Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Numerologia: A Assinatura da Alma

by Eva Veigas

Numerologia: A Assinatura da Alma

by Eva Veigas

23/9/2018 Feliz Equinócio de Outono!

23.09.18 | Eva Veigas

A imagem pode conter: planta e ar livre

 

23/9/2018

Feliz Equinócio de Outono!

 



Esta semana numerológica que teve início ontem, dia 22 e terminará no próximo dia 30 é regida pelo Número 11 (redução de 29). 

Durante este curto período observamos vários eventos importantes:

- O período de 22 a 30/9 é influenciado pelo Número 11 (2); o mês de Setembro tem como regente o Número 20 (2); e este ano, como sabem, é regido pelo Número 11 (2), ou seja, estamos perante uma triangulação fortíssima do Elemento Água. 

- Celebramos, hoje, dia 23, o Equinócio de Outono.

- Lua Cheia (25/9).

Mas vamos por partes, para não nos perdermos uns dos outros!

O que é uma triangulação da Água? 
É quando temos três Números regidos pelo mesmo Elemento (neste caso, o Elemento Água) em posições ou casas importantes, alinhados de tal forma que o seu impacto no microcosmos é impossível de não ser notado.

Onde iremos sentir este impacto com mais intensidade? 

No plano emocional, sem dúvida, quer a nível individual, quer a nível colectivo, pois o que afecta um ser, afecta todos os outros. 

A nível individual seremos “obrigados” a mergulhar nas nossas próprias Águas e aprender que elas são sagradas. 

Aprender através das nossas emoções é uma das mais difíceis disciplinas que fazem parte do Programa desta Escola-Terra e enquanto não obtivermos nota máxima, não passaremos ao próximo nível.

A nível colectivo é-nos proposto que trabalhemos juntos em total colaboração e cooperação com o outro, que tomemos iniciativas, claro (não é para ficar à espera que os outros decidam por nós!), mas que no momento certo saibamos agir. 

Que sempre que estamos em interacção com o outro (ou outros) saibamos escutar realmente as suas ideias, as suas preocupações, os seus ideais, os seus anseios, os seus sonhos e que saibamos abster-nos de comentários irónicos, presunçosos ou de qualquer outro carácter, pois isso apenas faz de nós ignorantes. 

Somos nós que nessa atitude mostramos quão pequenos somos ao desdenhar do outro. Que sabemos nós do outro, se não nos propusermos a escutá-lo através da nossa alma e do nosso coração?

A nível planetário podem ocorrer movimentações de massas de água. (Não pretendo fazer aqui nenhuma espécie de futurologia, criar medo ou qualquer espécie de pânico. Apenas observo o movimento natural da energia e já observei isto em triangulações de Fogo e do Ar e houve lugar a incêndios graves, explosões, furacões, tufões, etc. É portanto, natural que suceda (como aliás sabemos que sucede tantas vezes) agora com a Água.).

Por trás desta triangulação do Número 2, encontramos os Números 11 e 20 em forma de capicua - 11:20:11.

Observando esta sequência surge imediatamente um pensamento que sugere Equilíbrio, e hoje é dia de Equinócio! 
11:20:11 – Surge como uma Balança com os seus dois Pratos, um de cada lado, com as respectivas peneiras do 11 e o seu Fiel que neste caso seria o 20!

É um tempo de purificação e de decantação da nossa alma, do nosso Espírito!

Mas este trabalho pede que nos abracemos como irmãos que somos. Que nos olhemos sem medo uns dos outros! “Ou nadamos juntos como irmãos ou nos afogamos separados como idiotas.” Martin Luther King.

Nunca uma citação se encaixou tão bem num dos meus textos como esta. Porque se trata de nos entre ajudarmos honrando esse compromisso. Trata-se de sermos justos connosco e com o próximo! Trata-se de parar de sermos “idiotas”, infantis e tontinhos e de assumirmos o controlo da única que coisa que aparentemente podemos controlar, que é esta nossa vontade enérgica de querer ser melhor (melhor do que fui ontem e não melhor do que o outro!). 

Tantas e tantas vezes me questionam acerca do 11 e do 11:11, quase sempre numa ânsia “semi-egóica”, misturada com a vaidade de “ser um 11”!

