Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eva Veigas ~ Terapeuta Holística

The Way of Silence

Eva Veigas ~ Terapeuta Holística

The Way of Silence

30
Dez13

1 – O Regente de Dezembro 2014

Eva Veigas

 

 

“A palavra sonhada, a que se ouve ou que se pronuncia num sonho, surge das profundezas do teu espírito armada de um poder que a palavra vulgar não seria capaz de possuir.”

 

Sabedoria Ameríndia

 

  

 

 

Eis-nos chegados ao mês que encerra o ano 2014, com a sua regência 1 que propicia mudanças e novidades em diversos campos ou áreas da nossa vida.

Este mês prepara a entrada do novo ano 2015, cuja vibração se afina com o plano das concretizações, em dimensões mais vastas e profundas.

A energia do 1 e nomeadamente, a deste mês em concreto, é uma imensa oportunidade de alcançar objetivos de forma mais rápida e incisiva.

Este 1 é na verdade a redução de 19 (1+9=10 = 1+0= 10 = 1+0=1).

Trata-se portanto de uma frequência poderosa, porém bem mais subtil. É preciso ter chegado a um certo nível de maturidade e sensibilidade para beneficiar desta preciosa energia.

Na verdade, o 1 simboliza o início ou o começo de algo, enquanto o 9 simboliza o fim ou a conclusão. Porém o 9 não representa um fim em sim mesmo, ele é antes a representação do eterno retorno nesta viagem sem fim que é a vida.

Deste modo, este mês representa um vasto campo de possibilidades, onde a maior dificuldade será exatamente gerir de forma equilibrada estas duas polaridades tão distintas.

Estas frequências em ação resultam, por vezes, numa tendência para nos perdermos em múltiplas tarefas, uma vez que a vontade de agir será o aspeto mais relevante deste mês que se espera extraordinariamente produtivo e ativo.

O 1 é gerador de mudanças profundas, quase nunca inesperadas, porém que se fazem necessárias. Esperar é um verbo que não cabe num mês com estas características. Portanto há que mudar o quanto antes, sintonizando-nos com o fluxo da vida.

Quem tiver autodomínio e autocontrole perante as circunstâncias, sejam elas de que natureza for, durante este mês, criará certamente a estabilidade necessária para viver os meses do ano seguinte com maior liberdade, firmeza e verdade.

Durante este mês também seremos postos à prova ao nível das nossas paixões, dos nossos verdadeiros desejos e ambições, sonhos e esperanças.

Hoje em dia, encontramos muitas pessoas que vivem a vida sem paixão, sem garra, sem estímulos que os façam querer sair das suas tocas, onde confortavelmente se encontram instalados vendo os outros viver as suas conquistas, os seus sonhos e as suas verdades.

Essas pessoas estão de braços cruzados, vivendo o seu papel de vítimas, abandonadas ao seu destino, atribuindo as suas derrotas a um karma ou a um deus castigador e perverso, que se entretém a fazê-las sofrer. Elas veem a sua vida passar, sem se darem conta que os seus sonhos ficaram pelo caminho, que as suas verdades foram compradas a vendedores baratos (outros que como eles andam igualmente perdidos), que os seus anseios jamais se concretizarão e que as suas necessidades nunca serão satisfeitas.

A mensagem deste mês é, em particular, para essas pessoas que vivem quietinhas no seu pequeno mundo, acumulando grandes doses de insatisfação, arrependimento, frustração e revolta.

Este poderoso regente 1 de Dezembro, convida-os de forma inequívoca a abandonar esse “sofázinho” onde se encontram tão bem instalados (eu deveria antes escrever: tão mal instalados). Convida-os a levantarem-se e a moverem-se com determinação em direção ao que realmente desejam. Incita-os a tomarem coragem de olhar bem para dentro de si, até que tomem consciência de que algures no passado desistiram do seu poder.

De que poder falo eu? Do poder de pensar pela própria cabeça; do poder de decidir de acordo com o que pensam; do poder de agir; do poder de assumir a sua própria verdade; do poder ser quem são; do poder de sentir cada experiência como uma verdadeira bênção; do poder de escutar o coração; do poder de se ligar à natureza; do poder ser original e único; do poder de ser diferente, pensar diferente e agir diferente.

Está na hora, portanto, ou melhor, no mês, de resgatar este poder pessoal, de modo a que se possam sentir vivos de novo, deixando cair o peso dos velhos modelos de comportamento.

Está na hora de começar de novo e se preciso for, de começar do zero.

Não existe nada mais desafiante e maravilhoso, e quem já passou pela experiência poderá disso dar testemunho, do que começar de novo.

A energia dos começos agita-nos por dentro, renovando a nossa fé, esperança e confiança num mundo melhor.

29
Dez13

9 – O Regente de Novembro 2014

Eva Veigas

 

“Sonhar não é dormir, mas velar, deslocar-se, agir, viver de outra maneira. Considera o mundo dos sonhos como um segundo mundo, com as suas leis, as suas personagens, a sua realidade. O teu espírito não está encerrado na tua consciência do dia-a-dia, mas estende-se pelos dois mundos ao mesmo tempo, no mesmo momento, em cada um dos instantes da tua vida.”

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

 

 

Novembro apresenta-se como um mês para encerrar mais um pequeno ciclo, com o seu regente 9, resultado da redução de 18 (1+8=9).

O 18 pode ser considerado como uma oitava superior do 9.  

O Senhor dos Sonhos surge quase imperceptível depois de um mês 8 que nos devolveu a vontade de agir em total consciência.

