Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eva Veigas

25/4/2018 = 22

25.04.18 | Eva Veigas

cravos.jpg

 

O Regente de hoje, Dia da Liberdade, é o Número Mestre 22, quando se comemoram exactamente 44 anos, outro Número Mestre.


Não há coincidências! 


O 22 é o Número que nos eleva e nos inspira a construir mundos novos, cujas estruturas assentam em padrões de elevada índole, de elevada nobreza e altruísmo. 


O 22 rege esta data concreta, este momento, um entre tantos e tantos, portanto o que tem de especial?
Provavelmente nada, a não ser a forma como o sentimos. 


Há 44 anos este dia constituiu um marco, uma viragem na nossa História - a História de Portugal - um País tão pequeno e com uma História tão grande e tão vasta (tantas vezes mal contada, é certo), mas plena de feitos e conquistas (nem todas belas e gloriosas como nos fizeram crer), mas onde um Povo mostrou tantas vezes a sua raça: o sangue, a carne, o espírito, a massa de que é feito.


Há 44 anos a numerologia deste dia, mostrava um padrão bem distinto do de hoje. O dia era regido pelo Número 5 e o caminho 13 que apontava morte e destruição, foi como que transformado em outra coisa. E ainda bem ou teríamos assistido a um 25 de Abril, que hoje talvez não gostássemos tanto de recordar.
A chave de resolução do conflito era um 9, que apontava claramente uma conclusão, o fim de um ciclo, de um tempo de medo e inquietação e foi isso que aconteceu.


Hoje, o dia é regido por 22, que pede que olhemos para dentro, para cada um de nós e nos questionemos acerca do que realmente queremos construir. Que País e que mundo queremos construir. Em que bases e princípios, valores humanos e morais, nos queremos estabelecer?


O caminho 19 aponta soluções criativas, originais, completamente novas, desde que não nos deixemos envaidecer e não nos afastemos do objectivo principal, do amor que une e que traz sempre soluções.


A chave de resolução dos conflitos é 12 que pede que abandonemos toda a resistência e nos entreguemos a criar e a manifestar amor por todos os meios que nos sejam possíveis.

 

44 anos é quase meio século e quase 50 anos é mais do que tempo suficiente para compreender com alguma distância o que pode e deve ser alterado em benefício de um Nobre Povo e de uma Nação Valente e Imortal.

 

Viva a Liberdade de Ser e de Criar em Amor!