Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Numerologia, Arcanos & Cia. by Eva Veigas

Numerologia, Tarot e Xamanismo ao Serviço da Expansão da Consciência

Numerologia, Arcanos & Cia. by Eva Veigas

Numerologia, Tarot e Xamanismo ao Serviço da Expansão da Consciência

Ano Pessoal 9 em 2019

Eva Veigas, 12.12.18

2019_9.jpg

Imagem: Jonas Geschke

 
 

2019

 

Ano Pessoal 9

 

Aprende a combater os teus maus pensamentos, os remorsos, as ideias tristes que envenenam o espírito. Não os leves a sério. A sua face de trevas não passa de um jogo infeliz, pois a sombra só existe quando se está de costas viradas para o sol. Age como um chefe de guerra. Contorna-os e sê o espelho que lhes reflectirá a luz; então as vestes da tristeza tombarão como peles mortas.

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

Este Ano Pessoal* 9 pode ser resultado da redução dos Números 18 ou 27, conforme os casos.

 

Número 9 – Deusa do Sonho e das Viagens entre mundos. Senhora da Intemporalidade. Ela que está presente em tudo desde o início dos Tempos. Senhora do Espaço e do Tempo. Tecedeira dos sonhos e dos mundos internos. Senhora do Destino dos Homens. Honrada em todos os lugares do Universo. Senhora do Silêncio e da Verdade. Nada podes ocultar-lhe. Nada podes tirar de lugar algum sem que ela saiba. Nada precisas de lhe provar pois Ela conhece cada célula do teu coração.

Vigia o teu sono e fica atento aos teus sonhos, eles são como um guia que te mostra o caminho de regresso a casa, para que não te percas em lugar algum.  

 

Um ano pessoal 9 é o momento que marca o fim de um ciclo. Logo outro se abrirá. Porém, antes que isso suceda devemos preparar a terra (corpo / mente / recursos materiais, financeiros, etc.) para que as novas sementes (ideias, projectos, intenções) caiam em terreno fértil, prosperem, germinem, cresçam e amadureçam.

 

Quando nos encontramos num ano 9 significa que já passámos a fase da colheita (ano 8) e que portanto já recebemos da terra, os frutos do nosso investimento, zelo e empenho. Agora é tempo de armazenar, distribuir e escolher esses frutos. É tempo também de separar as sementes, de as secar e de as guardar e manter nalgum lugar seguro, até sejam lançadas à terra quando for chegado o momento.

 

Dependendo de cada caso, poderemos ter de lançar imediatamente as sementes à terra (caso todas as condições estejam reunidas, o que mostra que nos empenhamos e trabalhámos para isso, sendo absolutamente mérito nosso, se isso acontecer) ou então poderemos ter que esperar pelo início de um novo ciclo, que não tem de ser forçosamente o ano 1 seguinte, que neste caso seria 2020. Podemos lançar sementes ao longo de todo o ciclo ou apenas em ciclos posteriores, tudo depende do que viemos cumprir e aprender nesta jornada.

 

Também teremos de preparar o terreno em que as sementes cairão, pois um solo seco, sem água (sem emoções, desmotivado) ou demasiado encharcado (hipersensível) não está em boas condições para receber as pequenas e frágeis sementes que a muito custo irromperão a terra.

 

Este é um longo processo, que precisa de atenção constante, cuidado, carinho, investimentos de vária ordem e muita, muita paciência.

 

Quer se trate de um projecto, de uma relação, da necessidade de cuidar de alguém ou de nós mesmos, é sempre muito trabalhoso e ao longo do ano pode-se pensar muitas vezes em desistir. Mas o 9 ensina-nos a resistir, a permanecer, a ficar, a oferecer a dádiva que temos dentro do coração, para que muitos possam dela beneficiar.

 

Este é um ano de arrumar a nossa casa interior (e muitas vezes também coincide com a necessidade de o fazermos externamente, na nossa própria casa, por motivo de limpezas, obras, redecoração, mudança de casa, etc.). Um 9 em equilíbrio fará tudo isto com muito carinho, e porá amor em cada acto, em cada gesto, adicionando beleza, bom gosto requinte e qualidade a cada momento.

 

Um 9 em desequilíbrio, em alguma área particular ou em várias, terá muita dificuldade em preparar o terreno, pois sentir-se-á cansado só de pensar na tarefa que tem pela frente. Ficará muito desgastado logo no início do ano. Terá de aprender, portanto, a renovar-se e a regenerar-se, a buscar estímulo onde ele pensava não existir para transformar os seus sonhos e realidade, caso contrário, esta fase do final do ciclo, que é tão importante para arrumar e concluir ou fechar assuntos, terminar longos processos, relações e demais eventos da vida, ficará em suspenso e isso custar-lhe-á muito caro, pois dessa forma dificilmente materializará seja o que for.

 

Um ano 9 implica quase sempre muitas deslocações, muitas viagens e muitas alterações nas nossas rotinas. Em última análise, este poderá ser o ano de viajar interiormente ao encontro de ti mesmo, para que possas conhecer-te mais e melhor, para que possas entrar em contacto com outras realidades e dimensões internas que até agora eram desconhecidas para ti. Se for esse o caso, acredito que será uma viagem de profundas e reais descobertas. Não percas esta oportunidade, pois pode até haver outras, porém esta, não se repetirá.

 

Boa Viagem!

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Para saber mais acerca da Regência do seu Ano Pessoal agende a sua consulta  através dos contactos disponibilizados no Blog.

Mil Bênçãos no teu Caminho

Ano Pessoal 8 em 2019

Eva Veigas, 12.12.18

2019_8.jpg

Imagem: autor desconhecido

 

2019

 

Ano Pessoal 8

 

Dentro de ti estão todos os mundos sonhados pelo homem, passados, futuros, e outros ainda nunca sonhados. Tudo está lá, no espaço infinito e sagrado do teu espírito. Respeita-o, sente amor por ele, considera-o como um deus, sem perder a noção da tua fragilidade, levado pelo rio do tempo, rico e pobre simultaneamente.

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

Este Ano Pessoal 8 pode ser resultado da redução dos Números 17 ou 26, conforme os casos.

 

Número 8 – Senhora das Colheitas, da Fertilidade e da Abundância. Desusa da Fortuna e da Prosperidade. A Deusa - Mantenedora do Equilíbrio entre os Céus e a Terra e entre todas as criaturas que vivem na Terra.

 

Um ano pessoal 8 corresponde a um período de colheita. É hora de colher aquilo que se plantou. É tempo de escolher os frutos. De os preparar, conservar, guardar e armazenar. Mas é também o tempo de usufruir deles, de os saborear, de os contemplar e de os celebrar.

 

O momento da colheita é uma fase muito importante do ciclo, pois ela representa o fruto, a dádiva que recebemos em troca de todo o cuidado e trabalho desenvolvido anteriormente. Saber respeitar os ciclos e todas as suas fases é sinónimo de sabedoria e de aprendizagem. Esta fase antecede a morte, o fim, o fecho de um ciclo preparando-nos desta forma para o ano pessoal 9.

 

O 8 é também o número que representa a continuidade, o eterno movimento cósmico – o que não tem início nem fim – o eterno recomeço em diferentes oitavas.