Pois meus caros irmãos e irmãs desta Escola-Vida! Experimentar a vida na Terra num Caminho 11, é o oposto de ser vaidoso ou de querer competir, ou de querer ser o maior entre os maiores. É exactamente o oposto disto. Ser 11, é ser pequeno e humilde e no entanto Servir com grande desprendimento, é sentar-se entre os “grandes” sem que isso lhe retire a confiança ou o abale interiormente.

Aprender esta lição 11 implica tomar decisões que muitas vezes não se querem tomar, implica crescer e amadurecer rapidamente, implica servir de estímulo e inspiração, implica morrer para o velho a cada momento, implica aprender a parar de controlar, implica seguir em frente, enfrentar o medo e não fugir dele, implica sair dos jogos emocionais, implica assumir a antiguidade da sua própria Alma!

Implica sacrificar o ego e sentar-se na "Escolinha" e aprender a ser mestre de si próprio, o mesmo é dizer, entre outras coisas, aprender a gerir as suas próprias emoções. Enquanto não praticar e souber aplicar estes ensinamentos não estará apto nem terá firmeza suficiente para lidar com a complexidade desta Vida. Não saberá quem é ou o que faz aqui. 

Aprender a lição 11, abre uma constelação gigantesca, constituída por três Números principais (e muitos mais secundários, não porque não sejam importantes, mas porque antes de seguirmos viagem através deles teremos de ser capazes de lidar com estes três primeiros).

São eles o 2, o 11 e o 20!

Também é importante salientar que estar num Caminho 11 não significa que já se aprendeu tudo sobre este Caminho, significa que se está nesse Caminho e que se está aprendendo! Cada Caminho tem milhares de” nuances”e aqueles que estão experimentando o 11 estão algures a viver uma dessas nuances, um desses fractais. 

Quando todos tiverem cumprido cada um desses fractais, e se agregarem no final das suas aprendizagens e trocarem e integrarem as suas experiências, então aí sim, todos seremos (também) 11! Até lá há que parar com as ilusões do "egozinho" pequenino que tem a mania que é grande e sabe tudo.

Estar num caminho 11 revela automaticamente que se está em simultâneo num caminho 2 e num caminho 20 e vice-versa! (Isto também é válido para quaisquer outros caminhos. Por exemplo, quem está no Caminho 1, está também no Caminho 10 e no Caminho 19).

Regressando ao momento presente, o que temos pela frente é um jogo de forças (11:20:11) que nos proporcionará diferentes oportunidades (ajustadas ao grau de consciência, sabedoria, amor, etc. de cada um, como é óbvio) para que compreendamos e saibamos que podemos restabelecer-nos depois de uma prolongada “doença” que tanto pode ser física como de outra esfera, como por exemplo a emocional (Água).

É claro que iremos precisar de toda a nossa serenidade, capacidade de aceitar o que não pode ser mudado, da nossa força, entendimento e discernimento para nos prepararmos para a transmutação dos medos e das dores do passado, e também da ajuda, da cooperação, do conhecimento e da sabedoria do outro. 

Temos que querer essa sanação! Todas as nossas células precisam de estar de acordo. Todas as nossas partes terão que aceitar regressar à vida presente, pois estiveram durante demasiado tempo adormecidas, e, este novo cenário pode parecer estranho, confuso ou amedrontador para elas. Daí a necessidade de permanecermos lúcidos e francamente dispostos a trilhar estes caminhos, por vezes, completamente novos e desconhecidos para nós! Para muitos será a primeira vez que o farão conscientemente!

O Número 20, recordo, representa a total rendição e aceitação de si, e dos outros. É o cair do muro. É onde deixa de haver diferenças, é onde deixamos de competir pelo primeiro lugar, é onde não importa em que lugar estamos, pois esse é o lugar que escolhemos representar! E se o escolhemos, porque queremos agora, a meio do jogo, mudar de lugar? Porque resistimos tanto em permanecer no mesmo lugar se nos comprometemos a cumprir-nos desde ali, daquele lugar que nos foi destinado? 

Se sairmos ele ficará exposto! Vazio! Quem cuidará desse lugar? Ninguém! O nosso lugar ficará à mercê da escuridão! E quando quisermos voltar vai ser muito mais difícil encontrá-lo, pois foi votado ao esquecimento por nós mesmos. E nós, onde permaneceremos entretanto? Perdidos de nós mesmos, creio eu!
Porque não responsabilizarmo-nos pelo nosso lugar? 

Já imaginaram se neste momento todas as pessoas em simultâneo, largassem o que estão o fazer e trocassem de lugar com outra pessoa? 