Eis-nos, portanto, chegados ao mês em que podemos fazer novo balanço de vida. O último tinha sido em Fevereiro. (Sugiro que releia o regente de Fevereiro em 2014).

Estes momentos espalhados ao longo do ano são extraordinariamente importantes para que retomemos o fôlego.

Fazer paragens no caminho pode ser revigorante, pois permite-nos sacudir o pó que se foi acumulando ao longo da nossa viagem.

Estes momentos são, efetivamente, vitais para o nosso reequilíbrio. Na verdade, à medida que vamos trilhando o nosso caminho temos tendência para deixar de lado, por esquecimento, por falta de tempo, por mil e uma razões, determinados aspetos ou objetivos que tínhamos decidido completar e que seriam, com toda a certeza determinantes para nós. Portanto, são-nos oferecidos, literalmente, períodos como este, onde nos poderemos e deveremos reposicionar, relativamente aos objetivos traçados.

Durante estes períodos deveremos indagar-nos acerca das nossas motivações internas, do que nos leva, na realidade a agir, mas não só. Refletir acerca das nossas verdadeiras necessidades e prioridades também pode ser muito útil e até revigorante. Fazer uma retrospetiva de tudo o que aconteceu nos últimos meses, por exemplo, avaliando até que ponto as nossas ações estão de acordo com o nosso coração, com a nossa intuição, com as nossas capacidades e com os nossos recursos poderá ser uma excelente ponto de partida para o mês que se segue, com o seu regente 1.

Tudo isto faz parte do nosso processo de aprendizagem e não há que temer alterar ou ajustar quaisquer ações que, por falta de experiência (e porque não fazemos futurologia) no início deste percurso tínhamos decido empreender.

Aliás, ser capaz de reconhecer que a nossa felicidade depende desses ajustes é sinal de crescimento e maturidade.

O 9 representa sem dúvida essa maturidade, essa vontade expressa de afinar a nossa vontade com a nossa ação, fruto dos nossos sonhos aos quais desejamos dar forma.

Necessitamos contudo de uma boa dose de coragem e firmeza e acima de tudo de acreditar em nós mesmos, para viver este mês com tranquilidade e confiança.

O 9 prepara o caminho para o novo ciclo que se avizinha e que terá lugar em Dezembro – o mês que fecha o ano 2014, mas que simultaneamente prepara também ele a abertura de 2015, que será um ano de vibração universal 8.

Portanto estes meses que separam as energias de 2014 (ano 7) e 2015 (ano 8) são muitíssimos reveladores das mudanças e da necessidade de rever velhos conceitos e padrões, que certamente serão substituídos, por novas frequências mais ajustadas à nova energia de Aquário.

Á medida que as novas energias se instalam cabe a nós irmos adaptando e atualizando as nossas vibrações internam para que se tornem cada vez menos dissonantes com o propósito cósmico e cada vez mais sintonizadas com a Sinfonia do Universo.

Assim, este mês 9, e uma vez que nos aproximamos do final do ano, convida-nos a fazer uma introspeção, um pouco mais profunda do que o habitual. Encontramo-nos, sob esta vibração, predispostos a avaliar o nosso estado emocional, identificando os medos que ainda nos impedem de ser nós mesmos, as ilusões que nos dificultam a visão interna e as inseguranças que nos bloqueiam as ações.

 

28
Dez13

8 – O Regente de Outubro 2014

Eva Veigas

 

 

“As tuas paixões lançam-se como voos de dardo, em todas as direções e acabam por se perder. Retém-nas e reúne-as numa mesma força, num mesmo espírito, numa mesma vontade, se quiseres que se tornem um poder.”

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

 

O regente numerológico de Outubro é 8, o Senhor da Expansão, mas também o Grande Protetor da Vida. O 8 representa simbolicamente o universo no seu perpétuo movimento e transformação em sintonia com as Leis Universais, equilibrando harmoniosamente os seus polos opostos de contração e expansão.

Representado na horizontal (∞) o 8 simboliza também o infinito, a eternidade, as Leis Cósmicas em ação que integram as duas polaridades, transcendendo a divisão.

O 8 representa ainda a nossa capacidade de nos regenerarmos e de nos vivificarmos através da nossa fé e autoconfiança. A sua proteção permite-nos confiar na Divina Providência o que por outro lado nos dá a possibilidade de reconhecer que somos filhos da Fonte da Vida e que por isso mesmo reside em nós o seu Poder.

O Poder de transformar e transcender qualquer coisa, em qualquer plano, desde que nos proponhamos a fazê-lo em união com as Forças do Universo

Por conta da forte ação desta fortíssima energia 8, qualquer situação tem tendência a tomar proporções gigantescas, tudo é aumentado, expandido, ampliado e dilatado, seja em que polaridade for.

Recordam-se que ele também foi o regente de Janeiro? (Sugestão: ler ou reler o mês de Janeiro).

Para quem não teve oportunidade de crescer no campo da materialidade eis aqui uma segunda oportunidade.

Uma espécie de continuação do capítulo anterior, mas em que poderemos aprofundar este assunto de diferentes ângulos.

O 8 é um número karmico, o que significa que na verdade apenas iremos colher as consequências das ações que tomamos a cada instante da vida. Se serão boas ou más, isso dependerá da perspetiva de cada um. Na minha opinião não bom nem mau, há apenas a experiência vivida na primeira pessoa que nos devolve informação, através do sentir. São essas informações que farão com que tomemos diferentes ações, as quais naturalmente nos permitirão recolher diferentes experiências.

Até porque independentemente de acreditarmos ou não, durante este mês colheremos inevitavelmente os frutos do que fomos semeando ao longo do ano que agora se aproxima do seu final.