 

Ao longo deste ano poderemos começar e recomeçar, tantas vezes quantas forem necessárias. Podemos construir ou reconstruir a nossa vida sobre alicerces mais fortes, baseados em princípios mais elevados e mais nobres, mais dignos e mais humanos. Se não estivermos satisfeitos com o nosso mundo, a nossa vida, a nossa forma de ser e de estar, é bom saber que detemos nas nossas mãos o poder de mudar qualquer coisa que nos impeça de ser melhores – melhores pessoas, melhores humanos.

 

O ponto ou o aspecto mais importante e interessante deste ano corresponde ao fortalecimento e enaltecimento dos laços que nos unem aos outros. Estamos a colher os frutos que plantámos, e se a colheita não for agradável é o momento de alterar a forma com que nos tratamos e como tratamos os outros.

 

Cuidar das nossas relações através da perspectiva do 8, é deveras complexo, pois exige uma colaboração contínua e firme de ambos os lados. Trazer os nossos relacionamentos para este nível nem sempre é fácil pois implica que o respeito, a integridade, a coerência, a comunicação, o diálogo, a união, etc. se reúnam para obter resultados positivos ao nível do entendimento entre duas ou mais pessoas (um casal, pais/filhos, colegas de trabalho/estudos, uma família, uma comunidade, etc.).

 

Todos conhecemos as dificuldades inerentes a um relacionamento, seja ele de que género for, e como é difícil manter laços saudáveis com os nossos pais, filhos, companheiros, colegas, etc. As barreiras surgem a todo o momento e de várias formas, por isso é crucial manter uma mente e um espírito abertos, bem como uma vontade inabalável de criar laços fortes para a vida com alguém.

 

Esta questão vai estar em foco ao longo de todo o ano, pelo que hão-de surgir inúmeras situações onde seremos colocados à prova. Esta prova de fogo há-de atirar-nos para lugares escuros ou confusos, por vezes labirínticos, de onde só o amor desinteressado poderá arrancar-nos.

 

É importante manter as nossas prioridades bem claras. O que será mais importante? Ser feliz ou ter razão? O que será mais importante do que o valor da vida? O que será mais importante do que permanecer de consciência tranquila? O que será mais importante do que amar e cuidar?

 

Porém, este ano traz uma dádiva especial: uma oportunidade de regeneração, de renascimento, de sanação das feridas internas e uma possibilidade de despertar do sonambulismo e do adormecimento em que temos andado mergulhados.

 

Quem souber tirar partido deste momento, desta dádiva tão especial, experimentará, com toda a certeza o sabor do sucesso em qualquer área da sua vida, desde que mantenha o foco no que pretende restabelecer e regenerar este ano.

 

O desafio maior consistirá precisamente em manter a atenção no que se pretende, no que se quer e deseja tão firmemente, pois não será fácil.

 

Ser-se comedido, disciplinado e rigoroso nas escolhas é condição essencial para viver este ano de modo mais aprazível e descontraído, caso contrário não se conseguirá usufruir de nenhuma das conquistas ou vitórias que se obtenham sobre nós mesmos.

 

Se não soubermos cuidar dos nossos projectos eles não crescerão saudáveis e fortes ou então crescerão sem estrutura, sem rumo, à toa. Desta forma, nunca darão frutos ou lucros, e jamais produzirão abundância – aquela abundância de que todos falam, mas que poucos experimentam, pois confundem abundância com dinheiro, bens ou posição social.

 

Quando compreenderem que tudo isso é apenas uma pequena fatia da verdadeira abundância terão superado um imenso desafio desta singela condição humana.

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

Mil Bênçãos no teu Caminho

Ano Pessoal 7 em 2019

Eva Veigas, 12.12.18

2019_7.jpg

Imagem: Ella Jardim

2019

 

Ano Pessoal 7

 

Tu não estás separado dos outros, encerrado numa solidão mortal, com angústias e doenças que só a ti pertencem. Volta-te para os outros, aprende a olhar de outro modo o mundo que te rodeia. Experimenta pensamentos harmoniosos por todas as formas de vida se desejares recuperar a alegria, pois és o irmão e a irmã de todas as criaturas.

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

Este Ano Pessoal* 7 pode ser resultado da redução dos Números 16 ou 25, conforme os casos.

 

O Número 7 representa simbolicamente a Senhora do Ar, a Deusa dos Ventos e das Tempestades - que espalha e distribui as sementes lançadas por Héstia, o Fogo Central -, relaciona-se com a esfera da mente, da psique, das ideias, das ideologias, das filosofias, do conhecimento, do desenvolvimento e do aprofundamento da sabedoria interior.

 

Este ano pessoal é marcado por uma espécie de estímulo interno que nos convida a viajar através das camadas mais profundas do nosso mundo interior, explorando demorada, mas intensivamente, camada após camada, para atingir o núcleo ou a essência do nosso ser. Uma necessidade de aprofundar partes de nós mesmos até agora inacessíveis. Partes da nossa vida, dos nossos relacionamentos (família, amizade, parceiro(a), etc.), das nossas carreiras, profissões ou actividades laborais, dos nossos hobbies, etc. Uma vontade de descobrir e arredar os véus da ignorância que nos separam muito, quer de nós mesmos, quer dos outros.

 

No entanto, isto não significa que ganhemos uma imediata consciência deste contacto com essas nossas dimensões internas, já que estas dinâmicas levam o seu tempo a ser coligidas e integradas pela nossa mente, emoções, actos e experiências. Também não significa que consigamos atingir o núcleo da profundidade do nosso ser, e muito menos é desejável que isto se torne obsessivo ou compulsivo. Não é uma meta, é uma viagem para desfrutar, para nos descobrirmos. É algo que acaba por ser bastante natural, desde que não nos apeguemos ao resultado “final”.

 

Por vezes é preciso cumprir um ciclo inteiro e só no seguinte ano pessoal 7, se começa a ter um vislumbre mais real, por assim dizer, da caminhada que estamos a percorrer. Desse modo, os seguintes anos pessoais 7 irão devolver-nos mais e mais consciência de cada passo que vamos dando no caminho.

 

Tudo isto exige uma boa dose de silêncio e de algum isolamento, para permitir momentos de reflexão e meditação profundas. Em períodos como este, é fundamental estar a sós connosco durante algumas horas ao longo do dia, ou, pelo menos, caso isso não seja de todo possível, alguns minutos.

 

Em termos práticos, o ano 7 é indicador de um cenário óptimo para estudar, ler, escrever, investigar, fazer experimentos, ampliar conhecimentos ou especializar-se nalgum assunto ou matéria.

 

Isto irá exigir, evidentemente, muito foco e uma especial atenção a cada momento. É também um convite a sermos ou tornarmo-nos mais aplicados, disciplinados e rigorosos relativamente às nossas escolhas, de forma a sermos bem-sucedidos nesta demanda. O ideal é não perdermos de vista o aspecto prático do quotidiano, executando pequenas tarefas todos os dias, mas sempre sem perder de vista o objectivo principal.

 

É preciso, no entanto, cuidar dos excessos desta frequência, pois um dos grandes obstáculos presentes ao longo do ano relaciona-se com uma necessidade exagerada de se proteger dos outros, levando-nos a construir muros demasiado altos e demasiado espessos em nosso redor, o que impede, obviamente a aproximação e a inclusão dos outros na nossa vida.

