Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eva Veigas

The Silent Path

No Trilho do Lobo... o início do caminho.

04.10.19 | Eva Veigas

Do some.jpg

No Trilho do Lobo, é a nova rubrica deste blog, que nos traz uma reflexão semanal, através das cartas do Tarot ou dos Oráculos.

 

Para dar início a esta nova etapa, escolhi o seguinte Oráculo: Magical Messages from the fairies - Oracle Cards da Doreen Virtue.

 

Talvez porque sinto uma imensa ligação com o povo das Fadas e talvez porque, secretamente, deseje que elas abençoem estas partilhas.

 

A carta, cujo título em inglês  é "Do Some Research" e que traduzindo significa "Faz alguma pesquisa", representa um conselho, um aviso, uma chamada de atenção, sobretudo para aqueles de nós que são demasiado ansiosos ou demasiado ambiciosos relativamente aos seus projectos ou empreendimentos.

 

Muitas vezes queremos tomar decisões ou colocar em prática ideias ou projectos sem ter uma visão definida do que se pretende, sem pesar os prós e os contras da situação e sem nos inteirarmos bem de tudo o que esse investimento pode implicar a vários níveis. 

 

Queremos queimar etapas, saltando do início da ideia, projecto, etc. para o fim, esquecendo-nos que as mais valiosas experiências se encontram precisamente nos pequenos passos que precisamos dar entre uma coisa e outra.

 

O Lobo e as Fadas, na sua imensa sabedoria aconselham-nos a ser prudentes, investigando com mais pormenor todos os aspectos desta situação. Convém estar devidamente informado, documentado, etc. antes de nos atirarmos de cabeça numa situação nova, relativamente à qual não temos nenhuma experiência ou conhecimento.

 

Se for preciso, devemos, por exemplo, preparar-nos fazendo uma pequena formação, um curso, ou praticando e treinando antes de nos expormos. Também devemos permitir ser guiados pela nossa própria intuição, ficando atentos aos sinais que o universo nos envia, por meio de outras pessoas, por exemplo.

 

Hoje em dia dispomos de muitos meios para nos informarmos bem acerca de praticamente qualquer assunto.

 

Se os sinais (subtis ou evidentes) nos mostrarem um outro caminho, uma necessidade de fazer ajustes ou alterações àquilo que inicialmente tínhamos planeado, não devemos temer fazer essa actualização, pois talvez seja exactamente isso que irá fazer a diferença na nossa decisão.

 

Portanto, pesquise, investigue, informe-se, reflicta, estruture e solidifique bem cada etapa, para que o seu empreendimento, qualquer que ele seja, se torne um sucesso e sirva bem a "matilha", quero dizer, a comunidade (risos).

 

Boa reflexão e até para a semana

Eva Veigas

 

Aos seguidores deste blog

03.10.19 | Eva Veigas

photo-1567303636518-a6f5794c2f29.jpg

Créditos de Imagem: Kiy Turk

 

 

Olá!

 

Há muito tempo que não vos dedico umas palavras e creio que este é o momento do o fazer.

 

Em primeiro lugar uma palavra de agradecimento por estarem há tanto tempo por aqui. Grata pela vossa paciência, por esperarem, por vezes algum tempo, pelas publicações que sei que tanto gostam e apreciam.

 

Em segundo lugar uma palavra de boas-vindas, pois estão sempre a chegar novos amigos por aqui. São muito bem-vindos e espero que possam usufruir daquilo que vou partilhando neste espaço.

 

Venho informar todos que haverá novas rubricas neste espaço. Uma delas terá início já hoje e tem por título "No Trilho do Lobo". Trata-se de um espaço reservado para a publicação de um tema semanal indicado por uma carta de Tarot ou de Oráculo. 

 

O Lobo sendo um animal guardião é considerado o Mestre ou o Professor. Ele é um desbravador de caminhos, o seu poder de orientação no coração da floresta permite-lhe encontrar sempre o caminho para casa e saber onde está a sua matilha. Ao contrário do que se pensa, o lobo não é solitário,  ele faz parte de uma comunidade, ainda que pequena na maior parte dos casos. Ele ensina-nos a arte de curar os nossos relacionamentos feridos e disfuncionais, sobretudo aquelas feridas que foram abertas na infância. (Farei uma publicação mais pormenorizada sobre este animal num outro momento). 

 

Por agora vamos seguir o Lobo através do trilho que ele percorre e esperar que os locais onde ele se detém, nos revelem conhecimentos, regras e ensinamentos preciosos para aumentar a nossa sabedoria interior.

 

O Lobo inicia hoje o seu percurso e há-de regressar ao local de partida, mais empoderado e mais conhecedor do mundo que o rodeia e do seu próprio mundo interior.

 

Não percam a publicação daqui a pouco neste blog que tanto acarinham.

 

Mais novidades em breve.