O 8 como dilatador dos mundos, traz consigo a promessa das realizações e das concretizações no plano material, mas há que ter em conta que se as nossas sementes ficaram na caixinha ou não foram bem regadas no momento certo, poderemos ter apenas um solo estéril ou uma colheita estragada. Nesse caso iremos sentir a expansão da perda.

Se for esse o caso há que aceitar o sucedido, e olhar para a situação sem dramatismos. O que importa é o que se aprendeu com a experiência e recomeçar a partir do zero, se preciso for.

Outro aspeto que é necessário considerar, é que quando se fala em materialidade, não se fala apenas em dinheiro, negócios ou bens materiais. Aqui também se encaixa tudo o que diga respeito ao corpo físico, aos relacionamentos, á saúde e assim por diante.

Portanto, em 8 teremos que aprender a fazer. Aprender a agir. Aprender a encarar a nossa realidade. Aprender a aceitar que a matéria é tão sagrada quanto o espírito, pois tudo é energia.

Durante este mês teremos que aprender a ser, acima de tudo, práticos, determinados, empenhados, eficazes, corajosos, ousados, empreendedores.

Também estaremos num mês ideal para planificar, traçar objetivos, evoluir, expandir, concretizar, materializar enfim, fazer acontecer.

27
Dez13

7 – O Regente de Setembro 2014

Eva Veigas

 

 

“Se quiseres manter o teu espírito desperto, medita è beira de um rio, depois de teres feito o vazio dentro de ti, com as pernas cruzadas, de olhos fechados, apenas atento ao ruído da água batendo nas rochas. Depressa o rio deixará de estar fora da tua consciência. Passa a fazer parte dela, assim como o sangue corre pelo corpo. O movimento da água torna-se mais vivo, mais luminoso. Todo o teu ser é invadido por uma presença misteriosa. É o espírito que em vagas douradas escorre do teu espírito.”

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

 

Setembro surge na sua plenitude sob a influência da mágica e poderosa energia do 7.

Antes de mais convém lembrar que a regência de Setembro se encontra alinhada com a regência do ano universal 2014, que também é 7.

Para aqueles que estiverem a viver um ano pessoal 7 este é um mês particularmente forte e especial, pois os três 7 formarão um aspeto benéfico sobre os seus protegidos, em todas as áreas da sua vida.

A propósito e por mera curiosidade, Setembro deve o seu nome à palavra latina septem (sete), dado que era o sétimo mês do calendário romano, que tinha início em Março.

O 7 é o deus da Sabedoria, Senhor dos Tempos e das Coisas Ocultas. Sob a sua influência e durante este mês seremos estimulados a descobrir e usar a nossa sabedoria interna a cada instante.

A sabedoria não pode nem deve ser confundida com conhecimento.

A sabedoria vem da alma enquanto o conhecimento vem dos livros.

Ser sábio, ou tornar-se um sábio, é uma tarefa árdua que pode durar vidas inteiras de entrega e devoção, no entanto, em algum momento de um qualquer instante da eternidade, manifestaremos a vontade ou o desejo de nos iniciarmos nesta senda em busca da nossa própria luz interior.

Os momentos, curtos ou longos, regidos pela energia do 7, são todos favoráveis e propícios a que essa vontade se manifeste.

Tudo pode começar por uma simples frase que lemos num livro, um filme a que se assistiu, um acontecimento marcante na nossa vida, etc.. A verdade, é que fosse o que fosse, o que esteve na base desse chamamento, certamente nos revelou, por breves instantes, memórias antigas de um passado distante em que a nossa relação com a Natureza era completamente diferente daquela que temos agora.

Nem todos os caminhos têm que forçosamente passar por experiências místicas, é certo, porém todos aqueles que atingem um grau de sabedoria, que se evidencia naturalmente, sem imposição do ego, acabam invariavelmente, por manifestar um certo misticismo, uma vez que possuem um profundo e vasto conhecimento acerca do funcionamento do Universo e de tudo o que ele contém. Além disso demonstram manter um relacionamento harmonioso e íntimo com todos os seres vivos, revelando sempre, sob qualquer circunstância, uma natureza gentil e humilde, mas ao mesmo tempo, firme e poderosa.

Sendo assim, é possível que muitos de nós possam, durante este mês de Setembro, sentir um apelo para iniciar o caminho em direção à sua mestria pessoal.

No entanto, há que recordar que os desafios do caminho são muitos e perigosos. Será necessário manter-se atento para que não se transforme num arrogante espiritual, num fanático religioso ou num vendedor de banha da cobra.

Sob a influência do 7 há uma forte tendência para controlar a experiência através da mente pensante, que julga tudo saber. Lembre-se que a mente precisa de treino, caso contrário, seremos levados nas asas da ilusão habilmente criada pelo ego, o que nos poderá sair bastante caro, em termos de evolução espiritual.

Lembre-se que a espiritualidade do 7 choca muitas vezes de frente com a sua racionalidade, pelo que cabe a nós unir estas duas polaridades, extraindo a sua essência, no sentido de vivermos de forma mais feliz, equilibrada, plena e inteira.

A energia deste mês é tão forte e poderosa que muitos de nós poderão sentir-se capazes de fazer o impossível o que poderá criar um grande desagaste, quer mental quer físico, pois na verdade, será muitas vezes o ego inflamado, a dificuldade em assumir que não somos super-homens ou supermulheres, que nos levarão ao limite das nossas capacidades.