Imaginem o Comandante de um avião trocar de lugar com um passageiro que seria por exemplo um cozinheiro ou um médico ou exercesse qualquer outra profissão? 
A cada um o seu lugar pois todos temos um espaço num qualquer, mas especial e específico ramo desta Árvore Sagrada que é a Vida!

Hoje celebramos o Equinócio de Outono onde a Natureza é a principal visada, é a ela que agradecemos todas as colheitas. É a ela que consagramos a nossa vida, o nosso mel, o nosso pão e o nosso vinho.

Hoje festejamos juntos a Vida em todas as suas dimensões, pois o dia de hoje marca o início de uma nova Estação! Daqui a pouco chegará o frio e teremos que saber gerir os frutos do nosso trabalho. Escolheremos cuidadosamente as sementes que deitaremos de novo à terra mais adiante. Os frutos que recolhemos no Verão serão o alimento dos longos, frios e chuvosos meses de inverno.

Saibamos gerir dentro e fora, todos os nossos recursos e estaremos a contribuir para a nossa mestria pessoal e colectiva.
Aprendemos com os nossos pais, com os nossos antepassados e com os nossos ancestrais. Os nossos filhos e netos aprenderão de nós! Que contributo estamos dispostos a dar por eles. Que Planeta/Casa/Escola queremos deixar para aqueles que virão depois de nós?

Finalmente, a Lua Cheia irá presentear-nos com a sua luz, ainda que indirectamente iluminando a escuridão da noite, o mesmo é dizer que essa luz irá iluminar partes ocultas, que jazem no nosso subconsciente e que se preparam agora para vir à luz da consciência, a fim de serem sentidas, vistas e escutadas, para logo de seguida serem restauradas, regeneradas e direccionadas e possam juntar-se a nós nesta viagem da Alma.

Esta Lua viajará connosco e acompanhar-nos-á até ao final do mês e não, não é coincidência que tudo se alinhe e se sincronize desta forma tão perfeita!

Feliz Equinócio!

Photo by Viktor Mogilat

Numerologia: 20/9/2018

20.09.18 | Eva Veigas

green ocean waves during daytime

 

Photo by Paolo Nicolello

 

Essência do Dia ~ 20/9/2018 ~ Tom Magnético da Ordem Cósmica ~ 22:4

 

 

20 de Setembro de 2018 ou 2:9:2, produz uma onda gigante que agita as nossas águas mais profundas, aquelas que, não se encontrando estagnadas, se encontram a grande profundidade no nosso oceano interior de emoções. Esta onda anuncia que os nossos campos emocionais serão deslocados a grande velocidade provocando avultados rasgos nas nossas, aparentemente, tranquilas vidas.

 

Toda esta agitação serve um Propósito Maior o qual iremos aceitar, mas não sem antes o compreendermos, pois aceitar sem compreender e entender, pelos menos algumas partes das peças deste puzzle gigantesco, não nos fará qualquer sentido, tampouco nos ajudará a conhecer mais de nós mesmos ou a entender como vivemos a nossa dualidade.

 

Esta onda tem de ser entendida como uma necessidade, uma bênção, pois ela nos trará grandes oportunidades de crescimento e de aprendizagem, sobretudo acerca de como o que se passa dentro de nós (quer disso tenhamos maior ou menor consciência) afecta directamente o nosso comportamento, o nosso humor, as nossas atitudes em relação aos outros, as nossas decisões, as nossas acções e assim por diante.

 

A Ordem Cósmica reflecte-se na ordem humana, o grande no pequeno e vice-versa. É um momento impactante para nós, pois  ainda recentemente, vivemos vários meses numa espécie de adormecimento, de letargia profunda, onde nada parecia estar a suceder e de repente, recomeçámos a nossa escalada, como se tivéssemos sido tomados por um súbito estímulo que surgiu não sabemos bem de onde. Apenas sabemos que é preciso continuar, que é bom continuar, que é importante continuar esta caminhada.

 

Sentimo-nos um pouco como uma gigantesca onda do mar, que antes de se formar, recua para bem longe da costa e ganhando força e volume, sobe em direcção aos céus, ganha uma crista e avança em direcção a terra firme.

 

Assim estamos nós, na crista dessa onda, como uma vertigem, seremos atirados para terra, em direcção ao chão. Pode ser que nos estatelemos ao comprido ou que sejamos arremessados contra as rochas, porém nada há a temer, pois não é do nosso corpo físico que falo, mas, sobretudo do emocional.

