Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Numerologia Arcana

por Eva Veigas

Numerologia Arcana

por Eva Veigas

Qui | 29.01.15

Presença na "Grande Tarde" - SIC, 30/01/2015

Eva Veigas

Minhas queridas essências de todas as cores e de todas as frequências de luz e amor

A todos os que assistem a programas da tv, aos que só assistem de vez em quando e aos que não assistem de todo

Amanhã vou estar no programa da SIC - Grande Tarde a falar um bocadinho sobre Numerologia, estão todos convidados a participar

 
 
Beijinhos e abraços
 
Eva
Dom | 25.01.15

25/01/2015 - 16:7

Eva Veigas

Data 25/01/2015

uni.jpg

 

Como usar as frequências do dia de hoje?

Hoje temos, como aliás se tem vindo a verificar ao longo de todo o mês de Janeiro, a mesma energia repetida ao longo da data, e, no seu resultado, depois de reduzido a um dígito.

 

Dia 25 = 2 + 5 = 7

25/01/2015 = 2 + 5 + 1 + 2 + 1 + 5 =16

16 = 1 + 6 = 7

E o 7 enquanto redução propriamente dita.

 

Como podemos olhar para isto, o que nos pede este dia?

O que nos pedem estes números?

O 7 é o número daqueles que aprenderam a usar a mente com sabedoria, sensatez e amor.

O conhecimento traz-nos riqueza de saberes, a organização mental ajuda-nos a arrumar os pensamentos, que por sua vez nos permitem formular conclusões, através das quais faremos as sínteses necessárias para avançarmos para novos níveis de entendimento.

Um novo nível de entendimento torna-nos cientes de quem somos e do que podemos fazer de acordo com a nossa verdadeira essência - e é tanto o que podemos fazer.

Na verdade, aquilo que mais nos atrapalha, se não a única coisa, são os medos, e são muitos os medos que todos temos.

O medo é esse obstáculo que nos impede de nos realizarmos e crescermos como seres humanos e espirituais que somos.

Mas o medo não é real, exceptuando os dois medos básicos transversais aos humanos e aos animais (até provas em contrário) que é o medo de cair e o medo do barulho. Mas esses dois medos fazem parte do nosso instinto de sobrevivência e são naturais.

Todos os outros medos são construções mentais.

É disso que este dia fala, por detrás de todos estes 7.

Resgatemos os medos infundados que ainda habitam o nosso ser naquela parte da mente que fala baixinho, mas que repete todo o dia, qual disco riscado, a mesma mensagem desoladora, de como somos incompetentes nesta ou naquela área, de como nunca seremos ninguém, de como falhamos constantemente aqui e ali, de como estamos aquém dos nossos sonhos e ideais, de como nunca seremos capazes de atingir um sucesso, porque isso é para pessoas especiais e assim por diante.

Então, hoje teremos que ser muito confiantes e ir buscar a nossa caixa de ferramentas e começar a indagar-nos sobre quando foi a primeira vez que ouvimos alguém dizer-nos que nós nunca conseguiremos, ou que não merecemos, ou que não somos suficientes inteligentes, bonitos, eficazes, assertivos , etc..

Mas também pode ser que nunca ninguém nos tenha dito nada disso e que pura e simplesmente tenhamos sido nós a acreditar nessa história como justificação de não querermos dar o passo que nos libertaria da nossa zona de conforto. Desse modo criámos todo o tipo de barreiras que impedem os outros de ver quem realmente somos, que somos realmente preguiçosos, inconstantes, incoerentes, arrogantes, prepotentes, etc..

Seja de que maneira for, hoje é um dia que nos permite sarar todas essas feridas da alma (aliás todo o mês de Janeiro nos pede que arrumemos bem a nossa casa e que não tenhamos medo de abrir as gavetas, para onde atirámos toda a espécie de situações não resolvidas e, que entretanto, por falta de as encararmos, se foram para ali amontoando, ganharam bolor, pó e teias de aranha), pois este é o momento de limpar amorosa e carinhosamente todo esse lixo e de parar de imputar culpas a nós ou aos outros, ao estado do país, ao clima, ao mundo em que vivemos, ou até ao efeito da Lua ou do Sol.

Paremos de uma vez por todas de alinhar nesse joguinho traiçoeiro que nos leva repetidamente a cometer os mesmos erros.

Usemos sabiamente a nossa Mente Divina, aquela parte de nós que sabe que tudo isso são desculpas esfarrapadas e enfrentemos os medos, com a confiança e o empenho de quem sabe que é urgente mudar este estado de espírito em relação a nós mesmos.

É um tempo de transmutação profunda, de olhar para dentro, mas não de estagnação. É olhar, sentir e agir!