Portanto, relaxe. Acalme a sua mente. Aproxime-se gentilmente do seu coração, aninhe-se nele e medite profundamente de modo a sentir-se uno com essa energia amorosa e delicada. Ouça o seu coração e em seguida aja de acordo com ele.

26
Dez13

6 – O Regente de Agosto 2014

Eva Veigas

 

 

“A amizade nunca é espalhafatosa. As demonstrações de afeto só provam a instabilidade dos sentimentos, a inquietação, o medo de perder o que se ama.”

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

 

O Senhor da Beleza, das Artes e do Amor sucede (quase que por consequência natural, depois de uma metamorfose profunda em que o Ser foi literalmente desprovido da sua identidade a fim de se poder reconstruir e renascer) ao 5, o Senhor da Liberdade e das Mudanças.

Assim, perante uma nova forma de Ser e de Estar encontramo-nos agora num patamar onde nos é possível distinguir facilmente a beleza das coisas, das pessoas e dos lugares.

Sentimos a beleza do pôr-do-sol, o aroma de uma flor, assistimos com o olhar cheio de ternura às mais variadas manifestações da natureza e passamos a ver e a detetar beleza em tudo o que nos rodeia.

Na verdade, a beleza esteve sempre lá, éramos nós que não a conseguíamos ver, enredados que estávamos nas teias do egoísmo e da ilusão própria de quem trilha o caminho dos homens.

Sob esta nova e vivificante frequência do 6 estaremos, a priori, preparados para enfrentar novos e cada vez mais estimulantes desafios.

Desta vez, seremos confrontados com o nosso egoísmo e com os nossos enganos acerca do que é amar e ser amado.

O 6 coloca em evidência, como já se disse, a beleza e o amor às artes, mas também, e acima de tudo, o amor que sentimos e desenvolvemos pelas outras pessoas. 

Porém, por causa deste amor surgem todo o tipo de equívocos causadores, em grande parte, para não dizer na totalidade, do sofrimento da humanidade.

É que os seres humanos confundem amor com posse e a partir daí está arruinada, à partida, a possibilidade de mantermos relacionamentos saudáveis uns com os outros.

Muitos de nós, a maioria talvez, deseja ser amado a todo o custo, esquecendo-se que para receber tem que se dar. Mas em verdade, ninguém, sujeito às Leis Universais, recebe seja o que for, sem que antes o tenha dado.

Ora esta simples Lei, porque tudo no Universo é simples e descomplicado, atrapalha a vida dos comuns mortais que desejam receber sem dar nada em troca.

E eis que surge novo equívoco: é que há pessoas que se queixam de dar, dar, dar e nunca receber…(?). Como é isto possível? Acaso as Leis do Universo só funcionam para alguns? Claro que não!

A questão é mais profunda, e este mês vai convidar-nos a encontrar as reais motivações dessa doação que afirmamos ser sincera que nos exige sacrifícios enormes que pretendemos ver reconhecidos a cada momento, adotando uma postura de cobrança do outro. Cobrança de atenção, cobrança de carinho, enfim, chega-se muitas vezes ao ponto de mendigar por amor.

Mendigar por amor…

O Amor é abundância, é infinito, é imenso, é arrebatador, amor é o que irradiamos para fora do corpo físico quando nos sentimos pertença deste Universo magnífico.

Como é possível sermos mendigos quando o amor jorra a partir do nosso próprio centro?

Não daremos apenas para sermos aceites? Será que essa entrega não será unicamente para que o outro veja quão boazinha ou bonzinho, eu sou? Como eu me esforço, sacrificando a minha própria vontade para que o outro reconheça em mim semelhante altruísmo? Não será que muitos de nós necessitam de um reconhecimento constante para fazerem algo na vida, como se esse mesmo reconhecimento fosse o alimento da sua própria motivação?

Então, onde está o amor, nesses casos?

Amar é doar-se a cada momento, é entregar-se por inteiro sem medo de julgamentos e sem necessidade de reconhecimentos. É dar-se sempre mais e mais sem reclamar e sem exigir do outro nada em troca (mas afinal, o outro pediu alguma coisa?). Não! Ele limitou-se a receber. E saber receber também é uma forma de amar. Lembrem-se que há muitos entre nós que não sabem receber, refugiando-se atrás de uma falsa modéstia, quando, na verdade, escondem sob as suas carapaças verdadeiros ogres à espera de serem alimentados pelos outros.

Portanto este será um mês difícil sob este ponto de vista, pois ele exporá sem misericórdia todos os egoísmos, manias e ciúmes que se ocultam por detrás das máscaras da bondade, da generosidade e do amor.

Aproveitemos então para refletir acerca destes comportamentos distorcidos e identifiquemos em nós as carências, o medo de não sermos aceites pelo outro, na família, no grupo, na comunidade, na escola, no trabalho, nas redes sociais, onde quer que nos relacionemos com os outros de alguma forma.

Certamente ficará espantado ao descobrir que o que o movia não era o amor pelo outro, mas sim o medo de não ser aceite por ele.

25
Dez13

5 - O Regente Numerológico de Julho 2014

Eva Veigas

7.jpg

 

 

“Não te fiques na superfície tumultuosa das coisas. Aprende a ir ao encontro delas. Dentro de ti existe um mundo de beleza e de amor, livre e invulnerável, sobre o qual não age o tempo. Abandona os teus temores porque o espírito do homem não morre. É eterno.”

 

A vibração universal do mês de calendário correspondente a Julho é, obviamente um 7. Assim, podemos afirmar que esta vibração está em sintonia com a própria vibração universal do ano 2014, que, como sabem, também é 7.