 

Estamos sob a regência de um 9 e de um 11 durante todo este mês e hoje, mais do que em qualquer outro dia, esses números ganham força, tornam-se mais visíveis, poder-se-ia afirmar quase palpáveis.

 

Esta onda será filtrada através das peneiras de 9 e 11, portanto tudo o que não tiver sustentação, tudo o que for inútil, supérfluo, fingido, manipulado, falso… irá simplesmente ser destronado pelo movimento fortíssimo destas Águas Sagradas que há muito aguardam pela oportunidade de fazer o seu trabalho – o de nos devolver a verdade pura e cristalina, como pura e cristalina é esta Água Sagrada.

 

Porém, esta onda fará mais do que nos desarrumar por dentro. A sua velocidade e intensidade surge de tal forma que “estranhamente” nos dará tempo para nos reorganizarmos outra vez antes que este dia termine e dê lugar a outro.

 

Haverá lugar a silêncios profundos e algo pesados, para logo depois surgir uma extraordinária vontade de agir imediatamente após termos visto e observado onde se encontrava o nosso engano, a nossa ilusão, o nosso erro. Véus serão levantados e rasgados ao longo do dia, num movimento amplo e ordenado, não deixando margem para equívocos ou dúvidas da nossa parte.

 

Para quem estiver atento e apto a aprender, numa postura humilde e de grande abertura este dia será uma grande e única oportunidade a não ser desperdiçada.

 

Eva Veigas

Provérbio Árabe

18.09.18 | Eva Veigas
blue and brown concrete building
 
Photo by Fancycrave
 
 
Não digas tudo o que sabes
Não faças tudo o que podes
Não acredites em tudo o que ouves
Não gastes tudo o que tens
 
Porque
 
Quem diz tudo o que sabe
Quem faz tudo o que pode
Quem acredita em tudo o que ouve
Quem gasta tudo o que tem
 
Muitas vezes
 
Diz o que não convém
Faz o que não deve
Julga o que não vê
Gasta o que não pode.

Filosofando

18.09.18 | Eva Veigas

concrete statuette

 

Photo by Chris Ensey

 

Não se irrite, Sorria

Não critique, Auxilie

Não grite, Converse

Não acuse, Ampare

 

FILOSOFANDO

 

Provado está que a vida é curta e bela...

E que se morre um pouco em cada dia.

Não queira "sem querer" dar cabo dela,

Não se irrite - SORRIA!

 

Queira ser indulgente e confiante,

Seja a própria Justiça quem o guie.

E quando vir errar seu semelhante,

Não critique - AUXILIE!

 

Seja calmo, sereno, recto e bom!

Faça do Amor a base, o alicerce.

Tente da voz não alterar o tom:

Não grite - CONVERSE!

 

Ponha o "caso" em si sempre que possa.

Deixe falar quem fala...nem repare.

E ouvindo a consciência, amiga nossa:

Não acuse - AMPARE!

 

 

Desconheço o Autor

 

 

Numerologia: 18/9/2018

18.09.18 | Eva Veigas
 silhouette of man standing on hill during starry night
 
Photo by Joshua Earle
 
 
Essência do Dia ~ 18/9/2018 ~Tom Cósmico da Cooperação ~ 29:11:2
 
 

O Tom Cósmico da Cooperação liberta o poder encerrado em 18:9:18 ou 9:9:9. Na verdade, trata-se de um triplo 9 que contém em si mesmo mistérios prontos a serem descodificados, embora essa não seja, para muitos, uma tarefa fácil ou sequer passível de ser imediatamente desvendada.

 

 

A fim de usar o Poder da Cooperação connosco mesmos ou com os outros precisamos de nos abrir a todas as possibilidades e a todas as realidades. Um triplo 9 muda a realidade ou o cenário em que se vive, pois abre as portas do sonho, do imaginário e do real onde tudo se combina perfeitamente, já que um não se distingue do outro.

 

Somos livres de sonhar a nossa realidade, uma e outra vez, mas para isso precisamos de nos retirar um pouco do mundo, mesmo que por breves segundos, a princípio, e, depois, ir aumentando esses momentos com o intuito de adquirir prática.

 

Nesse espaço de silêncio e paz podemos ver e escutar outras realidades, podemos sonhar dentro do nosso sonho, recriando estruturas internas complexas, descongelando partes integrantes dessa nossa estrutura rígida que assenta em princípios e verdades obsoletas, que estagnaram no tempo e no espaço das nossas eternidades.