 

Caminhos maravilhosos estes que nos levam à libertação.

 

Eva Vilela Veigas

Ter | 20.01.15

20/01/2015 - 11:2

Eva Veigas

Frequência 11/2

Data 20/01/2015

 

248897-bigthumbnail.jpg

 

Hoje é o terceiro dia do ano regido pela poderosa energia do número mestre 11.

O potencial que dorme serenamente aninhado neste número é tão imenso que poderíamos escrever livros inteiros acerca dele.

Quando este potencial desperta assemelha-se ao momento em que acordamos todas as manhãs. Há um momento em que nos sentimos meio adormecidos e meio acordados. Sentimo-nos um pouco presos às últimas mensagens ou imagens registadas no sonho que tivemos e já começamos a vislumbrar o cenário do mundo que nos rodeia deste lado do véu, a que chamamos realidade. Nesse exato momento, encontramo-nos perante uma escolha (na maior parte dos casos, inconsciente, pois estamos quase sempre em piloto automático em relação às nossas capacidades, pensamentos e sentires): ou nos entregamos de volta ao mundo dos sonhos ou nos levantamos para encarar mais um dia pleno de possibilidades e potencial.

 

 

Assim é este 11. Uma vez que esta energia desperte em nós, temos a possibilidade de a ignorar (embora ela envie sinais a cada momento) ou podemos pura e simplesmente permitir que ela se desenrole, se desenvolva e tome conta do nosso ser inteiro.

O 11 é revelado internamente, através da nossa ligação à Mente Superior. Não é possível aceder às informações, na forma de frequências, sem estarmos despertos e em pleno contacto com o nosso Eu Superior.

O 11 é um canal maravilhoso, mas como tudo, tem que ser compreendido (não do ponto de vista racional) mas sim ao nível da alma. Sempre que se duvida da sua existência, as forças motrizes do 11 como que estagnam na nossa vida e nós deixamos de ver além das aparências, a intuição parece cessar e a ilusão apodera-se de nós, aterrorizando-nos com os seus habituais fantasmas: medo de falhar, culpa, vergonha, resistência à mudança e assim por diante.

 

 

Hoje é o momento adequado para nos permitirmos contactar essa energia adormecida dentro de nós e começar a enfrentar as nossas crenças relativamente ao julgamento (20 – dia 20) que fazemos e temos em relação a tudo, a todos e sobretudo a nós.

O juiz interno está presente hoje, não para nos sentenciar enviando-nos, como outrora, para a fogueira ou para o cadafalso, está presente apenas para que o enfrentemos e o coloquemos no seu devido lugar.

O juiz interno foi importante, ele teve um papel a cumprir e cumpriu-o na perfeição, devolvendo-nos a cada momento a consciência de quem somos. Agora estamos livres, mas essa liberdade, não pode ser interpretada como muitas pessoas o fazem, achando que ser livre é poder fazer tudo o que lhes apetece. Ser livre implica ser responsável. Quanto mais liberdade maior responsabilidade. Somos livres para podermos ser responsáveis pelas nossas escolhas, pelos nossos pensamentos, pelos nossos atos.

 

1551214-bigthumbnail.jpg

 

O dia 20 ou melhor o número 20, espelha na sombra todas as questões que resultam do nosso questionamento interno (o que na verdade é importante, pois denota maturidade, responsabilidade e inteligência emocional e espiritual) porém, para os mais distraídos espelhará novamente o juiz interno, ativando a velha ilusão de que estamos separados da Fonte, do Deus Pai / Mãe Criador de Tudo o Que É. Dessa dinâmica resulta o sentimento de desmerecimento do Ser Humano, enfatizado ao longo de séculos pelas diversas religiões que criaram os dogmas e as regras rígidas ante as quais sucumbimos.

 

 

As questões do passado que nos poderão surgir hoje com maior evidência serão aquelas relacionadas com as seguintes frequências:

 

 

Frequência 1 – Dificuldade em seguir a vontade do nosso coração, pois distorcemos a energia do 1, usando-a para escravizarmos os outros, subjugando-os e manipulando-os a nosso bel-prazer. Naturalmente, hoje em dia, sentiremos por diversas vezes, as consequências dessa escolha, sentindo-nos muitas vezes escravos ante esta ou aquela situação na nossa vida.

Há que transmutar essa dor, sabendo que o castigo não existe. O que existe é apenas o reajuste karmico de tudo o que fizemos no passado, de acordo com a nossa consciência do momento.

 

 

Frequência 5 – Resistência à mudança e fugas para a frente. É-nos difícil abandonar velhos hábitos, pois isso requer coragem para sair da zona de conforto, que como sempre afirmo, se torna cada vez mais desconfortável. Os sinais de mudança interna estão a ser enviados a cada momento, cabe a nós olhar para eles ou mais uma vez ignorá-los – o nosso livre-arbítrio está mais ativo do que nunca.