 

O desafio que se apresenta este ano reside essencialmente na teimosia e na resistência, não só em nos abrirmos ao novo, mas também na capacidade de criarmos uma condição que nos permita ir esvaziando a mente de tudo o que achamos que já “sabemos”, abrindo espaço a que novas ideias e experiências possam chegar até nós.

 

Implica também uma enorme dificuldade em manter o foco em tudo o que é prioritário, em estabelecer limites, em saber dizer não, em ir criando regras mais ajustadas a nós, à medida que o processo de decantação e purificação da nossa alma vai progredindo, arrastando consigo as convicções, as crenças limitadoras, os bloqueios, e demais devaneios da nossa personalidade.

 

É preciso aprender ainda a combater a inércia, a preguiça e o comodismo, pois estes elementos estarão presentes ao longo de todo o ano e uma vez que ganhem espaço, tratarão de espalhar as suas raízes, contaminando o nosso fértil terreno, atirando-nos para o tédio, o aborrecimento, a indiferença…

 

Está ao nosso alcance, no entanto, um conjunto de factores que contêm uma fórmula específica e que de certa forma asseguram o sucesso dos nossos empreendimentos ao longo deste ano. Ela deve ser activada e praticada por cada um de nós, nos momentos que entendermos dela precisar.

 

Essa fórmula contém criatividade, alegria, bom humor, simplicidade, ambição saudável, silêncio, arte de pensar, meditação, serenidade, habilidade para articular várias áreas do conhecimento, capacidade de recomeçar do zero, cooperação, boa organização pessoal, disciplina, seriedade, objectivos claros, ousar sonhar e manter o contacto com a terra, com a realidade, para que o sonho não se torne demasiado irreal, idealista ou utópico e dessa forma não venha nunca a ser realizado ou materializado.

 

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Para saber mais acerca da Regência do seu Ano Pessoal agende a sua consulta  através dos contactos disponibilizados no Blog.

Mil Bênçãos no teu Caminho

Ano Pessoal 6 em 2019

Eva Veigas, 12.12.18

2019_6.jpg

Imagem: Artem Bali

2019

 

Ano Pessoal 6

 

Não te desvies dos obstáculos, não tentes fugir das dificuldades. Quando encontra um rochedo no seu caminho, o rio nunca volta para trás. Contorna-o deslizando, brinca com ele como o curandeiro que murmura e encanta a ferida, ou então salta no meio de um feixe de luz. Aprende a dançar com o obstáculo, se quiseres progredir.

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

Este Ano Pessoal* 6 pode ser resultado da redução dos Números 15 ou 24, conforme os casos.

 

Número 6 - Senhora das Águas, dos Mares e dos Oceanos. Nutridora da vida, cuidadora dos solos oceânicos, porto de abrigo de todos os animais marinhos. Relaciona-se com o amor que une os esposos e as famílias, cuidadora dos lares, tecedora de ninhos. Deusa da Beleza, da Música e das Artes, da Estética e da Harmonia no Lar.

 

Este é um ano completamente votado a ganhar consciência do significado real de amar. Amar implica cuidar, nutrir, proteger, abraçar, perdoar, respeitar, permanecer, deixar ir e aceitar o que vem.

 

Aplicar todos estes princípios na nossa vida, é o começo ou a continuação duma longa caminhada que tem como objectivo aprender a amar a nós mesmos. Á medida que progredimos gradualmente nesta via é desejável que pratiquemos e apliquemos estes princípios com os outros, alargando e espalhando este amor a mais e mais pessoas. 

 

Assim, este ano pessoal deverá ter como foco principal, aprender a cuidar de nós mesmos, dos outros, sobretudo daqueles que de alguma forma dependem de nós de forma permanente ou momentânea e ainda dos nossos espaços pessoais, como a casa onde habitamos, o escritório ou espaço onde trabalhamos, o carro que conduzimos, os lugares da natureza que visitamos, e assim por diante.

 

Estas forças geram movimentos ondulantes, onde as mudanças depressa se fazem sentir, pois vai ser necessário ajustar o modo de viver a novas experiências, novos desafios dentro deste tema tão vasto e tão complexo.

 

Tudo isto exigirá que cada um transforme a sua resistência à mudança em campos de versatilidade, plasticidade, ajustamento e adequação a cada nova situação. Muitas emoções irromperão sem qualquer controlo e nesse momento espera-se que cada um seja capaz de avaliar a sua própria condição e busque ajuda em si mesmo ou nos outros para se reequilibrar dentro desta dinâmica.

 

É importante manter um estado de espírito harmonioso e uma mente aberta. Ser criativo nos confrontos mais duros ou nas situações mais dolorosas, ajuda a ultrapassar muitos problemas e obstáculos, que se não forem imediatamente observados tenderão a escalar para níveis mais complicados dando origem a confusões e mal entendidos.

 

Um coração aberto, uma mente clara e uma atitude que demonstre uma real vontade de unir tudo e todos através do diálogo construtivo, onde todos saibam escutar, é a fórmula mais simples, mas talvez a mais eficaz para evitar conflitos desnecessários.

 

O maior obstáculo num ano 6 é quando as pessoas que vivem esta vibração se deixam enredar pelos ciúmes e por um sentimento de posse em relação aos outros, querendo controlar-lhes a vida, os passos, as decisões, etc. É tempo de nos libertarmos de tudo o que não nos deixa progredir. Aquilo que mais nos atrapalha e intimida é precisamente onde se encontra a solução, o remédio para o nosso medo, inquietação, dúvida ou hesitação.

 

Perante estes momentos desafiantes é bom olhar para dentro de nós mesmos, analisando a frio as situações (já que o 6 rapidamente se desequilibra emocionalmente, pelo seu excesso de sensibilidade, por se ofender e se magoar facilmente), antes de tomar qualquer decisão, da qual se possa vir a arrepender mais tarde.

 

Ao longo deste ano é fácil perder o foco, pois um dos grandes desafios deste período é precisamente a tendência para se dispersar com relativa facilidade, deixando escapar muitas oportunidades interessantes, tanto a nível pessoal como profissional.

Outro ponto extremamente desafiante consiste na dificuldade que estes nativos poderão sentir, na medida em que se não forem suficientemente dinâmicos e proactivos, irão sentir a sua vida bloqueada, estagnada, como se estivessem dentro de uma bolha, flutuando ao lado dos outros.

 

A sensação de quem está dentro da bolha é de impotência já que observará os outros a realizar e a obter aquilo a que se propõem, enquanto eles estão ali, parados, sem fazer nada, o que obviamente lhes devolverá um sentimento terrível de frustração, com a qual terão de lidar mais tarde ou mais cedo.

 

É obvio que quanto mais cedo o fizermos melhor, e ao fazê-lo deveremos levar em consideração que a solução está dentro de nós, a qual passa, em primeiro lugar, por agarrar as rédeas da nossa vida. Claro que termos de fazer um movimento simultâneo para largar a dor de não conseguirmos controlar nada, e depois decidir abdicar de controlar a nossa própria vida e o tipo e nível de experiências que temos para viver.