 

Retirarmo-nos do mundo não significa fugir das nossas responsabilidades, mas antes aprender a criar espaços seguros onde nos seja possível aprender (connosco e através dos outros) acerca das nossas capacidades e habilidades criativas e de como podemos contribuir para a criação do novo, de um novo modelo, de um novo mundo...

 

A fim de sermos bem-sucedidos em qualquer empreendimento na nossa vida, precisamos de saber ir largando o apego ao que vamos fazendo, conquistando, construindo ou destruindo.

 

Saber largar não significa desprezar, ignorar ou virar as costas, mas apenas validar o que se fez, com a consciência de que se fez o melhor dentro das nossas possibilidades. Se nos sentimos mal com a nossa consciência é porque de alguma forma sabemos que não demos o nosso melhor.

 

Porém, dado que o passado não pode ser alterado, porquanto ele invade a nossa memória a todo o momento, mais vale pacificarmo-nos com essa questão e seguir em frente, tentando resolver o que ainda for passível de ser resolvido, da melhor forma que pudermos e soubermos.

 

E se estivermos dispostos a resolver alguma coisa do passado que ficou por concluir, por dizer ou por fazer, é para resolver mesmo e não para colocar pensos rápidos nas feridas ensanguentadas ou nas fracturas expostas, porque isso, todos sabemos que não irá resultar.

 

Se é para resolver então acerquemo-nos de nós mesmos em silêncio e aceitação total por tudo o que somos e representamos na nossa própria vida.

Olhemos para a nossa profundidade mas não para ficarmos lá, agarrados aos dramas passados, mas antes para avançarmos na vida, usando o poder de construir, colaborando com o mundo, com os outros e connosco mesmos, disponibilizando o nosso conhecimento, colocando a nossa experiência em movimento, ao Serviço, numa entrega despojada da necessidade de sermos reconhecidos.

 

Estamos aqui para viver e para nos tornarmos humildes e pequenos entre os Homens e não o contrário!

 

Eva Veigas

Reflexão

18.09.18 | Eva Veigas

tree printed and multicolored closed doors

 

Photo by Luis Alfonso Orellana

 
 

«As grandes obras são sonhadas pelos génios, executadas pelos lutadores, disfrutadas pelos felizes e criticadas pelos inúteis crónicos.»

 

 Autor desconhecido

Calcular o Número do Ano Universal

05.09.18 | Eva Veigas

pasaarinhos.jpg

Créditos de imagem:  www.jkgaleriadearte.com.br

 

O cálculo do Ano Universal é muito simples. Basta somar todos os números que constituem o ano e depois reduzi-los a um Número entre 1 e 9.

Nos casos em que o resultado seja igual a 11, 22, 33 ou 44, poderemos também reduzir a um Número entre 1 e 9, mas a energia dominante é a do Número Mestre, embora, evidentemente, levemos em consideração a informação do Número Raiz correspondente, como é o caso deste ano 2018, ou como foi o caso de 2009.

 

 

Exemplos:

2018 = 2 + 0 + 1 + 8 = 11 = 1 + 1 = 2

2017 = 2 + 0 + 1 + 7 = 10 = 1 + 0 = 1 

2009 = 2 + 0 + 0 + 9 = 11 = 1 + 1 = 2

1995 = 1 + 9 + 9 + 5 = 24 = 2 + 4 = 6

1947 = 1 + 9 + 4 + 7 = 21 = 2 + 1 = 3

1831 = 1 + 8 + 3 + 1 = 13 = 1 + 3 = 4

Tarot - Setembro 2018

05.09.18 | Eva Veigas

9 ERMITÃO.jpgO Arcano Regente Natural ou Universal do mês de Setembro é o Eremita que corresponde à carta Número 9, pois este é, como sabemos o nono mês do ano.

 

Mas para além do Regente Universal, e para enriquecer ainda mais esta leitura, que por si só, já teria suficiente informação e detalhe, acrescentámos-lhe mais umas cartas.

 

O Eremita representa uma Porta que se encontra fechada mas que nos dá uma direcção ou indica um caminho que pode ser percorrido ou não.

 

A Rainha de Copas surge como uma força impulsionadora que tanto pode estimular-nos a abrir a Porta como a impedir-nos de o fazer.

 

A Rainha de Ouros é a chave que abre a Porta.