 

O 7, é governado pelo elemento Ar, e está portanto relacionado com o plano mental, o plano das ideias, dos pensamentos, das elaborações mentais, dos projetos e das comunicações, principalmente, as que tenham a ver com o "Ar". O Ar é o elemento que polariza as ideias e facilita a sua disseminação.

 

Sendo assim, este é um período favorável para trabalhar todos os aspectos que se relacionem com a nossa capacidade mental, quer tencionemos desenvolvê-la, quer ainda, desejemos, trabalhar em níveis mais profundos, como por exemplo, identificar crenças e limitações que não nos permitem dar um salto evolutivo em termos conscienciais.

 

Mas não fiquemos apenas pela vibração universal do mês e usemos intuitivamente a Numerologia de um modo mais profundo e transpessoal. Se ficássemos apenas por aqui, ficaríamos então com a sensação que todos os anos, no mês 7 (em Julho, claro) teríamos apenas e só esta mesma vibração disponível. Seria uma espécie de repetição interminável desta frequência 7 (o que não deixa de ser em parte, verdade), ano após ano e  que nos limitaria em termos de opções e reduziria o leque de possibilidades de ir transcendendo as nossas dificuldades e desafios.

 

Dado que a Numerologia é riquíssima do ponto de vista de cálculos e interpretações, é possível determinar uma vibração específica em Julho, mas para este ano em concreto.

 

Deste modo, a vibração específica em Julho de 2014 é regida pelo 5, o Senhor da Liberdade.

 

Então, Julho é um mês de vibração universal 7 e de vibração específica 5.

 

O 5 será então o número que irá dar corpo a este 7, cuja tendência é dar profundidade às experiências e aos acontecimentos marcados pelo 5.

 

Assim, Julho surge imponente com os seus regentes numerológicos 7 e 5.

5 é o Senhor da Liberdade.

 

Estamos naturalmente a falar da "liberdade" gerada pelas mudanças, ajustes e afinações que queremos e precisamos de fazer, em consequência do movimento iniciado em 4 – O Senhor da Ordem, que nos pediu que identificássemos os padrões automáticos pelos quais habitualmente regemos a nossa vida, sem consciência do nosso papel e da nossa responsabilidade neste mundo em constante evolução.

 

Esse conjunto de mudanças, as quais faremos gradualmente e sem pressa, irão certamente, conduzir-nos à verdadeira Liberdade. A Liberdade de ser quem somos, assumindo com plena consciência o nosso papel de agentes transformadores no mundo.

 

O 5 provoca-nos, agita-nos por dentro, levando-nos a romper definitivamente com a velha estrutura rígida, recheada de “pré-conceitos” e crenças que já não cabem na nova energia aquariana. Fruto da sua natural curiosidade e insatisfação permanente, o Senhor da Liberdade convida-nos a abrir um caminho que nos é completamente desconhecido, rumo a novas direções, ora furiosamente, ora de forma mais suave, mostrando-nos dessa forma, os verdadeiros ritmos da natureza geradores eternos de vida.

 

A nossa insatisfação pessoal é, sem dúvida, o melhor indicador, que está na hora de mudar. Que é tempo de largar as velhas convenções e as correntes às quais nos encontrávamos amarrados. É tempo de nos soltarmos, de confiar na própria existência e de nos deixarmos ir na corrente da vida, sem nada temer, sem nada prender.

 

É tempo de viver a experiência saboreando cada instante com verdadeiro prazer e alegria. É tempo de reconhecer em nós a capacidade de transcender a dificuldade, a dor o sofrimento, a doença. Este é o momento, o ponto nesta eternidade, de passar a viver de acordo com a nossa consciência, deixando-nos guiar pelo Farol Interno, a nossa Alma que vibra em sintonia com a Grande Sinfonia orquestrada pelo Grande Espírito, pelo Impermanente, pela Fonte da Vida e da Criação.

 

Para atingirmos este estado de consciência devemos apoiar-nos num novo modelo de atuação, construído com tijolos de Verdade, Respeito, Amor, Entrega e Gratidão.

 

É necessário criar uma certa estabilidade, um certo rigor, que sirva de plataforma no sentido de ajudar a manter o equilíbrio durante os períodos de instabilidade que se manifestam ciclicamente.

 

Esta é uma tarefa que exige concentração, entrega e atenção. Porém não necessita de ser pesada ou difícil. Basta aceitarmos que enquanto seres humanos precisamos de estar preparados para lidar com o repentino e com o inesperado.

 

Estar preparado para a mudança, significa viver de braços abertos à incrível variedade de experiencias às quais estamos sujeitos nesta dimensão em particular.

 

Deste modo, é fácil compreender, que aqueles de nós que forem mais avessos às mudanças e alterações, sofrerão muito mais durante estes períodos. A nossa resistência no que toca a alterar as rotinas, os hábitos, os vícios, os comportamentos, provocam (sem que tenhamos disso consciência) ainda mais mudanças. A isto se chama querer controlar a experiência.

 

Nada mais ilusório.

 

A verdade é que não controlamos nada. Mesmo aquilo que julgamos controlar é fruto de uma distorção da mente e do ego que nos faz acreditar nessa possibilidade.

 

O controlo leva-nos por caminhos densos e tortuosos onde estamos permanentemente de mal com a vida, lamentando-nos por tudo e por nada, evitando a todo o custo passar por determinadas situações que nos deixam desconfortáveis, impedindo que a vida nos devolva a experiência que de facto, nos poderia libertar.

 

Tudo aquilo que não queremos sentir, ouvir, olhar, é exatamente aquilo de que precisamos para identificar as emoções enterradas nas profundezas do nosso inconsciente.