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Para saber mais acerca da Regência do seu Ano Pessoal agende a sua consulta  através dos contactos disponibilizados no Blog.

 

Mil Bênçãos no teu Caminho

Ano Pessoal 5 em 2019

Eva Veigas, 12.12.18

2019_5.jpg

Imagem: fotografierende

2019

 

Ano Pessoal 5

 

Se tiveres esperança de escapar ao turbilhão mortal dos dias, à ansiedade das coisas que nascem e morrem, absorve-te na contemplação da natureza. Observa o movimento do sol, a sucessão da noite e do dia, as neves de inverno e a doçura da primavera… As coisas retornam, de acordo com a antiga lei do círculo.

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

Este Ano Pessoal* 5 pode ser resultado da redução dos Números 14 ou 23, conforme os casos.

 

Número 5 – Deus do Fogo, do Raio e do Trovão, Senhor da Vida e da Purificação pelo Fogo. Ele é o Destruidor e o Demolidor de Mundos. É o Furacão que arrasta consigo tudo o que encontra pelo caminho, tudo o que não esteja a salvo. Nele não encontrarás abrigo, pois ele destapa e desnuda tudo o que estiver escondido. Enfrenta pois os demónios, as sombras e a noite, e o teu espirito sairá fortalecido da batalha, pronto para a grande reconstrução da Tua Obra.

 

Este ano pessoal 5 é um lugar pleno de oportunidades de crescimento, desenvolvimento e realização pessoal, profissional, espiritual. São muitos os caminhos possíveis, portanto convém ter os pés bem assentes na terra. É importante saber o que se quer alcançar ou, no mínimo, saber o que não se quer experimentar ou vivenciar. Resumindo, quando não sabemos que direcção tomar, é muito mais importante e útil saber o que não queremos.

 

Efectivamente, o grande desafio deste ano reside logo neste primeiro aspecto, pois quando se nos apresentam demasiadas possibilidades é muito fácil perdermo-nos no meio de tão vasto oceano de oportunidades. Por este motivo é de vital importância que tenhamos, pelo menos, o nosso guião interno bem presente, para que saibamos sempre retornar ao caminho principal caso percamos de vista o que pretendemos alcançar.

 

O 5 é um lugar onde moram todos os desejos, todos os prazeres carnais e mundanos, todos os excessos e todas as distorções. Mas é ao mesmo tempo o lugar onde obterás mais conhecimentos, fruto directo das tuas experiências, as quais pretendes conhecer, movido e impulsionado, muitas vezes, apenas, pela tua curiosidade. O 5, por si só não te devolverá sabedoria ou mestria, mas reconheçamos que sempre nos devolverá experiência e conhecimento, pois coloca-nos em contacto directo com cada vivência.

 

Por exemplo, quando somos pequenos e os nossos pais nos dizem para não tocar em algo que está quente e nós ignoramos a voz da sua experiência, o que acontece? Experimentamos uma queimadura, que pode ser muito ou pouco grave, mas, mais do que isso, aprendemos através dessa vivência na primeira pessoa, que colocar a mão num objecto quente, a escladar, etc. produz dor. E, com toda a certeza, no que depender de nós, não iremos repetir essa experiência nunca mais.

 

Guardamos esse facto na memória e acumulamos conhecimento, não exactamente sabedoria. Não obstante, múltiplas vivências de um determinado evento, podem devolver sabedoria mais à frente nas nossas vidas, decorrente da quantidade e qualidade de experiências que formos tendo.

 

O quinto ano do ciclo de nove anos é de extrema importância, talvez seja mesmo o ano mais importante de todos, uma vez que ele representa o fiel da balança, o número que se encontra no meio da série de números de um a nove.

 

Esta energia irá ajudar-nos a regressar ao nosso centro, para que nos seja possível reposicionar e a partir daí ganhar novas forças rumo a todas as mudanças e lições que precisamos para crescer e evoluir.

 

E porque é tão importante este eterno regresso ao centro? Porque o caminho do 5 é tumultuoso, agreste, inesperado e é muito difícil para a maioria de nós lidar com as circunstâncias que um ano desta natureza propõe.

Saber aceitar as mudanças repentinas, as reviravoltas e toda uma panóplia de alterações indesejadas na vida, é das mais duras e difíceis lições para os seres humanos. Mas é precisamente vivendo sob as frequências energéticas do 5 - o Número da Liberdade, por excelência -, que se começa a aprender a aceitar que a mudança faz parte desta Teia Sagrada que é a Vida. Aprendemos que nada permanece. Tudo é efémero. Tudo desaparece, embora se transforme em outra coisa.

 

O que nos custa tanto aceitar é a mudança de estado de uma coisa para outra. Por exemplo, para quem gosta muito de calor, custa muito aceitar que as estações mudam. Essas pessoas precisam de aprender a estar sob a chuva, o vento e o frio, pois esses elementos trazem mudanças e muitas lições para que aprendam outras coisas. Custa-nos aceitar a morte física de alguém, pois ela deixou de estar ali presente fisicamente, mas o seu estado é que mudou. Deixou apenas de ter uma roupagem física mas ela permanece viva no nosso coração. E poderia continuar com milhares de exemplos, uns mais difíceis que outros.

 

Mas, o que importa, é que contactemos com os ventos de mudança e comecemos desde já, a aprender a balançar-nos, como as árvores nos ensinam!

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Para saber mais acerca da Regência do seu Ano Pessoal agende a sua consulta  através dos contactos disponibilizados no Blog.

Mil Bênçãos no teu Caminho

Ano Pessoal 4 em 2019

Eva Veigas, 12.12.18

2019_4.jpg

Imagem: Ryan Everett

 

2019

 

Ano Pessoal 4

 

Quando escalas uma montanha, mantém-te harmoniosamente em consonância com o seu poder, com o seu espírito, e dá-lhe graças pela ajuda que ela te concede, pois o que te eleva ao cume é tanto a montanha como as pernas do teu corpo.

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

Este Ano Pessoal* 4 pode ser resultado da redução dos Números 13 ou 22, conforme os casos.

 

Número 4 – Senhora da Terra, das Montanhas, das Rochas e das Pedras, Deusa das Realizações, Protectora dos Sustentadores da Terra.

 

Este ano pessoal serve aqueles que trazem consigo o propósito de melhorar, requalificar, construir e/ou organizar as suas vidas, ou, simplesmente, serve aqueles que sabem usar sabiamente o lado prático da vida.

 

O 4 é uma base sólida onde nos podemos movimentar sabendo que tudo o que fizermos em nome da Vida e do Respeito por todos os seres vivos será sustentado de forma inequívoca.

 

Portanto este ano é sem dúvida o ano das grandes concretizações e realizações tanto pessoais como profissionais.

 

Partindo de uma estrutura sólida e organizada será possível chegar aos objectivos traçados, desde que se mantenham no horizonte dois aspectos essenciais: o primeiro é cuidar dos detalhes. Qualquer pormenor negligenciado pode ser o suficiente para fazer desmoronar toda a nossa construção. O segundo aspecto é manter a fasquia, no que toca às expectativas e às intenções que criamos, num nível baixo, pois quanto maia alta é a fasquia que colocamos, mais difícil se torna alcançar a meta.