Ilude-se quem continua a insistir mudar os outros. A mudança começa em cada um de nós.

 

 

Frequência 6 – Dificuldade em permanecer e sentir cada momento. Dificuldade em perdoar. Demasiado exigentes, duros e cruéis connosco. Resultado desta dinâmica: Somos cruéis com os outros.

Está na hora de encarar sem filtros a nossa essência. Hora de parar os julgamentos e de continuar a alimentar as máscaras: Eu sou muito bonzinho / boazinha. Estou sempre a ajudar os outros mas quando eu preciso não está lá ninguém. Eu só gosto de dar, não gosto / preciso de receber e assim por diante.

Claro está que tudo isto, enquanto não for trabalhado a partir de dentro gerará raiva, frustração, cobrança, medo de não ser aceite, etc.

 

 

Frequência 7 – Falta de fé e confiança em si mesmo. Falta de profundidade. Indisponibilidade para se conhecer a si próprio. É mais fácil criticar e imputar a responsabilidade de tudo o que nos acontece de “mal” aos outros.

Falta de enraizamento, indisponibilidade para meditar, para ficar no escuro, no silêncio. Incapacidade de criar o vazio dentro de nós, mais uma vez a crença obsoleta de que o vazio é mau.

 

fairybless.jpg

 

 

Finalmente o número karmico do dia que é 19, mostra a necessidade imperiosa de dominar o ego manipulador, a criança birrenta que teima em não crescer e está sempre dependente de tudo e de todos, mas que não assume que precisa dos outros para crescer, por isso é intolerante, prepotente e agressiva.

Está na hora de trazer essa criança para a luz e mostrar-lhe que não há nada de mal em crescer e que não há nada de mal em pedir ajuda para aprender a caminhar pelas próprias pernas.

Desta maneira o dia de hoje permite através da frequência 2 (redução tanto de 11 como de 20) colocar na balança da Justiça, tudo o que foi e tudo o que é. Só no ponto em que o fiel da balança ficar perfeitamente equilibrado, nos será revelado interna e externamente o caminho que devemos seguir.

O dia requer equilíbrio entre as forças que geram as polaridades opostas e complementares. Será necessário estar criativo, alegre, sorrindo para nós próprios, congratulando-nos a cada momento por tanto trabalho feito.

A nossa alma quer evoluir e incita-nos a ser persistentes, corajosos e disponíveis para continuar a nossa jornada em direção à Luz, de onde todos saímos um dia e onde todos regressaremos.

Hoje é um dia para começar e terminar e não deixar nada pendente.

O que hoje for decidido, executado e concluído em consciência não cessará de dar frutos por toda a nossa eternidade.

 

Um abraço interdimensional

Eva Vilela

Qui | 15.01.15

Activar a cura emocional

Eva Veigas

 

essential-oils-2738555_640.jpg

 

Feridas emocionais abertas e deixadas por tratar produzem dores excruciantes na alma que carregamos pela vida fora. Para tentar aliviar o peso dessa dor, certificamo-nos de procurar todo o tipo de bálsamos que possam camuflar a ferida.


Primeiro fingimos que não está lá e tentamos ignorá-la. Também podemos tentar tapá-la, escondendo-nos sob várias capas: indiferença, frieza, agressividade, crueldade, vitimização, e todo o tipo de resistências que possamos imaginar.
Vamos test...ando cada uma destas capas, e os anos vão passando.


A ferida vai alastrando, vai-se tornando mais profunda e dilacerante, mas nós não podemos ceder perante tamanha dor que nos corrói a alma. Não, isso não!
O que é que os outros pensariam? Não, isso não!


Temos de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para manter as aparências, para não sermos julgados pelos outros. É que o mundo lá fora é tão ameaçador...


Mas há um momento... há sempre um momento em que tudo se conjuga e compreendemos que "o que é demais é erro"! E nesse preciso momento, temos que tomar uma decisão que ainda nos vai doer mais porque esse decisão implica destapar a ferida, olhar para ela, tocar-lhe, porque é preciso limpá-la e aplicar-lhe um verdadeiro bálsamo que realmente a cicatrize.


Uns pingos de verdadeiro e autêntico amor por nós, podem ser o suficiente para curar algo tão dorido.
Esse momento é único e indescritível, pois cada um a seu modo irá senti-lo de forma igualmente única, devido ao percurso singular que cada um de nós acredita ter na vida presente.


Algo ocorre nesse momento em que damos permissão interior para curar a ferida. Algo realmente mágico e profundamente curador.