 

Desse ponto de vista somos obrigados a render-nos perante a Vida, que na sua expressão máxima de Inteligência Infinita nos devolve com compaixão, a cada momento a solução para as nossas dificuldades e limitações.

 

Além disto, ainda, nos é possível chegar à tónica geral do mês ou à essência que neste caso é 3.

 

O 3 é a expressão da alegria que sentimos ao sermos nós mesmos. Quanto mais próximos estivermos dessa essência, mais felizes, alegres, expressivos e comunicativos estaremos.

 

Portanto é essencial que durante este mês busquemos formas de nos expressarmos, movendo-nos com a liberdade do 5 e aprofundando cada experiência, mas retirando-lhe o peso do sofrimento e da dor, com a intensidade do 7. De acordo com estas vibrações energéticas, já não necessitamos de analisar, esquadrinhar e peneirar cada acontecimento com a mente inferior, pois se soubermos usar e usufruir desta energia que nos apoia, poderemos aprender a não mais nos identificarmos com a mente inferior, com o ego manipulador, egoísta e sabotador.

 

Eva Veigas

 

24
Dez13

4 – O Regente de Junho 2014

Eva Veigas

 

“Aprende a permanecer livre. Não sejas prisioneiro de ideias feitas, pois estas só trazem desastres e confusão. Não te obstines na escuridão, pede à terra viva a sabedoria e a força.”

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

 

 

Junho cujo regente é o 4, do alto seu sólido trono vem dar-nos a possibilidade de aprender acerca da forma como estruturamos a nossa vida.

Muitos de nós crescemos com alicerces pouco firmes em famílias desestruturadas ou que entretanto se desmoronaram, de modo, que não é de todo estranha a nossa tendência para imitar agora, como adultos, aquilo que vivenciámos enquanto crianças ou jovens adolescentes.

Não estou com isto a apontar culpas e muito menos a buscar justificações para os comportamentos dissonantes de muitos de nós ou de certas pessoas à nossa volta.

Esta constatação tem como fim, apenas, colocarmos numa perspetiva, que se pretende objetiva, clara e sem juízos de valor as nossas vivências passadas para entendermos o nosso padrão comportamental automático.

Através desta abordagem poderemos aceder a muitos registos do nosso passado mais ou menos antigo procedendo ao movimento interno de querer mudar aquilo que nos incomoda ou que sentimos que não está em sintonia com a nossa vontade, desejos e ambições.

Antes destes padrões serem detetados não é possível fazer as mudanças que considerarmos necessárias, e que naturalmente, em princípio, só faremos no mês seguinte, Julho, cujo regente 5 tem por bandeira a Liberdade.

Daí que este seja, claramente, um mês destinado a identificar padrões de comportamentos rígidos, pobres em conteúdo, mesquinhos na essência, desprovidos de sabor, completamente obsoletos e que se não forem reconhecidos em plena consciência, se estilhaçarão em mil bocados no mês seguinte, que é quando estão previstas acontecer as ruturas, as transformações, as situações inopinadas, quase sempre devastadoras para a nossa vida, pois não nos preparámos com antecedência para elas.

Então o regente 4 convida-nos a arregaçar as mangas e a trabalhar, eventualmente com a ajuda de um profissional, em nós, de forma gradual e sistemática. Pois desse modo a transição, que de qualquer modo se verificará, será sem dúvida mais suave, menos dolorosa e até bem acolhida, de acordo com o grau de consciência de cada um.

Claro está, que estas transformações exigem que nos encontremos em pleno processo criativo, para que possamos regressar ao nosso centro a cada momento, isto é, para que a cada instante as nossas escolhas sejam tomadas em plena consciência, verdade e totalidade.

Este processo irá, sem dúvida, exigir muito de todos nós, pois teremos que ser fortes o bastante, para levar estes processos até ao fim. Sentiremos, muitas vezes, vontade de desistir, pois facilmente perderemos o foco e objetivo, mas lá estará o Senhor 4 a puxar-nos as orelhas, reconduzindo-nos a cada instante para a via do meio, para o nosso centro, para o nosso coração que bate ao ritmo do universo.

Claro que em última instância a decisão é nossa, e podemos mesmo desistir, mantendo os nossos velhos hábitos e padrões, as nossas zangas e frustrações, a nossa cobardia imensa perante a vida, a nossa arrogância e prepotência, a nossa agressividade e revolta, a nossa incapacidade de reagir e a nossa preguiça, a nossa inércia e a nossa dificuldade em assumir as nossas responsabilidades, permanecendo na nossa zona de conforto, quais Velhos do Restelo. É que o nosso livre-arbítrio permite-nos fazer fugas a cada momento, produto dos nossos medos e dificuldades de todo o género.

Aqueles que pretenderem dar mais um passo no caminho, terão que ser persistentes, ousados, capazes de desmascarar as múltiplas identidades do ego, esses personagenzinhos de ficção que habitam em nós e nos moldam a vida por via da nossa apatia ou dos nossos medos de os enfrentar. Acreditamos que eles são reais, mas pior, acreditamos que somos cada um deles. Afirmamos verdades e manifestamos crenças em nome de criaturas que tentam a cada momento apoderar-se da nossa verdadeira essência, porque simplesmente não estamos atentos ao que se passa dentro de nós.

Sob esta maravilhosa vibração do Regente 4 teremos que ser determinados e movidos por uma vontade férrea de seguir em frente subindo mais um degrau na escalada eterna da evolução.