 

Temos um ditado popular que traduz bem esta ideia: ‘Ir com muita sede ao pote’! Quando queremos demasiado uma coisa empenhamo-nos (vivemos e respiramos) nessa ideia e isso pode tornar-se demasiado doentio e exagerado, pois deixaremos de apreciar o processo, a viagem, e tudo o que ela nos proporciona. Deixamos de nos envolver com a nossa própria vida, com a família, com os amigos e tornamo-nos rígidos nos nossos comportamentos que se tornam estranhos, agressivos, frios, distantes.

 

Ficando ausentes de tudo o que nos rodeia e na ânsia de querer atingir resultados rápidos, iremos cometer pequenos (ou grandes erros), os quais, certamente não veremos ou não quereremos ver de imediato, pois o pensamento tende a ficar embutido. Portanto, no final, e ainda que consigamos atingir os nossos objectivos, quase sempre iremos sentir o gosto amargo do desapontamento ou da frustração.

 

É precisamente aqui que a maioria das nossas intenções, outrora tão claras e precisas, são abandonadas.

 

Frustrados com os resultados catastróficos obtidos, perdemos a força e deixamos de persistir naquilo que sabemos que seria o melhor para nós. Porém, como não somos capazes de lidar com esta situação acabaremos por transformar os erros (aquilo que seria uma grande lição cheia de aprendizagens), em zanga, raiva, revolta, ansiedade, tristeza, etc.

 

Adoptamos o eterno e velho papel de vítima das circunstâncias o qual nos leva sempre a uma estrada sem saída, obrigando-nos a regressar pelo mesmo caminho, vezes e vezes sem conta.

 

Se, por outro lado, soubermos aprender com os nossos erros, então este é o ano indicado para nos reposicionarmos, nos reorganizarmos, de forma a levar o nosso barco a bom porto.

 

O Número 4, como regente deste ano pessoal, diz-nos que se formos persistentes e capazes de amadurecer as nossas ideias antes de as tentarmos colocar em prática, isto é, se seguirmos o guião previamente escrito, e executarmos bem uma tarefa de cada vez, seremos certamente bem-sucedidos no nosso propósito. Ainda que os nossos objectivos possam demorar um pouco mais do que o inicialmente previsto poderemos sentir o gosto da vitória e ainda o faremos, celebrando, alegremente acompanhados por aqueles que nos seguiram, apoiaram e possivelmente nos ajudaram a atingir a meta.

 

Um ano pessoal com estas características permite-nos avaliar a nossa condição, encarando e aceitando os nossos limites de modo a compreender se são passíveis de ser transcendidos ou não, para que novas escolhas possam ser feitas, adequando o corpo e a mente ao longo do caminho.

 

Este ajustamento deve-se ir fazendo para que não sejamos apanhados de surpresa e caso aconteça algo repentino, possamos estar preparados para lidar com esse facto, ou, pelo menos, receptivos à mudança, pois as mudanças são inevitáveis.

 

Este ano é tão impactante e importante que pode ser considerado um dos mais desafiantes deste ciclo, pois é nele que seremos testados ao nível da persistência, determinação, força interior, vigor, flexibilidade, autodisciplina.

 

Aqui estará em causa a nossa capacidade (ou falta dela) de responder a todos as questões delicadas e complexas trazidas pelo 4 que nos incita a escalar a montanha. Ele coloca-nos num patamar a partir do qual podemos ver o caminho percorrido. Sabemos que ainda falta uma parte essencial para atingir o topo da nossa montanha, mas desconhecemos os perigos e as armadilhas do que falta percorrer para lá chegar. E quando chegarmos o que encontraremos? Será que vale a pena continuar? Estaremos suficientemente preparados para escalar esta parte da montanha? E se cairmos? E se escorregarmos? Seremos capazes de aceitar essa realidade incontornável? Seremos capazes de juntar todas as nossas forças e prepararmo-nos para recomeçar a escalada?

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Mil Bênçãos no teu Caminho

Ano Pessoal 3 em 2019

Eva Veigas, 12.12.18

2019_3.jpg

Imagem: Jaime Handley

2019

 

Ano Pessoal 3

 

Deus, através da Natureza, deixa-nos esta possibilidade infinita: somos livres de fazer as coisas com amor. Por outras palavras, tens de te arriscar para viver e para amar, tens de recuperar o sentimento de abandono da criança, a sua alegria simples, a sua grande confiança, sem nunca perder a lucidez do guerreiro.

 

Sabedoria Ameríndia

 

Este Ano Pessoal* 3 pode ser resultado da redução dos Números 12 ou 21, conforme os casos.

 

O Número 3 é o Filho, o fruto da união sagrada de 1 com 2 – os Princípios Universais Masculino e Feminino, respectivamente.

 

O 3 é o Sol. O Filho Solar. A criança. O triângulo sagrado, base de todas as figuras que formam os desenhos geométricos das diferentes estrelas que conhecemos. A mais simples – a de três pontas é a que configura a complexidade da Trindade Pai/Mãe/Filho. Existem depois muitas outras como sabemos, umas muito antigas que fazem parte da Tradição, outras mais recentes, mas todas elas consideradas tríades sagradas.

 

O Número 3 é um elemento de ligação, pois ele une o 1 e o 2 para sempre, sendo impossível desatar esta união, mas é também o elemento que necessita de revestimento, de forma (4), de espírito (5), de emoção (6), de matéria mental (7), de estrutura (para realizar) (8) e do material de que são feitos os sonhos (9).

 

É um dos Números mais mágicos que existem e não é de estranhar que o seja. O 3 transporta um estandarte peculiar e mais ninguém o pode substituir.

 

Este ano pessoal 3 é muito importante, dado que ele ressoa com o regente do ano 2019 que também é 3. Deste modo estes nativos estarão a receber esta energia em duplicado. Porém o facto de estar sob esta influência, não significa que este trânsito seja particularmente fácil. O que irá definir e caracterizar os trânsitos pessoais serão outros elementos presentes no mapa numerológico, como por exemplo o Ciclo em que nos encontramos.

 

No entanto, é de frisar que sempre que nos encontramos sob a influência da mesma linha de força (o mesmo número), num trânsito pessoal, isso deve ser levado em consideração e encarado com muita atenção. Apesar de tanto o Número Regente do Ano Universal como o do Ano Pessoal ser o mesmo (neste caso 3), o que teoricamente nos levará na mesma direção, ele pode desequilibrar-nos e arremessar-nos ao chão, pois toda a energia se concentra numa mesma frequência. De modo a promover o equilíbrio num trânsito como este, seria de alguma forma importante verificar se existe pelo menos mais um 3 como regente de outra posição chave no mapa.

 

Um ano pessoal 3 é um ano para evoluir, progredir, crescer, criar, expandir a consciência, levando-nos para outro nível de aprendizagem. É um retorno à nossa infância e um convite a fundirmo-nos com a criança espontânea, alegre e brincalhona, que se deslumbra com a Natureza, que se emociona ante o voo de uma borboleta ou o chilrear de um passarinho, que vibra com o nascer do sol e adormece no colo da Mãe Terra, quando o Sol se põe…

 

Voltar a Ser… voltar a sentir… voltar a vibrar, viver e brincar, voltar a rir, voltar a ser leve e a não levar a vida tão a sério! Voltar a respirar e a meditar. Voltar a sonhar. Voltar a construir histórias a partir dos sonhos. Regressar a casa, a nós, ao nosso lugar sagrado. Voltar a fazer tudo com uma consciência renovada. Voltar a Ser! Voltar a Ser mas sem perder a lucidez do guerreiro!