 

O 7 de Ouros representa as forças motrizes inconscientes que actuam sem que nós tenhamos consciência da sua existência, as quais nos poderão impedir de percorrer o caminho ou de sequer abrir a Porta.

 

O Ás de Paus revela o que está atrás da Porta.

 

A proposta deste mês é tornares-te, manteres-te ou continuares a ser autêntico e fiel a ti mesmo, não só quando estás sozinho, mas, e sobretudo quando interages com os outros.

 

Pode parecer-te que a proposta é estranha, mas a verdade é que muitos de nós ainda não somos mestres (de nós próprios, evidentemente) nesta matéria, já que em muitos casos, tendemos a ignorar o que sentimos, querendo agradar aos outros, ou, por outro lado, querendo contrariá-los.

 

Em ambos os casos trata-se de uma chamada de atenção para as nossas próprias limitações, carências e incapacidade de estabelecer barreiras saudáveis dentro dos nossos relacionamentos.

 

Assim, este mês dá-te a possibilidade de reflectires sobre este e outros aspectos, pois o que importa é que te ocupes com seriedade e honestidade acerca da tua própria pessoa e do mundo ou do que significam realmente os outros para ti, para que possas descortinar o que verdadeiramente queres fazer com a tua vida.

 

Que importância ou que peso têm afinal os outros na tua vida? E mesmo que sejas uma daquelas pessoas que afirma que não precisa de ninguém, que peso tem essa afirmação na tua vida?

 

Este é um mês de introspecção, portanto podes e deves voltar-te na tua direcção, num movimento de recolhimento, que nada tem que ver com isolares-te do mundo e dos outros.

 

Escolhe alguns momentos do dia para examinares a fundo qualquer questão que esteja a perturbar-te ou qualquer projecto que ande a bailar nos teus pensamentos, mas ao qual, ainda não deste a atenção necessária. Talvez este seja o momento para o fazeres.

 

Se se tratar de algo que esteja amadurecido e pronto para começar, vai em frente sem hesitações. Se, pelo contrário, a planta ainda está a crescer, então aceita e respeita os ciclos da natureza e aguarda que o fruto cresça e amadureça.

 

Colher o fruto verde não é boa ideia, pois decerto definhará e ainda que o possas comer, será amargo o seu sabor.

 

O Eremita é sinónimo de maturidade, de sabedoria, de integração da sombra com a personalidade, portanto avalia, por ora, o nível de consciência em que te encontras e se sentes que estás longe de chegar a um estado onde já não duvidas de ti, aceita e não te amargures.

 

Persevera! Continua!

 

Segue o teu caminho e admite que tens muito a aprender, tendo porém, a certeza de que um dia te sentirás apto, maduro e crescido para tomares as tuas próprias decisões com calma e sensatez.

 

Entretanto, a Rainha de Copas com a sua sensibilidade e dedicação, surge como uma musa para te inspirar. Ouve a sua voz! O mesmo é dizer, escuta a tua voz interior e aprende a confiar nela.

 

Mantém-te fiel aos teus sentimentos e traz para fora as tuas emoções, pois elas estão e são muito profundas. De tal modo o são, que por vezes tens dificuldade em te expressar, em te fazer ouvir, em comunicares com verdade e harmonia aquilo que sentes. Com algumas pessoas podes não precisar de palavras, pois elas podem entender-te através da simples linguagem da alma, mas com a maioria irás precisar de aprender a expressar-te e a comunicar na linguagem dos homens.

 

Uma outra dificuldade apresentada por esta carta surge aqui como uma chamada de atenção: cuidado para não deixares que os teus humores estejam no comando da tua vida. O humor, como sabes, tem altos e baixos, não te deixes dominar por ele. Sai da dinâmica vítima/carrasco. Puxa essa energia para fora, para que a possas ver.

 

Vê através dos olhos do sábio Eremita e entenderás o que quero dizer.

 

Se permaneceres preso ao ego, à mesquinhez e à pequenez dos teus dias, não vai ser possível abrires a Porta, atrás da qual se oculta o teu verdadeiro Caminho!

 

A Rainha de Ouros é a chave que abre essa Porta. Ela representa a Mãe-Terra, a abundância, a fertilidade, a vitalidade, a força instintiva, a segurança, a ligação com a terra, com o mundo material (não confundir com materialismo ou com ambição desmedida)!