 

 

23
Dez13

Daily Numbers

Eva Veigas

 

23/12/2013

 

 

Regentes Numerológicos do Dia – 14/5

 

Hoje é um dia de extraordinária criatividade, em que o regente 5 nos dá asas para usar a nossa imaginação ao máximo. Na verdade, hoje, será certamemte, um dia muito produtivo, já que muitas das nossas capacidades e habilidades criativas se manifestarão de forma muito intensa. Hoje seremos inundados com ideias e um mundo de possibilidades poderá abrir-se mesmo diante dos nossos olhos.

Mas o dia propõe-nos ir mais longe e sugere que não nos fiquemos apenas pelo mundo das ideias. A verdade é que sentiremos um apelo, fortíssimo, de colocar muitas dessas ideias em prática. Porém, há que ter atenção para não cairmos no perfeccionismo e muito menos na tentação de querer ver tudo concretizado ainda hoje. Portanto, agarre aquilo que for importante hoje, agora, neste preciso momento e anote as restantes ideias num papel, pois poderão vir a ser-lhe úteis mais tarde, num daqueles dias em que a inspiração parece não surgir.

 

Das 00h00 h às 06h00 – Regentes 2 e 8

 

Ponto Fraco: Dificuldade em aceitar o retorno da vida com as suas Leis Universaias, perante as quais nenhum de nós tem imunidade.

Ponto Forte: Vontade de planificar, executar e concluir tarefas, com afinco e entrega.

 

Das 06h00 às 12h00 – Regentes 1, 11 e 2

 

Ponto Fraco: Tendência para perder a coragem ante a decisão previamente tomada.

Ponto Forte: Facilidade e vontade em colaborar com os outros, com vista ao bem comum.

 

Das 12h00 às 18:00 – Regentes 1 e 10

 

Ponto Fraco: Medo de tomar as rédeas da sua vida e incapacidade de reconhecer o seu próprio mérito.

Ponto Forte: Força de vontade para tomar decisões e estabelecer objectivos.

 

Das 18h00 às 00:00 – Regentes 3 e 9

 

Ponto Fraco: Dificuldade em encontrar um rumo para a sua vida.

Ponto Forte: Tendência para acalentar os seus sonhos e inspirar os dos outros.

 

 

Um Abraço na Luz Maior Que a Todos Envolve

Eva Veigas

23
Dez13

3 – O Regente de Maio 2014

Eva Veigas

 

 

“A alegria e o desgosto, o prazer e a tristeza habitam-nos alternadamente, tal como o dia e a noite, a vida e a morte. Se desejares progredir espiritualmente, considera-as como as duas margens do rio que corre no mesmo sentido.”

 

Sabedoria Ameríndia

 

 

 

Maio surge resplandecente sob a poderosa e brilhante regência numerológica do 3 convidando-nos a expressar toda o nosso potencial criativo. Este potencial criativo reside em cada um de nós, sem exceção, mas encontra-se em muitos casos, completamente sufocado, velado, escondido bem no fundo das nossas memórias celulares. São inúmeras as causas para que este potencial não se revele, sendo a mais comum, o facto de a maioria de nós sequer suspeitar que o possui. Assim, este é o mês perfeito, ou o mais adequado, se preferirem, para iniciar esta complicada tarefa: a descoberta do nosso potencial criativo. O 3 como símbolo da criatividade, (pois ele é também o símbolo da trindade, é o produto da soma de um mais dois, é a representação do espírito e portanto também da divindade presente em nós) irá apoiar-nos neste caminho de descoberta pessoal.

Já o disse muitas vezes, mas nunca é demais repetir, que a criatividade não é exclusiva dos artistas. Criativos somos todos nós. Criativa é uma mãe que com escassos recursos consegue por comida na mesa e ainda permanecer de sorriso no rosto, criativo é um pai que se esforça por estar presente, dando atenção e carinho na hora certa, criativos são os apaixonados que tudo fazem para surpreender o seu amor, criativos são todos aqueles que estão doentes e tudo fazem para ultrapassar e transcender as causas e as consequências dessa doença, sempre com esperança e fé. Criativos são os grandes e os pequenos, os ricos e os pobres, os sãos e os doentes, os generosos e os avarentos, os doces de coração e os de coração de pedra… É impossível encontrar alguém que não seja criativo, mas em contrapartida encontramos muitas pessoas que não estão criativas. E essa é a única diferença: a diferença entre SER e ESTAR.

Quando estamos criativos adquirimos uma postura muito peculiar e original de encarar a vida. O facto de encarar os problemas como desafios, é por si só um ato criativo, pois isso prova que estamos na busca de soluções ao contrário daqueles que se focam simplesmente no problema, dando-lhe por vezes uma dimensão que nem sequer corresponde à realidade.

Vou contar-vos uma pequena história que bem poderá ilustrar esta situação.

Certa vez, uma mulher dirigiu-se ao meu consultório em pleno desespero. Tinha perdido tudo, o marido, o emprego, a amizade da família e mais um sem número de “desgraças”. Ela encarava a vida como um beco sem saída e encontrava-se em negação perante qualquer solução que lhe tentasse mostrar.

Ao fim de algum tempo, lá começou a baixar as defesas e disponibilizou-se a ouvir o que a sua numerologia tinha para lhe dizer. Uma das conclusões a que chegámos é que ela não tinha emprego mas também não fazia nada para procurar um. Ela estava num perfeito estado de não criação. Quando saiu da consulta estava um pouco melhor, mas eu podia sentir que aquela mulher estava ainda muito longe de encontrar o seu centro, mas pelo menos estava a disposta a investir de forma mais incisiva na procura de um emprego.