 

Os maiores desafios do ano são aqueles criados por nós mesmos. O nosso potencial para manifestar o que desejamos é mais forte do que poderemos supor, por isso é importante ter cautela relativamente ao que desejamos – ou seja, ter cuidado com aquilo que atraímos por conta do medo.

O medo no ser humano ainda domina e enquanto não for transmutado em vida e amor, irá desencadeando processos destrutivos e criando cenários de dificuldade e bloqueio.

 

Tudo o que podemos fazer é manter a atenção no nosso coração, mergulhando cada um dos nossos pensamentos em amor, alegria, bondade, generosidade e altruísmo. Enviar bons pensamentos e desejar o bem para nós mesmos e para os outros, altera drasticamente os cenários em que nos movemos, pois eleva a frequência em que vibramos, o que, como é óbvio irá atrair outro tipo de situações e experiências.

 

É tempo de expressar emoções e sentimentos com toda a confiança, mantendo um espírito leve e muita sensatez. É preciso trazer equilíbrio à espontaneidade e não confundir ser espontâneo e inocente, com tentar ser engraçadinho ou transformar-se nalgum bobo da corte.

 

Para aqueles cujo ano pessoal é 12:3 aconselho a leitura atenta do artigo acerca da Numerologia 2019 dado que esta será um excelente complemento ao que aqui foi dito.

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Para saber mais acerca da Regência do seu Ano Pessoal agende a sua consulta  através dos contactos disponibilizados no Blog.

Mil Bênçãos no teu Caminho

Ano Pessoal 2 em 2019

Eva Veigas, 12.12.18

2019_2.jpg

Imagem: Frankie K.

2019

 

Ano Pessoal 2

 

Nunca permaneças demasiado tempo dentro de ti mesmo. Tu precisas do outro para poderes afirmar a tua fé na vida, comunicar o amor, agir no mundo dos homens. Estais todos no mesmo caminho, à procura do mesmo sol. Reconhece no outro, seja ele quem for, um irmão de aventuras, perdido, e que procura a luz.

 

Sabedoria Ameríndia

 

Este Ano Pessoal* 2 pode ser resultado da redução dos Números 11 ou 20, conforme os casos.

 

O Número 2 corresponde o princípio universal feminino. É a representação do passivo ou polaridade negativa, que pelo movimento criado pelo 1, gerou o 3.

 

Trata-se de um elemento que transporta ou carrega a semente do 1. É o Útero da Mãe onde o Filho é gerado, nutrido e protegido até ao momento do seu nascimento. São as Águas Primevas ou Primordiais – a Água da Vida. Água que dá Vida. Água que vivifica, que nutre, que purifica, que rejuvenesce.

 

Água cósmica onde são geradas as vidas de todos os seres da criação.

 

Um ano pessoal 2 representa assim a viagem ao domínio das águas internas. É um tempo de reflexão e de espera, pois este período corresponde a uma fase de germinação, de gestação, onde, aparentemente, nada acontece, pois tudo se passa dentro de um círculo sagrado, de uma gruta (oculta para a maior parte dos seres que vão vagueando alheados da realidade) que se revela apenas para uns poucos espíritos mais ligados com a sua própria natureza e com a natureza que os envolve.

 

Na realidade, por trás desta espécie de acalmia, de preparação para algo completamente novo e surpreendente (a vida apanha-nos sempre de surpresa) está um complexo e intricado jogo de forças que em total e profunda sinergia actuam sobre aspectos pouco visíveis e pouco palpáveis da nossa existência.

 

Não deve ser desperdiçado um ano desta natureza. Tampouco é um ano para permanecermos de braços cruzados à espera que tudo nos caia do céu, sem que tenhamos de fazer nada.

É um tempo de germinação, por isso devemos aprender com ele a germinar, a cuidar do nosso interior com muita paciência e zelo, cuidar do nosso bebé, da nossa criança interior, que necessita de amor, da nossa presença, dos nossos conhecimentos, da nossa perspicácia, do nosso entendimento acerca das coisas mundanas, do nosso empenho, da nossa paciência, do nosso saber fazer, da nossa capacidade de escutar e observar a nós mesmos.

 

Este pode ser um ano muitíssimo produtivo e enriquecedor, mas não é um ano que convide a andar muito depressa. Também não é um momento de grande exposição. Há uma necessidade de maior recatamento, de permanecer um pouco mais resguardado do mundo, não como forma de fuga, mas como meio de nos aproximarmos mais de nós mesmos.

 

Durante este ano devemos prestar bastante atenção à forma como nos ligamos ou desligamos dos outros. Os relacionamentos e as relações são o foco de um ano pessoal 2.

 

Quem sou eu numa relação? O que representa o outro para mim? O que sinto? O que é o que o outro agita em mim? O que me faz sentir? O que me faz permanecer numa relação e o que me faz afastar dela? Quando olho para fora de mim, para o outro, o quê ou quem, vejo ou observo? Será que vejo mesmo? Será que escuto? Será que me permito entrar em contacto profundo e sério com aquele ser? Será que me permito conhecê-lo? Será que deixo que me conheçam? Será que me envolvo e entrego na relação?

 

Estas reflexões, através de uma observação minuciosa, devolvem um quadro que nos poderá ser de grande utilidade, pois nele anotaremos muitas informações preciosas para usar em muitas situações presentes e futuras.

 

Um ano pessoal 2 é uma oportunidade para trabalhar pares de opostos, trazendo-os para uma nova realidade, a partir da qual é possível efectuar certas mudanças em nós. Mudanças que reflictam uma nova consciência, um novo estado de ser, de sentir e de agir.

 

As maiores dificuldades deste ano assentam, por um lado, numa falta de motivação para agir, por conta da falta de confiança que temos em nós e na nossa capacidade de abrir o coração, pois temos sempre aquele medo residual de sofrer, de não nos adaptarmos, de ficarmos desapontados e desiludidos com os outros; e por outro, numa espécie de incapacidade de materializar o que nos propomos.

 

Recordemos então dois aspectos simples da existência:

 

O primeiro refere que a ausência de confiança em nós está relacionada com uma baixa autoestima e que por sua vez revela um nível de amor-próprio muito fraquinho. O segundo lembra-nos, que para fazer acontecer e materializar o que pensamos, é necessário que ajamos em concordância com o que sentimos e dizemos, isto é, não podemos querer colher aquilo que não plantámos. Também não podemos exigir bons frutos se ao longo do ano não cuidámos da árvore!

 

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Para saber mais acerca da Regência do seu Ano Pessoal agende a sua consulta  através dos contactos disponibilizados no Blog.

Mil Bênçãos no teu Caminho

Ano Pessoal 1 em 2019

Eva Veigas, 12.12.18

2019_1.jpg

Imagem: Tran Phu

2019

 

Ano Pessoal 1

 

A oração não chega para o guerreiro interior. Precisa de transformar as palavras em montanha, em lago, em rio ou em cavalos selvagens. Tal como ele, tens de aprender a criar a realidade a partir dos teus desejos. Só assim as palavras “felicidade”, “quietude”, “paz de espírito” se transformarão em paisagens da alma, e tu poderás habitar realmente um mundo novo.

