desse mal-estar, precisamente por causa dessa sensação de que algo está a terminar. Há um sentimento interior que as coloca de sobreaviso relativamente a um final, que elas, em muitos casos, não conseguem ainda reconhecer.

 

Existe então uma tendência para descarregar nos outros, esse excesso de mal-estar, provocado por essa ansiedade que pode levar ao descontrolo total, pelo que é importante evitar litígios e dar uma excessiva importância a esse estado negativo, uma vez que a partir do dia 22, as coisas tenderão a melhorar e a estabilizar um pouco.

 

Também é desaconselhável tentar segurar pessoas ou situações que estão prontas para ser largadas. Isso seria remar contra a maré ou contrariar o fluxo da energia, o que obviamente traria consequências complicadas e amargas.

 

Tudo isto se pode aplicar tanto no campo pessoal, como no sentimental, profissional ou outro, pelo que se recomenda agir com bastante prudência, pesando os seus actos e observando a sua postura de forma o mais isenta possível.

 

Paradoxalmente, sendo o 9 símbolo de conclusão, não posso deixar de referir a sua importância numa outra direcção, diametralmente oposta e complementar, àquela que foi exposta anteriormente. Na verdade, sob a influência do 9 é aconselhável, salvo raras exceções, a formular e planear projectos de longo alcance, cuja complexidade e amplitude exija uma gestão e planificação pormenorizada, que envolva várias áreas do conhecimento e a colaboração de várias pessoas e equipas especializadas.

 

 

 

O 9 revela assim, o seu maior segredo: a sua absoluta continuidade, a sua imortalidade, a sua complexa infinitude.

 

Para alcançar o êxito e o sucesso nos seus empreendimentos, precisa de saber que na realidade o fim não existe, e de lembrar-se, que a vida é um eterno recomeçar!

 

 

 

Paz e Bênçãos!

 

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

Fevereiro 2021 - Regente Numerológico 7

Buda.jpg

 

O Número 7 traz-nos uma proposta maior, mais elevada, mais adequada a estes novos tempos. Se é visível a olho nu, se é passível de ser reconhecida com facilidade esta proposta? Não, nem sempre, talvez... Tudo depende do grau de lucidez de cada um de nós. Há diferentes e multivariados graus de consciência, os quais desconhecemos na sua grande maioria. De modo algum deveremos julgar ou classificar uns aos outros, de acordo com o grau de consciência, pois nem sequer existe um critério ou parâmetros adequados à nossa condição humana, para o fazer.

 

Apenas nos cabe reconhecer quão lúcidos nos encontramos face a cada situação com que nos vamos deparando; face a cada sentimento que vai preenchendo o nosso ser; face a cada pensamento que vai perpassando a nossa mente; face a cada gesto que fazemos ou repetimos ao longo de cada dia.

 

Essa observação, essa autoanálise, vai-nos ligando ao nosso maravilhoso mundo de recursos internos, onde se encontram guardados os nossos verdadeiros tesouros: a nossa capacidade de amar a tudo e a todos (incluindo a nós mesmos); a nossa luz orientadora interior, a nossa compaixão, a nossa bondade, a nossa gentileza, a nossa delicadeza, a nossa atenção e foco, a nossa habilidade intuitiva, etc. Em contacto com esses recursos, habilidades emocionais, manuais e outras, partimos para a experimentação pondo ao nosso serviço e ao serviço dos outros essas mesmas habilidades e recursos.

 

A prática continuada e constante das nossas qualidades e atributos, nos levará a criar uma ideia acerca de nós mesmos, uma espécie de autoconhecimento ou de autoimagem que vamos formando a nosso respeito.

 

Entretanto, discernimento é uma ferramenta que precisamos desenvolver e ampliar para que não fiquemos submetidos a essa auto imagem e muito menos dependentes dela, daí que seja de imperiosa necessidade exercitar uma certa elasticidade mental e emocional, as quais se adquirem, praticando certo desapego de nós mesmos, por forma a não nos tornarmos entorpecidos, bloqueados ou petrificados ou, como agora é hábito dizer: formatados!

 

É nesta direcção que o 7 nos orienta: a conhecer mais a nós mesmos, a aproximarmo-nos mais de nós, embora isso precise de ser feito de forma lenta e gradual. Ora é precisamente neste ponto que muitos seres humanos perdem o contacto com o seu centro, porque o ser humano é impaciente por natureza, é ávido, é ansioso e vive muito dentro de um sistema que é nutrido e sustentado pelo seu corpo de desejos, o qual envia estímulos a todo o instante para o nosso cérebro e para todas as células. 

 

Precisamos de nos "descolar" um pouco todos os dias, desses milhares de estímulos e desejos constantes para fazer uma escolha (a tal escolha de 6 (regente de Janeiro e de Outubro de  2021), madura e responsável, lúcida e transparente) adequada à condição de cada um e que esteja mais de acordo com o ritmo, caminho, missão e verdade de cada ser humano.

 

É neste sentido que o Número 7 nos empresta as suas qualidades, saibamos nós usá-las, aproveitá-las, adequá-las e adaptá-las à nossa vida e a todas as condições actuais em que vivemos e em todos os níveis. É por isso que o 7 está intrinsecamente associado à introspecção, à reflexão, ao pensamento filosófico e à meditação. Qualquer um destes exercícios deve ser praticado de forma equilibrada, para ajudar a movimentar esta pesada maquinaria de engenharia avançada que é a complexidade humana.

 

Em primeiro lugar precisamos de entender que a energia de adaptação e adequação às mudanças está presente na energia do Ano, que é 5, pois esses atributos e características são inerentes a toda a simbologia deste poderoso Número. Em segundo lugar perceber que sendo o 5 fogoso e rápido, vertiginoso e estimulador, tende a tornar qualquer experiência muito superficial. As emoções, por exemplo, os sentimentos, e tudo o que daí decorre carece de observação e integração quando nos ficamos apenas por esta energia. Precisamos de entender a correlação directa e necessária com o 7, o regente deste mês, que insere nas nossas práticas diárias a necessidade de filtrar, seleccionar e identificar cada experiência que necessita de aprofundamento e de reconhecimento interno.

 

Um estado meditativo, uma boa reflexão e autoanálise, destituída de severo julgamento interno, é um remédio infalível, na boa condução da nossa vida.

 

É o 7 que nos coloca no caminho da Sabedoria, enquanto o 5 nos conecta com o Conhecimento das coisas, com a experiência sensorial, e assim por diante. Ambos são necessários e não há razão para gostarmos mais de um ou de outro, já que é no meio das suas virtudes que adquirimos estrutura e espaço suficiente para ancorarmos mais luz divina em nós.

 

Paz e Bênçãos!

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

Partilha de Conteúdos e Créditos de Imagem

Partilha de Conteúdos - Por uma questão de respeito pelo meu trabalho, a partilha dos conteúdos deste blog deve ser sempre feita através do link da publicação e com referência à sua autoria. "NÃO FAÇAS AOS OUTROS O QUE NÃO QUERES QUE TE FAÇAM A TI!" - Grata pela tua compreensão. / Créditos de Imagem - As imagens que ilustram as publicações deste blog são da minha autoria ou de bancos de imagens gratuitas: https://unsplash.com/ - https://pixabay.com/pt/ - https://kaboompics.com/ - Caso seja detectada alguma imagem que não esteja de acordo com os critérios acima mencionados, agradeço que me contacte e a imagem será de imediato removida.