Uns bons meses mais tarde, voltei a ser contactada por ela e foi quando soube que finalmente já tinha um emprego em vista e que iria iniciar funções muito em breve. Fiquei feliz por ela e dei-lhe os meus parabéns. Foi então que a confirmação das minhas suspeitas se manifestou, pois de repente o seu discurso voltou a ser o mesmo de sempre, lamentando-se por tudo, vestindo o papel d vítima que tanto jeito dá. Foi nessa altura que lhe mostrei como estava o seu processo criativo. Ela tinha um emprego, a vida começava a mostrar-lhe que quando se é criativo as soluções aparecem, mas a sua mente continuava agarrada àquele personagem que é vítima dos outros.

Só depois desta última conversa é que ela compreendeu de facto o seu processo e desde aí tem passado por um longo processo de reaprendizagem, em que as suas crenças obsoletas têm, uma a uma, caído por terra, fazendo dela hoje a mulher pró-ativa em que se tornou.

Cabe assim, a cada um de nós, com ou sem ajuda, descobrir este potencial inato, a fim de que se manifeste em cada ato nosso o Poder da Criação, o mesmo que nos foi transmitido pela Fonte Suprema da Criação.

 

22
Dez13

Curso de Numerologia Karmica

Eva Veigas

 

Numerologia Karmica Pessoal e Transpessoal

Nível I

 

O que é a Numerologia?

A Numerologia é a ciência que estuda os números enquanto símbolos, numa perspetiva metafísica e transpessoal. A Numerologia divide-se em Numerologia Karmica Pessoal e Numerologia Karmica Transpessoal. Através do estudo da Numerologia Karmica Pessoal é possível aceder, através do nome e data de nascimento de um dado indivíduo, a um vasto campo de informações valiosas, que nos permitirão aferir não só acerca da sua personalidade (forma como se expressa, que impressão causa no mundo que o rodeia, quais os seus verdadeiros desejos e ambições, quais os desafios que esta vida lhe propõe, entre muitos outros aspetos igualmente interessantes para quem busca conhecer-se em profundidade) mas também acerca da sua essência, ou da sua alma, se preferirem. Neste caso temos a possibilidade de aferir acerca da sua contabilidade karmica, descobrir em que ponto se encontra o indivíduo em relação a ele mesmo (de acordo com o propósito específico que veio cumprir na vida presente), conhecer os principais desafios kármicos, compreender os grandes e os pequenos ciclos da sua vida bem como extrair toda a informação acerca do que verdadeiramente o move em direção à plena integração do seu Ser.

Por outro lado, quando falamos em Numerologia Transpessoal, deixamos de analisar indivíduos e passamos a estudar factos ou ocorrências, geralmente na forma de datas, tendo em conta não só as causas e as consequências que geraram tais acontecimentos mas e sobretudo a razão da sua manifestação, naquele exato momento.

 

Onde se irá realizar o curso?

Em São Domingos de Rana (perto do E. Leclerc)

 

Qual a duração do Curso e em que formato?

9 meses

2 sessões por mês com a duração de 4 horas cada

 

Em que horário?

Das 14:30 às 19:00 (meia hora de intervalo)

 

Qual a data prevista de início?

15/02/2014

 

Aulas seguintes já programadas*

22/02/2014

15/03/2014

22/03/2014

12/04/2014

26/04/2014

17/05/2014

24/05/2014

07/06/2014

14/06/2014

*As datas poderão sofrer alterações

 

Programa

Introdução ao Curso de Numerologia

As Leis Universais Fundamentais

A Data de Nascimento ou a Sequência Vibracional da Alma

O Nome ou a Sequência Vibracional do Ego

Os Números Integradores

Módulos Especiais integrados no Nível I

Os Arcanos Maiores do Tarot,

Anjos

Mantras

Cores e Sons

 

O que é necessário trazer?

Caderno, caneta, mantinha e acima de tudo boa disposição.

 

Como se pode inscrever?

Efetuando o pagamento da inscrição no valor de 25€ para o NIB: 0018 0003 1629 0017 0201 1 e enviando o respetivo comprovativo para evaveigas@sapo.pt até ao dia 31 de Janeiro de 2014.

 

Qual o valor?

50 € Mês (pagos na 1ª aula de cada mês)

 

Quem sou eu?

Eva Vilela Veigas – uma apaixonada pela Vida, eterna estudante e aprendiz dos seus mistérios, que ama acima de tudo partilhar o que sabe. Numeróloga, Taróloga, Terapeuta de Reiki (Grau 3) e Massagista.  

 

 

Pág. 1/4

Bênçãos! Se chegaste até aqui é porque escutaste o chamado da tua alma!

Convido-te a navegar por este espaço. Se gostares fica e subscreve o blogue. És muito bem-vindo/a.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Consultas / Terapias / Retiros Individuais

Numerologia Karmica, Tarot, Tarot Karmico, Oráculos, Cura Xamânica*, Meditação Guiada*, Cura e Resgate da Criança Interior*, Cura da Criança Lunar e Solar* *apenas sessões presenciais

Consultas online

Find us on Facebook

Partilha e difusão de conteúdos

Agradecemos a partilha e difusão de conteúdos, desde que sejam salvaguardados os devidos créditos da autora do blogue e demais fontes por ela citadas.

Consultas / Terapias / Retiros Individuais

Consultas

Cursos / Ws

Textos de Apoio

  •  

Artigos Numerologia

Dias de Nascimento

Ano Universal

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS:

  •  

Entrevistas

Parcerias

Sapo Astral

Sapo Desporto

Tertúlia

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D