 

Sabedoria Ameríndia

 

Este Ano Pessoal* 1 pode ser resultado da redução dos Números 19 ou 28, conforme os casos.

 

O Número 1 corresponde ao Uno, à Unidade, ao novo, ao único, à origem e ao original. Nele tudo se inicia e tudo termina, porquanto o 10 (1 + 0 = 1) é o número que representa o regresso à Unidade, ao Uno à Origem.

Encontra-se associado ao Fogo Cósmico e dele tudo deriva: o Uno é o criador que gerou o primeiro movimento, a díade, o 2.

 

Um ano pessoal 1 representa simbolicamente o início de um novo ciclo ou a oportunidade de recomeçar uma nova etapa ou fase da nossa vida. Esta fase, ou este ano pessoal, é gerador de movimento. Movimento puro, mas sem direcção aparente. Teremos de ser nós a apontar o norte, a dar uma indicação, uma direção a este movimento.

 

Para onde nos estamos a dirigir? Para onde queremos levar a nossa intenção? E com que intensidade?

Este é o ano ideal para manifestar as nossas intenções, transformando-as em algo palpável, porém, sem nenhuma direcção, sem nenhuma base ou estrutura, os nossos projectos estarão condenados ao fracasso ab initio.

 

É necessário que tenhamos já construído os alicerces, os fundamentos sobre os quais poderemos iniciar esta nova fase da vida, que pode estar relacionada com uma aprendizagem puramente material, uma descoberta no campo espiritual, uma nova forma de apreender o nosso campo emocional ou mental ou uma fusão de todas estas partes.

 

Por outro lado, é tempo de recolher as bênçãos (fruto de tudo o que conquistámos no passado, dos nossos esforços e dos nossos empreendimentos sérios, honestos e responsáveis). O sucesso e a abundância estão garantidos, para quem trabalhou afincadamente e não recuou ante desafio algum, por mais difícil que este se tivesse revelado. Convém no entanto manter um estado de serenidade interior, evitando todo o tipo de excessos no que toca a vaidade, orgulho ou ambição.

 

Um estado mental e emocional tranquilo permite que novas ideias e soluções continuem a aflorar ao nosso espírito. Em alguns casos essas ideias roçarão mesmo a genialidade, pois o processo criativo está em marcha, e só uma mente perturbada ou um coração fechado, poderão impedir que este fluxo nos invada.

 

Todo o empenho e trabalho árduo que dedicámos até aqui, a nível pessoal, a melhorar, a afinar e a aperfeiçoar a nossa vida, trará benefícios e transformações surpreendentes. Tudo o que nos eleva a nível pessoal tem uma contrapartida na nossa caminhada espiritual. Mas o pessoal e o espiritual são uma coisa só, pois na realidade não se pode separar aquilo que um dia foi unido e entrelaçado com um propósito cósmico.

 

É muito importante também, num ano com este simbolismo, manter o foco e a concentração, não só por conta do afluxo de novas ideias-semente ou soluções criativas, como mencionei acima, mas também para permitir que a confiança nas nossas capacidades, inteligência e sabedoria possam atingir camadas mais profundas, podendo dessa forma expandir-se e desenvolver-se em níveis cada vez mais elevados.

 

Fisicamente, sentir-nos-emos em boa forma, vibrando em alegria e boa disposição, pois o ano, ou melhor, o Número que rege o ano pessoal, puxará, do ponto de vista energético, por cada um de nós, havendo ainda lugar a uma excelente predisposição para sanar quaisquer emoções (a precisar de atenção) que possam emergir do mais fundo de nós mesmos.

 

Iremos precisar desta condição para progredir nesta frequência ao longo de todo o ano, pois seremos confrontados com escolhas arriscadas, que exigirão disponibilidade interna, firmeza, determinação, pragmatismo (é tempo de sair da ilusão e lidar com a realidade dura, nua e crua desta jornada), persistência, dinamismo e uma imensa força de vontade (lembremo-nos que querer é poder).

 

Seremos postos à prova no que diz respeito a todo o tipo de contratempos, atrasos, impedimentos, etc. e teremos que saber lidar com cada um desses momentos com serenidade, discernimento e sabedoria.

 

A nossa visão tornar-se-á mais clara, mais distinta, se optarmos por observar cada situação através de uma lente que amplie o nosso campo de visão e se soubermos percepcionar o mundo através de uma atitude mais altruísta e compassiva.

 

A nossa capacidade de nos tornarmos independentes será posta à prova a todos os níveis, não com o intuito de nos tornarmos inacessíveis e distantes do outro, mas para que se torne possível praticarmos a nossa autonomia enquanto indivíduos, sem estarmos sempre a necessitar de validação externa. O mundo não tem que nos aprovar ou desaprovar. Nós somos parte do mundo e temos uma palavra a dizer. Somos nós que aprovamos e desaprovamos a nós mesmos através dos nossos filtros tantas e tantas vezes desajustados.

 

Este é um ano mágico, um ano em que podemos e devemos usar a nossa magia interior de fazer acontecer. E só através do amor-próprio e da generosidade da nossa alma posta ao serviço do outro, poderemos activar a magia de fazer acontecer.

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

Para saber mais acerca da Regência do seu Ano Pessoal agende a sua consulta  através dos contactos disponibilizados no Blog.

Mil Bênçãos no teu Caminho

Análise Numerológica 2019 - Ano 3

Eva Veigas, 12.12.18

2019.jpg

Imagem: Andreas Wagner

 

Regente 12:3 – Em busca do Essencial

 

 

O Amor não tem passado nem futuro. Realiza-se no momento, com a sua beleza imediata, como a chama. É assim que reforça e santifica toda a Criação. Aprende a viver o momento, e assim o teu medo desaparecerá e o momento tornar-se-á eterno. Não há outra eternidade.

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

2019 é um ano universal regido pelo Número 12. Reduzindo este Número a um dígito obtemos o Número 3 que naturalmente corresponde ao terceiro ano do ciclo novenal que teve início em 2017 (ano1).

Assim, referir-me-ei a este ano, considerando a dinâmica 12:3.

 

Acerca do ano universal interessa lembrar que ele exerce a sua influência de modo geral, sobre aqueles que seguem o calendário oficial. Lembro que existem outros calendários e que nada é absoluto. Se considerássemos todas as variáveis na Numerologia, jamais conseguiríamos usar os seus princípios para ajudar e beneficiar os seres humanos, ou pelo menos aqueles que buscam nesta ferramenta mais uma fonte de inspiração e conhecimento.

 

Recordo ainda que são os anos pessoais (acerca dos quais falarei noutros artigos), aqueles que trazem a proposta pessoal e específica (conjugada com o ano universal), para cada um de nós, os quais deverão ser levados em consideração juntamente com outros elementos presentes no mapa numerológico.

 

Os primeiros dois dígitos do ano universal simbolizam a essência do século, que neste caso é representado pelo Número 2 (redução de 20), enquanto os últimos dois dígitos individualizam o ano dentro do século, representado pelo Número 1 (redução de 19).