 

Um forte e fraterno abraço para todos

Eva Veigas

Outubro 2019 - Regente Numerológico 22:4

03.10.19 | Eva Veigas

dreamstime_s_36222151.jpg

 

Outubro 2019 - Regente Numerológico 22:4

Essência do Mês: 9

Ponto Forte: 13:4 //|||\\ Ponto Fraco: 5

 

Outubro de 2019 tem como regente o Número 22, um Número Dobrado que nos remete de imediato para as forças presentes no Número 2, seus atributos e qualidades, bem como, ainda que não imediatamente percetpível, para aquelas presentes no Número 4, por conta da redução teosófica do Número 22 (2+2=4).

 

O Número 2 está relacionado com a força Yin na Natureza e seus aspectos passivos, negativos e receptivos. “Chamo a atenção para a questão do termo “negativo” que neste contexto nada tem a ver com algo de mau, mas antes com o contraste com o positivo, como no caso dos iões com carga positiva e negativa, entre muitos outros exemplos que poderíamos dar.

 

O Número 2 fala-nos de sensibilidade e sabedoria, de paciência e de diplomacia, da capacidade de harmonizar forças contrárias e, em alguns casos até, de neutralizar os efeitos adversos de uma qualquer contenda. É da sua natureza acalmar, dialogar, serenar, compreender (ou pelo menos tentar) a visão, ideia ou opinião de cada um, para posteriormente ajudar a chegar à escolha de uma solução que sirva o bem comum.

 

Ora, no caso deste mês, observamos o Número 2 em duplicado, pelo que esses atributos ou qualidades estarão também elas, evidentemente, dobradas, intensificadas, ampliadas.

 

No caso do 4, que é o Número que condensa este 22, falamos de vibrações que sustentam as forças que promovem a ordem, a organização, a disciplina ou o pragmatismo.

 

Deste modo podemos falar de um momento (ou de um período que corresponde mais ou menos ao mês de Outubro), que desenha precisamente a conjuntura actual – a qual é mega desafiante, uma vez que o Número 22 se ocupa da criação, manutenção e finalização de superestruturas e empreendimentos de grande envergadura em qualquer área de vida, desde a pessoal à profissional, passando pela familiar ou outras.

 

Seja qual for o desafio que estejamos a passar, há-de ser complexo e desestruturante para a maioria de nós. Daí que as forças presentes ao longo do mês sejam necessariamente aquelas que nos poderão ajudar a atravessar momentos caóticos, criando a possibilidade de nos elevarmos acima dos próprios dramas pessoais. É importante enfatizar que por vezes o caos é apenas aparente ou fruto da nossa incapacidade de perceber a realidade além da ilusão dos sentidos.

 

Mas como poderemos elevar-nos acima do drama pessoal e do turbilhão de emoções que nos rodeiam e que vamos criando e alimentando dentro do nosso ser?

 

Criando novos alicerces, novas estruturas (na verdade o que está em causa é a manifestação de pseudo estruturas internas e complexas) ao nível do foro psíquico, intuitivo e mesmo físico, por conta da vibração 22 que trabalha especificamente com questões de fundo da nossa personalidade, com os problemas que estão na base das nossas incapacidades, dos nossos limites (sobretudo dos limites autoimpostos ou impostos por terceiros), com o nosso desenraizamento, com a nossa crença de estarmos sós diante das dificuldades e assim por diante.

 

Por outras palavras, esta vibração 22, permite o renascimento da nossa essência, desde que haja permissão e colaboração interna, para queimar o velho invólucro da personalidade, a velha e gasta manta da lógica, o puído e rasgado casaco da mente que vai costurando limites de todos os tipos, bem como todos os restantes andrajos que são apenas restos, ecos de uma crença ultrapassada, mas que não queremos largar, tal é a força do hábito a que nos agarrámos.

 

Estamos dependentes diz o 2, mas o que ele pede é colaboração e não dependência, pede empenho e firmeza e não vitimização, pede consciência e entrega ao projecto vida – o nosso próprio projecto, pede cooperação e não servilismo, pede que nos finquemos na nossa sabedoria interna e paremos de andar à mercê daquilo que os outros apregoam como a verdade. Porque Verdade há só uma e essa ainda está longe de ser compreendida por cada um de nós, dada a nossa condição humana.

 

É preciso paciência, e muita, portanto aproveitemos a boleia deste 2 dobrado, deste 22 que nos indica um caminho um pouco austero, um pouco rigoroso, para muitos, pois ele implica autodisciplina, método, organização pessoal, criação de horários e de limites saudáveis que não comprometam o nosso crescimento, mas que também não danifiquem as nossas relações interpessoais.

 

Equilíbrio diz o 2, lembrem-se do fiel da balança, aquele ponteirinho (no caso das antigas balanças) que revela o equilíbrio entre os dois pratos caso os pesos sejam iguais em ambos os lados. É preciso equilibrar todos os aspectos da nossa vida, para que ao caminhar pela vida, a nossa passada seja firme e não como a de um coxo, que precisa de se apoiar na sua bengala, caso contrário poderá cair.