Nós somos energia, energia codificada. Na verdade temos códigos para tudo. Portanto nesse exacto momento activamos um código de cura e quando a contagem para essa activação tem início, o processo torna-se irreversível. 9...8...7...6...5... e agora???


Que mundo é este em que estamos a entrar (mas a contagem continua, imparável, indiferente aos nossos receios) onde tudo é desconhecido?


4...3...


Queremos parar mas é impossível! ....2...1....


Afinal a cura esteve sempre aqui e agora que reconhecemos que temos o poder de activar os códigos o que fazemos?


...0 --------- O equilíbrio e a harmonização, a cura e reconexão.

 

O zero: o Tudo e o Nada!

 

Eva Veigas

 

Imagem: Pixabay

Dom | 11.01.15

Vontade - Providência - Fatalidade

Eva Veigas

 

lake-1681485_640.jpg

 

Nestas três palavras encontra-se a chave da nossa existência. A Vontade é uma força que nos vem de Deus e que faz de nós,  seres totalmente livres. Quando a nossa vontade se põe em marcha, tudo à nossa volta entra em movimento para a ajudar a realizar os seus desígnios.

 

Quando a nossa vontade age, a Força Providencial entra em jogo, automaticamente, e lança um jacto de Luz intensa para permitir a perfeita realização dos desígnios da nossa vontade. Se a vontade não é actuante, a Providência também não o é, pois tratam-se de duas forças interdependentes (uma depende da outra). É essencial tomar consciência deste facto fundamental. Se a vontade não está activa, a vida assemelha-se a águas estagnadas, "caldo de cultura" de todos os parasitas.

 

Haziel

 

 

Imagem: Pixabay

Dom | 11.01.15

11/01/2015 - 11:2

Eva Veigas
1697438-800x600-[DesktopNexus_com].jpg
 
Hoje é dia 11/1/2015
Numerologicamente é um dia 11.
1+1+1+2+0+1+5= 11

Lembram-se do que escrevi acerca do 11 na análise numerológica de 2015?

Escrevi o seguinte: "O Número Mestre 11 representa a energia do 1 amplificado. Assim, nestes dia...s poderemos sentir mais coragem, mais força, mais determinação, mais vontade de seguir em frente com a nossa vida, com os nossos projetos, objetivos e ideias. Teremos maior eficácia na execução das nossas tarefas diárias e sentiremos muita energia, sobretudo mental, mas também física.".

Mas como sempre, e penso que aqueles que me seguem / leem, têm noção da existência das polaridades, há sempre o outro lado da questão.

É que hoje também pode ser aquele dia em que nos sentimos perdidos, sem rumo, sem coragem para fazer o que tem que ser feito. Pode ser que a dado momento durante o dia, tenhamos perdido o norte.
 
Nesse caso, teremos que procurar a nossa bússola dentro do labirinto de pensamentos confusos que podem eventualmente ter tomado conta de nós. A bússola é mágica, é linda, toda dourada, e no seu interior existe a mais bela e mais magnífica rosa-dos-ventos. No local exato do ponto cardeal Norte está um magnífico diamante, o mais puro e mais valioso que alguma vez viram.

Procura a tua bússola, no meio do labirinto provocado pelo caos da mente e das emoções que se entrelaçaram e que como um furacão te poderão estar a tentar retirar do teu centro. Vai doer, vai ser difícil, encontrarás muitas armadilhas no caminho. Vais cair, mas vais levantar-te, vais tropeçar mas terás sempre algo a que te agarrar. Por muito que te custe não podes desistir, não agora, não hoje, não assim. Tens que continuar mesmo ferido, mesmo que as tuas asas estejam muito pesadas tens que seguir na tua busca até encontrares o teu tesouro.

Quando o encontrares, quando encontrares a tua bússola mágica, coloca-a diante de ti, observa-a de todos os ângulos e depois espera que ela te indique o Norte. O teu Norte, o teu ponto diamantino, o teu caminho. Não receies. Não receies seguir o caminho que ela te indica. Tudo está bem, tudo está certo.

A forte energia do 11 pode parecer que te esmaga, mas na verdade ela obriga-te a vencer e a ultrapassar obstáculos que nunca pensaste que serias capaz de ultrapassar.

No fim do arco-íris está um pote de ouro, isto é, passando pela peneira do 11 encontramos uma Estrela. A nossa Estrela, o nosso brilho interior que nunca deixou de irradiar, por um segundo que seja, mesmo nos piores momentos, mesmo naqueles momentos onde tudo pareceu ficar escuro de repente.
 
 

 

 


Desejo que encontres a tua bússola mágica, agora!

Um abraço interdimensional
Eva Veigas

 

Pág. 1/2