 

Somando estes dois Números (2+1) obteremos o Número do Ano Universal que é, como já referi o Número 3.

 

No ano passado, e a propósito do ano 2018 (ano 2) escrevi: “Algo está para nascer… mas… o que será?”. Pois bem, o ano 3 representa esse mesmo nascimento: o fruto, o filho – algo nascerá em 2019 e é nesse nascimento que devemos depositar a nossa atenção. É desse filho que aprenderemos a cuidar. É esse filho que abraçaremos e protegeremos, que nutriremos e acarinharemos ao longo dos dias.

 

Um ano 3 é um ano de celebração. Celebração da vida, do amor e da alegria. É tempo de celebrar o nascimento do filho, quer se trate de uma criança ou de um projecto que se construiu e que agora dará frutos.

 

É evidente, que não iremos passar o ano todo em festa e a perder tempo com coisas sem importância. A proposta do ano, e essa sim, não é fácil para muitas pessoas, é que mantenhamos um espírito alegre, de boa disposição, de sorriso fácil (dentro e fora de nós), que nos concentremos permanentemente em criar soluções para resolver os diversos problemas ou desafios que nos irão sendo colocados, um após outro, ao longo de 2019.

 

Por outro lado, é também o ano mais indicado para iniciar projectos, caso eles tenham ficado na gaveta em anos anteriores, já que a possibilidade de eles se tornarem apelativos e apreciados pelos outros, nunca será tão forte como quando estão sob a influência do 3 que é um número que rege a criatividade, a expressão, as comunicações, as ligações, os transportes, as grandes viagens e as pequenas deslocações, o meio social e colectivo, os conhecimentos, as amizades.

 

É desta forma um bom momento para se colocar a primeira pedra no “edifício” que pretendemos construir, dar o primeiro passo em direcção à manifestação dos nossos desejos e dos nossos sonhos. Porém, é aqui mesmo que reside o maior desafio de 2019.

 

2019_a.jpg

Imagem: Megan Hodges

 

O Grande Desafio de 2019.

 

  

- Dificuldade em materializar as intenções

 

Este aspecto é uma consequência de outras dificuldades ou desafios sentidos por quase todos nós.

Em primeiro lugar (embora a ordem destes aspectos possa ser completamente aleatória), muitos de nós perderam a capacidade de sonhar. É o sonho que comanda a vida. Sonhamos o sonho; adormecemos e despertamos dentro da trama com que se tecem os sonhos. Mas os homens e as mulheres, esses guerreiros e guerreiras feridos, cujas asas se recolheram e cujo coração endureceu, esqueceram-se do seu poder de sonhar; deixaram de alimentar os seus sonhos e tornaram-se estéreis e vazios.

 

O desejo de controlar tudo, a ambição desmedida, o apego ao dinheiro, aos luxos e a todo o tipo de prazeres, tornou o Homem escravo de si mesmo. Os seres humanos são escravos, e escravizam, e conseguem fazer tudo isto ao mesmo tempo.

Quanto maior é o seu desejo e ambição mais distante o Homem fica do seu centro de poder, o único que é real - o Amor que o une ao Todo e o enlaça nesta Teia gigantesca que é a Vida presente em toda a Criação.

 

A incapacidade de sonhar a Vida, atira o Homem para uma espécie de realidade paralela, onde não há escapatória possível do sofrimento e é precisamente aqui que ele pode escolher alimentar outro sonho, mas não acredita. Já não acredita. Crê apenas no sonho da morte e da desolação. Crê que está já demasiado longe e aguarda a vinda de alguém que o salve de si mesmo - um Salvador, um D. Sebastião… quando na verdade, está nas suas mãos, no seu coração, escolher voltar a sonhar e criar mundos de Amor e Glória Suprema.

 

O Homem perdeu a confiança em si mesmo, já não tem respeito ou amor-próprio, por isso, limita-se a projectar nos outros a sua dor, a sua frustração, a sua impotência. Passa o tempo a julgar-se, qual juiz tirânico e ameaçador e por isso julga prontamente os da sua espécie, castigando-os onde mais lhe dói. Sim, porque é a ele que dói, só que não possui suficiente distanciamento para ver, compreender e aceitar, que é a ele que cabe parar com este sonho de morte.

 

A esta falta de confiança, junta-se, obviamente uma ausência total de auto estima. Uma incapacidade de cumprir com a própria palavra, cooperando consigo mesmo, pois de alguma forma, sempre falha, já que para ele tudo se baseia na lógica e na razão. Sentir deixou de ser importante. Sentir é para os fracos e para os vulneráveis. Sentir é coisa de criança mimada.

 

As palavras, os pensamentos, as intenções, os desejos os sentimentos… tudo isso se perde no meio da lógica, tudo se esvai, tudo se dissolve, pois facilmente o Homem se trai, se dispersa, saltitando de pensamento em pensamento, de capricho em capricho, não se conseguindo fixar em nada. É por esta razão que é difícil manifestar o que se quer, porque na verdade, talvez não se queira tanto assim.

 

Há que ir mais longe e mais fundo, em busca da criança ferida, abandonada, que do âmago do nosso ser nos pede atenção, e, não sabendo fazer de outra forma, a todo o momento nos faz tropeçar em nós mesmos, ainda que aos nossos olhos seja mais fácil atribuir aos outros culpa e responsabilidade pelo desamor em que nos encontramos.

 

Resgatar esta criança, este ser misericordioso e compassivo, capaz de perdoar e de aprender com a experiência e que é ao mesmo tempo tão espontâneo e alegre, tão lúcido e tão feliz, porque se alegra com tudo o que é manifestação da Vida em si e ao seu redor, que se deleita com a beleza e com a graça que o envolve, é uma tarefa que exige trabalho, constância e compromisso para com o próprio.

 

Que seja realizada em amor e por amor, em leveza e alegria, tão nobre tarefa, pois só de mãos dadas com a tua criança interior poderás rasgar o pano ressequido, velho e estragado que te separa de ti mesmo. Brinca, respira, salta, não leves nada para o lado pessoal, deixa as ofensas de lado, aprende a dominar os teus pensamentos e a concentrar a tua energia para manifestares a tua Obra – a Obra da Tua Vida – Tu Mesmo!

 

 

2019_b.jpg

Imagem: Dyaa Eldin

 

O ano começa e termina numa terça-feira, o dia dedicado a Marte. O primeiro dia do ano chega com uma vibração 5 (01/01/2019 = 1+1+2+1+9 = 14 = 5) que prenuncia a continuação das mudanças profundas ao nível estrutural e material. Este plano material abrange as movimentações naturais do planeta (caso dos sismos), as estruturas das instituições votadas ao fracasso (pois elas já não têm qualquer sustentação; é uma questão de tempo até colapsarem completamente), e as estruturas internas dos seres humanos (que vão ganhando consciência de si), também colapsarão, para sua própria evolução (também eles terão de passar pelo Guardião do Portal da Morte, para que o processo de purificação pelo Fogo - a verdadeira transmutação, dê lugar a uma nova estrutura, um novo paradigma de consciência, uma nova forma de ser.

 

Boa Jornada

 

Eva Veigas

Numeróloga Transpessoal

 

 

 

Mil Bênçãos no teu Caminho