 

A velha e gasta fórmula que usamos para viver (ou melhor, sobreviver) já não funciona, nem se coaduna, com a nova consciência que se agita desde o mais fundo de nós.

 

Podemos tentar ignorá-la, olhar para o lado, fingir que não sentimos esta nova sensação/abertura/luz/consciência a formar-se dentro do nosso coração, mas na realidade uma consciência que está despertando, que está questionando, que está olhando para dentro de si mesma, não pode deixar de olhar para fora com uma nova visão, mais ampla, mais abrangente.

 

Não será de estranhar ver tudo mais aumentado, pois recordo que as frequências do 2, neste caso, se encontram dobradas.

 

A única coisa que nos pode impedir de emergir desde os nossos próprios escombros é a preguiça (um atributo do Número 4, quando aqueles que são governados (a vida toda ou temporariamente) por esta potente frequência, se encontram sem norte e com a consequente falta de foco. Isso origina uma clara perda de rumo na vida, um abandono às circunstâncias, sendo essa uma bela desculpa para justificar a sua incapacidade, limitação ou mesmo falta de “sorte” na vida.

 

O Número 22 está presente para que todos aqueles que estejam prontos a abandonar a sua posição de vítimas, possam agora segurar firmemente o leme do seu barco, ajustar as velas e rumar em direcção ao Sol nascente, onde a luz da consciência os aguarda para os erguer acima da sua condição mesquinha, pequena e débil, assumindo de uma vez o seu lugar no mundo.

 

Um lugar que certamente será único, pois único é cada um de nós. Aqueles que se permitirem abrir ao novo, ao desconhecido, à mudança produzida por estes novos tempos, terão a possibilidade de crescer e de se transformar rapidamente, pois tudo está acelerado e vibrando numa cadência que se intensifica a cada momento. A própria quantidade de seres que vão despertando contribui para a intensificação acentuada dessa vibração.

 

As cordas que vibram dentro de nós ressoam por identificação com as cordas cósmicas que nos lembram aqui e ali quem somos, o que viemos aprender aqui, que contributo viemos dar a esta dimensão espácio-temporal, que esta experiencia é efémera, que o invólucro material é perecível, que nada começa e nada termina, que tudo se move e nada é para sempre.

 

O ponto mais elevado da vibração 22 deste mês é governado pelo Número 13, cuja redução teosófica é também um 4, pelo que tudo o que foi referido anteriormente, encontra aqui uma poderosa certeza de que este é um período em que podemos/devemos deitar mãos à obra, colocando as mãos na massa para ajudar a transformar/transmutar os velhos andrajos num manto dourado com manchas purpúreas, símbolo de sabedoria, nobreza e consciência profundamente elevada.

 

O Número 13 implica que saibamos usar a nossa mestria pessoal. Empenho e dedicação, compromisso e objectivos definidos, devem ser a base das nossas acções, pensamentos e modo de vida.  

 

Aqueles que não se encontram alinhados com estas forças, que lhes resistem ou tentam impor as suas visões catastróficos, tornando-se agentes intensificadores do medo e espalhando o terror à sua volta, estarão em sintonia com o ponto mais baixo ou denso da vibração deste mês que é o Número 5.

 

Neste caso concreto, e devido à posição que ocupa neste momento, no mapa numerológico, o 5 aparece aqui como representante do verdadeiro desequilíbrio das forças naturais, provocando desastres, caos, confusão, conflito, rupturas de ordem vária, acidentes, especulação, mentira, devassidão, etc.

 

Evidentemente, e mais uma vez reitero, a escolha é nossa a cada momento. A escolha deve ser feita de forma consciente, colocando todas as cartas em cima da mesa, analisando os prós e os contras de cada situação, bem como de todos os envolvidos.

 

No final só o bem maior, aquela que sirva o bem comum, deverá prevalecer e enquanto isso não se verificar, continuaremos a ver, a viver e a experienciar todo o tipo de histórias desagradáveis.

Na sua essência, este 22 transporta consigo as qualidades da mais elevada vibração numerológica – as do Número 9.

 

O 9 é o Número que sintetiza toda a série de Números anteriores a si, incluindo ele mesmo. É portanto um Número soberano, que representa o início do regresso à Fonte ou Origem de toda a Causa.

 

É o Número do Sonho, mas também é o da Manifestação. É o Número que representa o final de um ciclo, mas que transporta em si mesmo a semente do novo. É como se estivesse permanentemente prenhe de si mesmo. É a morte e a renovação. É o eterno ciclo de Nascimento, Vida, Morte, Desmaterialização, Regresso à Origem, Fecundação, Nascimento…

 

Assim é o Número que representa a essência perfumada deste 22 que promete desfazer para renascer… qual Fénix renascida das cinzas!

 

Mil Bênçãos te cubram

Eva Veigas