 

O que é importante é que assumas as tuas responsabilidades, que verifiques o que é deveras importante para ti. Que questiones se és um bom administrador da tua própria vida, do teu corpo, das tuas emoções, do teu tempo e dos teus bens materiais.

 

Analisa os teus projectos, verificando e seleccionando quais são viáveis e exequíveis. Depois concentra-te e dedica-te a essa (s) tarefa (s) com paciência, determinação e persistência.

 

No fundo a mensagem é simples: se tem conteúdo e vale a pena o esforço e a entrega, vai em frente. Se te esforças só para acumular riquezas ou se te matas a trabalhar sem uma intenção mais abrangente, mais séria, mais empenhada, num compromisso sério com a tua alma, estás sujeito ao fracasso, ao sofrimento, à ruína e a tudo o que vem nesse pacote, que é sempre pesado e difícil de gerir.

 

E eis que surge o 7 de Ouros a confirmar isto mesmo. Se de momento não tens perspectiva, se não tens ideias ou projectos maduros, reconhece essa realidade e afasta-te. Não forces o teu caminho ou poderás incorrer num gigantesco fracasso e os resultados podem ser desastrosos.

 

E voltamos ao Eremita, que pede calma e serenidade e que com a sua sabedoria te irá ajudar a esperar pelo momento certo ou adequado para ti. Não te obrigues a fazer aquilo que ainda não estás preparado para fazer, só porque vês outros a conquistar aquilo que tu também achas que querias para ti.

 

Aprende a aceitar que estás onde tens de estar. Aproveita para aprender as tuas lições e deixa de te comparar com os outros.

 

O teu caminho é sagrado, como são todos. Não há motivo para comparações. Isto não é uma corrida contra o tempo. Não estamos a correr uns contra os outros. Não estamos sequer numa corrida.

 

Estamos caminhando num trilho, honrando cada passo num caminho, que é só nosso.

 

Cada caminho é único, belo, original. E os caminhos quando vistos numa perspectiva abrangente formam um lindo entrançado de cores que mais se parece com uma tapeçaria colorida e dinâmica, onde cada um contribui com a sua parte.

 

É a nossa perspectiva que é curta, pequena e limitada. Mas se fores capaz de mudar essa perspectiva, se puderes escalar a tua própria montanha verás como tudo se distancia da forma como encaras a tua realidade. Essa realidade é mesmo só tua! E está certa para ti.

 

Mas se puderes elevar-te um pouco acima de ti mesmo, verás outras realidades, e aí já não poderás negar o que vês e o que sentes, e saberás que não estás sozinho neste mundo, nesta dimensão ou em lugar algum deste universo infinito.

 

E assim nos encaminhamos para o que está oculto atrás da Porta, caso te permitas colocar a chave na fechadura e rodar a maçaneta.

 

É o Ás de Paus que te revela o caminho – um Caminho de renovação, um recomeço repleto de esperança, pleno de potencial (todo o potencial que está contido em todo naipe de Fogo, em cada um dos 10 arcanos menores do naipe de Paus).

 

É um caminho de determinação onde a força de vontade é o impulso, a chama viva do Fogo dos Deuses que faz vibrar cada uma das tuas células, cada batida do teu coração, cada inspiração.

 

É o Fogo dos Deuses que te impregna de luz, de consciência viva e luminosa, de sabedoria activa e de amor por cada forma de vida na Terra ou em qualquer outro lugar.

 

Não adies mais o teu Projecto-Vida – o projecto da tua própria vida -. Não adies mais o que habilmente foi desenhado para ti. Não importa o que fazes na vida, não importa que estatuto tens ou que lugar ocupas na sociedade, o que importa é o Que És!

 

Que essência rara e perfumada carregas em ti e com que brilho nos olhos iluminas o mundo e os outros?

 

Porque com o mesmo brilho serás iluminado e com a mesma essência serás perfumado.

 

Eva Veigas
Cascais, 5 de Setembro de 2018

Poderosa Numerologia

04.09.18 | Eva Veigas

6.jpg

 

A Numerologia permite levantar o véu da ilusão, afastando as pesadas cortinas que nos impedem de ver a realidade sem distorção.

 

O véu da ilusão que impede o Ser de sentir o verdadeiro e imenso potencial que possui dentro de si - um potencial de amor que parou de ressoar dentro de nós no momento em que escolhemos o caminho do medo.

 

Em nome da minha Hierarquia Espiritual

Bênçãos e Paz

Eva